Depois de Minas Gerais, Ministério Público do RS também rejeita ação de Vittorio Medioli contra site

Ministério Público do Rio Grande do Sul também rejeitou queixa-crime por calúnia e difamação movida pelo empresário e político Vittorio Medioli contra o site Livre Concorrência. A exemplo da promotora de Justiça Júnia Barroso Oliveira Balsamão, da 1ª Promotoria de Justiça da Comarca de Betim (MG), o parecer de Fernanda Ruttke Dillenburg, da 9ª Promotoria de Justiça Criminal de Porto Alegre, destacou a falta de elementos apresentados pelos advogados de Medioli para instauração de ação penal.

No parecer, juntado aos autos em 18 de março de 2019, a promotora do Rio Grande do Sul escreveu:

“Verifica-se que a análise da peça acusatória evidencia que a mesma não observou os requisitos estabelecidos pelo artigo 41 do Código de Processo Penal, mais especificamente com relação à exposição do fato criminoso com todas as suas circunstâncias.”

E acrescentou:

“A queixa-crime limitou-se a descrever situações em que o querelado teria atentado contra a honra dos querelantes, juntando documento, mas não descrevendo com maior exatidão as supostas ofensas.”

Fernanda Dillenburg concluiu:

“Não houve, sequer, a adequação das condutas ao tipo penal atinente.”

O processo contra o site é assinado por Vittorio Medioli e mais quatro empresas (pessoas jurídicas) de propriedade dele: Sada Transportes e Armazenagens, Brazul Transporte de Veículos, Transzero Transportadora de Veículos e Dacunha. Os advogados de Medioli e do grupo Sada alegam que o conteúdo do site Livre Concorrência macula o nome e a honra do empresário que se elegeu prefeito de Betim em 2016.

Acusação inepta
Na Comarca de Betim, município da região metropolitana de Belo Horizonte (MG), a representante do Ministério Público mineiro qualificou de “inepta” a acusação de Medioli.

“A queixa não menciona a data de todos os delitos, importante para se verificar, em se tratando de ação penal privada, as condições de procedibilidade e a própria decadência dos direitos. Deixa de mencionar outras circunstâncias passíveis de serem apuradas, de modo a inviabilizar a ampla defesa do querelado, configurando acusação inepta.”

A ação foi remetida para Porto Alegre, depois de a 3ª Vara Criminal de Betim declinar da competência para julgá-la. Atualmente, o site Livre Concorrência responde a nove processos movidos pelo dono e por funcionários do grupo Sada. Na segunda-feira (20), Vittorio Medioli desembarcou em Porto Alegre para participar de audiência e propor um acordo com o jornalista Ivens Carús. Pela quarta vez consecutiva, o editor do site recusou a oferta.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen