Deputado gaúcho tentou criar CPI para investigar cartel dos cegonheiros

Quinze anos antes de parlamentares do Nordeste decidirem enfrentar os prejuízos econômicos causados nos Estados onde o cartel dos cegonheiros começa a atuar, um parlamentar gaúcho atacou de frente a organização criminosa que controla o transporte de veículos novos no País. Em julho de 2002, o então deputado federal Alceu Collares (PDT-RS) apresentou requerimento para criação de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar “abusos de poder econômico praticado por empresas que fazem o transporte de veículos zero-quilômetros para montadoras instaladas em diversas unidades da Federação.

À época, o parlamentar gaúcho afirmou que um sindicato que se intitulava nacional cobrava taxas daqueles que quisessem trabalhar como cegonheiros:

“Isso é um absurdo, pois sindicato só pode ser regional. O que é nacional são as federações.”

Fretes exorbitantes
Collares defendeu a necessidade da CPI, afirmando que “o Congresso Nacional não pode admitir a cartelização de um serviço que está gerando fretes com valores exorbitantes para o transporte de veículos para qualquer lugar do País.

A iniciativa de instalação da CPI foi abortada pela ação de outro parlamentar. Vittorio Medioli, dono da Sada e atual prefeito de Betim, articulou para inviabilizar a investigação. Medioli elegeu-se quatro vezes deputado federal por Minas Gerais. Recentemente, o deputado federal Pastor Eurico (PHS-PE) acusou o empresário e político mineiro de ser “chefe de uma máfia”.

Políticos ligados ao cartel
Depois de Collares, a bancada gaúcha na Câmara dos Deputados parece ignorar completamente o tema. Têm exceções, mas infelizmente os interesses são outros. O deputado federal Jones Martins (PMDB) acompanha de perto as movimentações e eventos dos líderes do cartel. Ele participou da 19ª Expo de Transporte do ABCD. A feira é promovida pelo Sindicato Nacional dos Cegonheiros (Sindicam). A entidade, agora denominada Sinaceg, já foi condenada por formação de cartel e é considerada o braço político da organização criminosa que controla o mercado de transporte de veículos novos no País, segundo investigações do Ministério Público Federal e da Polícia Federal.

Mais do que isso, Martins foi contemplado com uma vaga para transportar máquinas pesadas. A Bonança Transportes Logística Importação e Exportação, empresa que o acolheu como agregado, tem vínculo operacional com o Sinaceg, conforme publicação da própria entidade. A transportadora também aparece em esquema de venda de vagas para escoar veículos da GM e da Volkswagen.

Outro político do PMDB do Rio Grande do Sul que também atua como cegonheiro é o prefeito de Gravataí, Marco Alba. Ele possui três caminhões-cegonha transportando automóveis da GM. A cidade de Gravataí é sede da General Motors no Rio Grande do Sul.

Crédito da foto: PDT-RS

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen