Em nota, Sada esclarece que só trata com sindicatos de forma institucional

O grupo Sada, por meio de nota, desqualificou as denúncias e atacou o presidente do Sindicato dos Cegonheiros de Pernambuco (Sintraveic), José Milton de Freitas. O sindicalista, em depoimento prestado à Polícia Federal, acusou Vittorio Medioli, dono do grupo Sada, de pagar propina de R$ 10 milhões para regularizar situação de sindicato pernambucano no Ministério do Trabalho. A entidade que teria sido beneficiada com recursos ilegais é subordinada ao cartel dos cegonheiros. A venda de documentos oficiais por servidores e políticos ligados ao órgão da União está sendo investigada pela Polícia Federal, em operação chamada Registro Espúrio.

Em um texto longo e repleto de adjetivos, os representantes da Sada esclarecem:

“Lamentamos que denúncia caluniosa de um falso caminhoneiro, agora auto intitulado (sic) “delator”, tenha sido levada a sério por uma rede de televisão.”

O texto refere-se à reportagem veiculada em cadeia nacional pela Rede Record. Mais adiante, escrevem:

“As denúncias divulgadas que relacionam o Grupo Sada à compra de cartas sindicais são estapafúrdias, inconsequentes e até mesmo “impossíveis” de se encaixar na realidade, gerando revolta e indignação no conjunto de nossas empresas.”

Na resposta do conglomerado mineiro, Freitas é descrito como detrator contumaz do grupo:

“Ele se aproveita da clandestinidade para fugir de cinco processos de crimes contra a honra, todos movidos pelo Grupo Sada.”

A nota ressalta:

“O Grupo Sada esclarece que não teve, não tem e nunca terá interesse na “compra” de cartas sindicais, até porque elas não serveriam (sic) em nada ao grupo empresarial. Portanto, essa falsa denúncia, que vem à tona se aproveitando das boas intrenções (sic) da “Operação Registro Espúrio”, não possui qualquer sentido de utilidade prática ou econômica, totalmente falsa e injuriosa.”

Afirmam que a Sada é mais uma vítima:

“O Grupo Sada lamenta que centenas de concessões de cartas sindicais permitiram a formação de 1.200 sindicatos de caminhoneiros, alguns dominados por parlamentares que comprometem o setor em todo o Brasil.”

Sobre a venda de cartas sindicais:

“A quase totalidade dessas cartas sindicais acaba sendo uma arma politica a criminosos para arrecadar e até extorquir suas vitimas, dentre os quais o próprio Grupo Sada se inclui, fazendo coro à necessidade de uma profunda investigação e à imediata revogação de cartas espúrias que geram uma verdadeira balburdia no setor. “

E concluem:

“O Grupo Sada é justamente mais uma das vítimas desse esquema de extorsões. A qualquer interessado que pretenda compreender a fundo as práticas criminosas e os golpes que se praticam mediante uma fachada sindical, o Grupo Sada coloca à disposição farta documentação que acumulou para entender os tumultos que acontecem no setor em que aparece como o maior player do Brasil.”

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Combate aos cartéis Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen