Entidade ligada ao transporte de valores quer comprar vacinas contra Covid-19 apenas para dirigentes sindicais

A informação foi noticiada pelo jornal Valor Econômico e pelo site Consultor Jurídico.

O jornal Valor Econômico informa que a Federação Nacional das Empresas de Segurança e Transporte de Valores (Fenavist) pretende comprar vacinas contra Covid-19 apenas para diretores, familiares e área administrativa de sindicatos e associações que a compõem. A iniciativa foi criticada pelo veículo de comunicação por não envolver cerca de 1 milhão de vigilantes que trabalham presencialmente no setor.

O texto publicado em 5 de abril revela que a Fenavist questionou os seus colaboradores sobre o interesse de antecipar vacinação prevista pelo Sistema Único de Saúde. A entidade obteve liminar permitindo a importação do imunizante sem necessidade de doação ao SUS. O site do jornal reproduziu trecho de circular encaminhada aos associados:

“Sendo assim, precisamos que Sindicatos/Associações façam um levantamento acerca do número de doses de vacinas necessárias para a covid-19, junto a sua diretoria e parte administrativa, para antecipação da vacina. Com a aquisição em conjunto, entende-se que se poderá negociar melhor com as empresas fornecedoras.”

Falta recurso para imunizar 1 milhão de vigilantes
Ao Valor,  o vice-presidente da Fenavist, Jacobson Neto, declara que as entidades patronais não têm recursos para arcar com a vacinação para todos os vigilantes, que somam cerca de 1 milhão de profissionais no país, sendo cerca de 600 mil deles empregados formalmente.

Ele ressalta:

“Mas pleiteamos incluir os vigilantes como um dos grupos prioritários”

Na edição de 31 de março, o site Consultor Jurídico (conjur.com.br) também critica a ausência dos vigilantes na proposta de vacinação elaborada pela entidade. O texto começa assim:

“Fenavist resolveu furar a fila dos fura-filas para vacinação contra a Covid. De carona na decisão da 21ª Vara Cível de Brasília, que autorizou a compra de vacinas por sindicatos — para seus associados — a entidade quer vacinar apenas a cartolagem e seus familiares.”

E acrescenta:

“A Fenavist, que representa empresas e trabalhadores altamente expostos à contaminação, excluiu empregados das empresas associadas e representadas: empregados de bases, carros-fortes e vigilantes, que têm maior contato com clientes e a população.”

O site destaca:

“A Fenavist, juntamente com Prosegur, Protege, Brink’s, ABTV – Associação Brasileira de Transporte de Valores e Fenaval (Federação Nacional das Empresas de Transporte de Valores) são investigadas desde dezembro de 2020 pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) por possível afronta à Lei 12.529/11, que dispõe sobre infrações da ordem econômica.”

Direito de resposta
A Fenavist solicitou direito de resposta ao Conjur. Sobre compra de vacinas, a entidade escreve:

“É uma falácia afirmar que a federação e os sindicatos associados estejam preocupados apenas com dirigentes e estejam buscando formas de furar a fila da vacinação contra a Covid-19. Quando e, se for possível legalmente, a medida atingirá todos os funcionários das entidades.”

A respeito da investigação no Cade, a Fenavist rebate:

“Não compreende a razão pela qual tenha sido incluída junto ao procedimento no Cade, mesmo porque até o presente momento não foi intimada em qualquer processo que envolva tal Conselho. Todavia, antecipa-se que a Fenavist sempre pautou sua conduta com claro e indispensável respeito à legislação aplicável.”

E ressalta:

“Desde que foi fundada em 1989, a Fenavist atua em prol do desenvolvimento saudável e sustentável do mercado, de forma a garantir um cenário em que todas as empresas possam desenvolver e prestar seus serviços da melhor forma possível.”

E arremata:

“A federação combate rigorosamente os preços inexequíveis e a clandestinidade, que são dois graves problemas para o segmento.”

O site Livre Concorrência apurou que em 15 de dezembro de 2020, por meio do Despacho 36/2020, o Cade instaurou inquérito administrativo para apuração de infrações à Ordem Econômica, tendo como uma das representadas, a Fenavist. Além dela, constam a Prosegur, a Protege, a Brink’s, a ABTV e a Fenaval.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Entidade ligada ao transporte de valores quer comprar vacinas contra Covid-19 apenas para dirigentes sindicais"

  1. Muito bom essa mudança na PRESIDÊNCIA DO CADE quem sabe pode ajudar nas investigações sobre o CARTEL DAS EMPRESAS TRANSPORTADORAS DE VEÍCULOS vamos torcer!!

Os comentários estão encerrados