Estímulo à navegação de cabotagem deve gerar reação de cartel que controla transporte de veículos novos

Como a concentração de cargas no transporte de veículos novos pouco ou nada mudou nas últimas duas décadas, a decisão de o governo federal estimular a navegação de cabotagem deve deflagrar novo locaute por parte de transportadoras que integram o cartel dos cegonheiros. Em 1997, a reação do cartel contra determinação da Fiat de transportar para o Nordeste 800 veículos por semana em navios provocou uma greve nacional dos donos de caminhões-cegonha.

Na ocasião, o jornalista Luiz Nassif, da Folha de São Paulo, escreveu:

“Os cegonheiros comportam-se como corporação típica que, estando frente a mudanças inevitáveis, tentam conservar a ferro e fogo o antigo status quo. Melhor fariam entendendo, se adaptando e defendendo o direito deles dentro das regras dos novos tempos.”

A pressão comandada pelo cartel resultou na vitória das forças retrógradas. A montadora recuou, claro. O jornalista qualificou o grupo que não admite a livre concorrência de corporação do atraso. A organização controla atualmente mais 93% do faturamento anual. O montante é superior a R$ 6 bilhões.

Também no final da década de 1990 discutia-se os impactos da aprovação de uma nova lei para a navegação cabotagem. Estimava-se à época que o custo do frete cairia pela metade com as alterações na legislação. Ficou tudo engavetado.

Navegação de cabotagem
Na última segunda-feira (29/7), o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, anunciou que o governo deve enviar no próximo mês ao Congresso Nacional medida provisória para aumentar o volume de cargas transportadas por navegação de cabotagem (entre portos do mesmo país).

O objetivo é triplicar os embarques de cargas até 2021 e diminuir o perfil do frete no país. O ministro afirmou que a mudança está agradando a todos, inclusive os caminhoneiros:

“O frete de longa distância, que antes era feito por caminhão, cruzando o Brasil inteiro, vai começar a ser feito por cabotagem, e o frete rodoviário passa a ser de curta. O perfil do frete rodoviário vai mudar, o que é bom. No frete de curta distância é onde o caminhoneiro ganha mais, a renda é maior, onde ele desgasta menos o equipamento. Essa mudança de comportamento de logística está agradando a todos, inclusive o caminhoneiro.”


O ministro disse ainda que a MP deve mudar regras sobre o fretamento de cabotagem e também tributárias.

O site Livre Concorrência torce para que a vanguarda do atraso não vença novamente essa guerra.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Estímulo à navegação de cabotagem deve gerar reação de cartel que controla transporte de veículos novos"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    Prezados amigos leitores deste magnífico Portal, se o CARTEL existente no nosso País, há longos anos, incendiaram várias carretas de transportadoras, que ganharam a concorrência para operarem no seguimento afim, certamente tentarão incendiar também os Navios em questão, pois eles nunca vão querer perder este domínio!
    Caberá então ao MPF e a PF, juntamente com o Governo Federal, tomar as devidas providências, para evitar estes desmandos!
    Todo cuidado é pouco!
    AVANTE BRASIL!

Os comentários estão encerrados