Ex-executivo da Brazul quer indenização por ter sido indiciado pela Polícia Federal no âmbito da Operação Pacto

Alexandre Santos e Silva, indiciado pela Polícia Federal, segue caminho idêntico ao de Vittorio Medioli, político e empresário proprietário do grupo Sada, nas queixas contra o site Livre Concorrência. Demitido da Brazul [Grupo Sada] após as buscas e apreensões comandadas pela PF, Gaeco e Cade, o ex-diretor comercial recebeu indenização de R$ 208 mil e pede Assistência Judiciária Gratuita na ação indenizatória contra três pessoas físicas e duas jurídicas por exposição do vínculo dele com o chamado cartel dos cegonheiros.

De São Paulo

Indiciado pela Polícia Federal no âmbito da Operação Pacto junto com outras 11 pessoas por crimes contra a ordem econômica e associação criminosa, Alexandre dos Santos e Silva busca indenização por dano moral em ação movida na comarca de São Bernardo do Campo (SP) contra o site Livre Concorrência, a transportadora Transilva Logística e seus diretores José Geraldo Valadão, Marcelo Zaffonato e Adilson da Silva Simões. Na petição, alega não ter recursos para custear as despesas do processo e problemas psiquiátricos. Juntou documentos de inquérito policial civil que tramita em segredo de Justiça na comarca de Betim (MG). A Assessoria de Imprensa da Polícia Civil de Minas Gerais já reiterou que o procedimento investigatório está sob sigilo. Medioli leva depoimentos dados no IPL ao Cade, mesmo modelo copiado pelo ex-funcionário.

Afinando o discurso jurídico ao de Vittorio Medioli, prefeito municipal de Betim e proprietário do grupo Sada que controla a Brazul Transporte de Veículos, Alexandre Santos (como é mais conhecido) também acusa o site Livre Concorrência de ser patrocinado exclusivamente pelo empresário Sérgio Mário Gabardo, proprietário da Transportes Gabardo, o que não corresponde à realidade, segundo a Justiça de Betim, que negou liminar pleiteada pelo político e empresário. Em atestado médico anexado à petição inicial, uma psiquiatra – cujo nome será preservado – assegura que o paciente [Alexandre Santos] “iniciou tratamento em novembro de 2016” – três anos antes da deflagração da Operação Pacto ocorrida em outubro de 2019. Ela afirma que ele teve sua última consulta em setembro de 2020, quando foi orientado a manter as medicações. Relata que o paciente apresentou “piora severa em 2020, associando a acusações recebidas pela Polícia Federal”.

Documentos apreendidos pela Polícia Federal e anexados ao inquérito administrativo em andamento no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) indicam que Alexandre Santos tentou negociar com colaboradores da montadora Caoa Hyundai de Anápolis (GO) a tomada do transporte de veículos novos sem que houvesse a abertura de BID – espécie de cotação de preços na iniciativa privada. Diversas correspondências eletrônicas mostram, inclusive, que pelo menos um funcionário da Caoa ouvia conversas telefônicas de forma sorrateira do presidente Carlos Aberto de Oliveira Andrade, e repassava o conteúdo a Alexandre Santos. O teor era enviado por e-mail a Gilberto dos Santos Portugal, executivo da Brazul já falecido.

Na ação, o ex-executivo da Brazul, que foi demitido em abril de 2021, pede indenização por danos morais no valor de R$ 50 mil. Alega que sofreu prejuízos pela divulgação de notícias revelando seu envolvimento no chamado cartel dos cegonheiros. Ele também anexou ao processo, acordo parcial de Leniência feito pela Transilva com o Cade e depoimentos prestados pelo ex-líder sindical Afonso Rodrigues de Carvalho, dados à Polícia Civil de Betim (MG), após acordo milionário com Vittorio Medioli e de Ana Aquino, todos considerados sigilosos.

Procurado pela reportagem, o escritório de advocacia Cavalcanti Neto, da Transilva Logística, não se manifestou.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Ex-executivo da Brazul quer indenização por ter sido indiciado pela Polícia Federal no âmbito da Operação Pacto"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    QUE COISA LAMENTÁVEL, NÃO É MESMO?
    ESSA É A SITUAÇÃO QUE A PRÓPRIA JUSTIÇA PROVOCA, POR TER DEIXADO DE CONDENAR DEFINITIVAMENTE TODOS OS RÉUS DESSAS AÇÕES, POR TANTOS ANOS!
    SE TIVESSEM EMBARGADO TAIS EMBARGOS, NÃO PROPORCIONANDO BRECHAS PARA TAIS RECURSOS, NADA DISSO ESTARIA OCORRENDO, HOJE EM DIA!
    TODOS OS RÉUS DESSAS AÇÕES, JÁ DEVIDAMENTE INVESTIGADOS, DEVERIAM TER SIDO CONDENADOS, SEM DIREITO A SE PRONUNCIAREM, PRINCIPALMENTE CONTRA ESSE PORTAL JORNALÍSTICO, QUE SÓ DIVULGA FATOS REAIS E RELEVANTES!
    O CARTEL EXISTE SIM E, TRATA-SE DE UMA ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA, MUITO PERIGOSA.
    CUMPRAM-SE AS LEIS, DEFINITIVAMENTE, E CONDENEM A TODOS OS CITADOS RÉUS.
    DOA A QUEM DOER!
    ASSIM ESPERAMOS!
    SALVEM O NOSSO BRASIL, SRS. JUÍZES, QUE ATUAM NESSAS CAUSAS HEDIONDAS!
    NADA MAIS A COMENTAR!

Os comentários estão encerrados

Artigos Relacionados