Economistas do banco central americano afirmam que os monopólios estão destruindo o continente

O aumento do poder de mercado das grandes empresas aliado à desigualdade crescente se constituem nos dois principais problemas da economia americana. O mesmo vale para o Brasil, onde grandes grupos econômicos dominam mercados – a exemplo do que ocorre nos setores de transporte de veículos novos e do transporte e custódia de valores. A conclusão no caso norte-americano foi divulgada por Isabel Cairó e Jae Sim, dois economistas do Federal Reserve (FED), o Banco Central Americano. O estudo denominado Market Power, Inequality, and Financial foi divulgado pela Bloomber e, na semana passada, pelo Brazil Journal.

Publicidade: confira aqui o conteúdo do site Debate Jurídico

Para os especialistas, a parcela do PIB (Produto Interno Bruto) destinada aos trabalhadores caiu. Em contrapartida, os lucros das empresas cresceram significativamente, aumentando a concentração de renda e riqueza “num ritmo impressionante”. Isso nos últimos 40 anos. Os dados mostram que entre 1983 e 2016, o patrimônio dos 5% mais ricos já havia triplicado, sem contar toda a alta da Bolsa nesse mesmo período. Para Isabel e Sim, os fenômenos estão aumentando o risco financeiro e a alavancagem da economia. Os trabalhadores mais pobres se endividam para sobreviver, enquanto os mais ricos aumentam a demanda por títulos da dívida.

‘A ascensão do poder de mercado das maiores corporações pode ter sido a força motriz de todas essas tendências”, aponta o documento. Políticas públicas que redistribuam a renda “podem ser ferramentas macroprudenciais poderosas para evitar crises financeiras”, dizem os economistas. Também é destacado que ao longo das últimas três décadas, por exemplo, um aumento gradual do imposto sobre dividendos de zero para 30% poderia ter sido eficaz para evitar quase 50% do crescimento da desigualdade de renda, crescimento do crédito e o aumento da probabilidade endógena de uma crise financeira”. A pesquisa, publicada por funcionários vistos como não partidários e que não reflete necessariamente a visão do FED, ecoa uma série de estudos recentes analisando os ricos que a concentração de mercado impõe ao capitalismo.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Economistas do banco central americano afirmam que os monopólios estão destruindo o continente"

  1. Luiz Carlos Bezerra disse:

    É inacreditável como citam no Portal. Até no exterior apontam que o Cartel dos Cegonheiros atuam há longos anos, causando estrago financeiro em nosso Pais. E surpreendentemente atuam até os dias de hoje! É um fato notório que grandes Empresas sempre causam prejuízos, não só ao Brasil, mas em todo Planeta!
    Agora com essa “pandemia”, criada pelos Chineses, piorou em muito as condições financeiras dos mais pobres, ou seja, das grandes populações menos atendidas financeiramente!
    LAMENTÁVEL!

Os comentários estão encerrados