Falta de conselheiros não atrasa andamento de inquéritos no Cade. Mapa do cartel está prestes a ser definido

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) está prestes a traçar o mapa do cartel dos cegonheiros que, segundo o Ministério Público Federal, cobra um sobrepreço no frete de 25%. O prejuízo é transferido automaticamente para o consumidor por conta da ausência de livre concorrência no setor. O órgão antitruste já está de posse de centenas de documentos encaminhados pelas montadoras instaladas no país, que foram intimadas, em setembro do ano passado, a prestar esclarecimentos sobre o escoamento da produção. De acordo com a assessoria de imprensa do Cade, a falta de conselheiros, que chegou a suspender prazos processuais, não atrasa o andamento dos inquéritos que são da competência da área técnica da Superintendência-Geral.

O inquérito administrativo que apura possíveis infrações à ordem econômica no setor de transporte de veículos novos não tem prazo para ser concluído ou transformado em Processo Administrativo. Desde que o procedimento preparatório foi instaurado, em 16 de fevereiro de 2016, mais de uma dezena de prorrogações foram consumadas, cada uma delas de 60 dias.Técnicos estão debruçados sobre a farta documentação.

Além da documentação encaminhada pelas fábricas de automóveis, o Ministério Público Federal de São Bernardo do Campo (SP) foi responsável pelo envio de pelo menos 46 documentos ao Cade, segundo levantamento feito pelo site Livre Concorrência. Todo o material foi anexado ao inquérito administrativo.

Prejuízo bilionário ao consumidor
Na Ação Civil Pública movida pelo MPF do Rio Grande do Sul, que condenou a General Motors do Brasil, o seu diretor (na época) Luiz Moan Yabiku Júnior, a Associação Nacional das Empresas Transportadoras de Veículos (ANTV) e o Sindicato Nacional dos Cegonheiros (SInaceg, ex-Sindicam), todos por formação de cartel, o autor da ação formatou equação quantificando os prejuízos causados aos consumidores.

Na apelação que está parada desde 2016 no Tribunal Regional Federal da 4ª Região, o MPF comprovou que o frete cobrado por integrantes da ANTV e Sinaceg (ambos detêm mais de 93% do mercado) é 25% maior do que de empresas concorrentes. E todo o valor é repassado integralmente para o comprador de carro zero quilômetro, o que gera um prejuízo superior a R$ 1,8 bilhão por ano.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Falta de conselheiros não atrasa andamento de inquéritos no Cade. Mapa do cartel está prestes a ser definido"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    POIS É MEUS AMIGOS QUE FAZEM PARTE DAS TRANSPORTADORAS NÃO VINCULADAS A ESTE CARTEL MALÍGNO!
    CADA VEZ QUE VEJO ESTAS MATÉRIAS DIVULGADAS, ME CAUSAM REPÚDIO!
    SÓ FICAM AS PERGUNTAS NO AR: POR QUÊ ESTE CARTEL AINDA ATUA NESTE MERCADO, CAUSANDO TANTO PREJUÍZO AOS CONSUMIDORES FINAIS?
    POR QUÊ OS LÍDERES DO CARTEL AINDA ESTÃO LIVRES E NÃO PRESOS?
    POR QUÊ NÃO FOI CRIADA ATÉ HOJE, A “LAVA JATO DO CARTEL”, SE TODOS TAMBÉM SÃO CORRUPTOS?
    O NOSSO PAÍS, AGORA SOB ESTA NOVA DIREÇÃO, TEM QUE PUNIR ESTES BANDIDOS!

Os comentários estão encerrados