Fraca ação do Estado faz livre concorrência avançar apenas 0,3% ao ano sobre domínio do cartel

Quem luta para integrar o bilionário mercado de transporte de veículos novos vê a minúscula participação crescer lentamente e a duras penas. A fraca ação do Estado para combater a organização criminosa que controla e mantém fechado o mercado com mãos de ferro ajuda a dificultar o exercício da livre concorrência consagrado na Constituição brasileira. O avanço não passa dos 0,3% a cada espaço de 12 meses. Nos últimos 16 anos, a redução do cartel no comando do setor que movimenta mais de R$ 7,5 bilhões por ano chegou a apenas 6,81%. Mesmo assim, a cada conquista, empresas especializadas viram alvo de incêndios criminosos em seus equipamentos, além de uma série de outros atentados. É o cartel contra a livre concorrência.

Em 2018, segundo levantamento realizado com exclusividade pelo site Livre Concorrência, tendo por base dados da Fenabrave e do Ministério Público Federal, as empresas que ousam disputar o mercado, além de arcarem com prejuízos gigantescos por conta dos atentados, faturaram 5,16% do montante repassado por montadoras às transportadoras do sistema cartelizante.

O total faturado pelas transportadoras que não participam da organização criminosa chegou a pouco mais de R$ 370,036 milhões, contra R$ 7,1 bilhões dos integrantes da chamada Associação Nacional das Empresas Transportadoras de Veículos (ANTV), que tem como braço político o Sindicato Nacional dos Cegonheiros (Sinaceg).

O combate do Estado é fraco. Desde 2002, apenas o MPF do Rio Grande do Sul ajuizou ação civil pública por crimes contra a economia popular. Todos os réus denunciados foram condenados por participação ativa na formação de cartel no setor de transporte de veículos novos. A sentença foi proferida 14 anos depois de protocolada na Justiça.

Réus condenados
– General Motors do Brasil
– Luiz Moan Yabiku Júnior (diretor para assuntos institucionais da GM)
– ANTV
– Sinaceg

Ação penal
Recursos ainda aguardam por julgamento no TRF-4. Em ação penal, também movida pelo MPF-RS, Moan, Paulo Guedes (presidente da ANTV) e Aliberto Alves (presidente do Sinaceg) foram condenados em 2003. Ninguém cumpriu as penas. Moan recebeu o benefício da prescrição, comprovando que o crime compensa.

No Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), pelo menos quatro denúncias foram arquivadas. Atualmente está em andamento inquérito administrativo para apurar possíveis práticas de infrações contra a ordem econômica. Mas o procedimento já conta com 13 adiamentos de 60 dias cada um.

No MPF de São Bernardo do Campo-SP, as representações andam a passos de tartaruga. O mesmo ocorre no Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). Em Pernambuco, o Sindicato dos Cegonheiros (Sintraveic-PE) ajuizou ação de execução provisória de liminar e de sentença (mesma da GMB no RS), mas até agora a decisão não trouxe efeitos práticos contra o cartel.

Nota
Na tabela publicada nesta matéria, os números atribuídos à Hyundai-Brasil (fábrica de Piracicaba-SP), referem-se ao percentual de 70% do escoamento da produção, entregue a empresa não vinculada ao sistema cartelizante. Para se chegar aos totais é preciso somar 30% do transporte entregue a empresas integrantes do cartel, cuja tabela está na matéria intitulada “Submissão de montadoras ao cartel dos cegonheiros impõe prejuízo de R$ 1,8 bilhão aos consumidores em 2018”.

Pela importância no mercado nacional, o site Livre Concorrência também computou os números da Kia, (apesar de figurar como importadora).

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen