GM e Volkswagen silenciam sobre contratação da Bonança

Condenada pela Justiça Federal do Rio Grande do Sul por formação de cartel no setor de transporte de veículos novos, a General Motors do Brasil preferiu não se manifestar sobre a contratação da empresa paulista Bonança Transportes Logísticas Importação e Exportação.

A montadora recebeu, em primeiro grau, aplicação de multa de R$ 250 milhões. Mas o MPF, autor da ação, quer que o TRF4, onde está o recurso, aumente a sanção para R$ 1 bilhão. Nesse processo, também foram condenados Luiz Moan Yabiku Júnior (ex-diretor da GM), Sindicam e ANTV, que teve sua extinção determinada pela Justiça Federal.

A Volkswagen, também citada no anúncio da venda de vagas e apontada como contratante da Bonança, não quis se manifestar. A informação foi dada pela própria assessoria de imprensa da montadora. A Volkswagen está em meio a um longo processo de cotação de preços (BID) para contratar transportadoras de veículos novos. O Ministério Público Federal de São Paulo está com sua lupa direcionada para o processo. Há dois anos, a Volks ensaiou procedimento semelhante, mas uma greve ilegal orquestrada pelo Sindicam abortou a intenção que, mais tarde, foi interpretada como um “golpe branco” no mercado.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen