Imposto recolhido pela GM é 46 vezes menor que ágio pago pela montadora ao cartel dos cegonheiros

Ágio pago pela General Motors para transportar veículos novos é 46 vezes maior do que o valor recolhido em 2018 pela montadora em Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS) no município de São Caetano do Sul (SP), onde a marca norte-americana mantém uma das cinco fábricas instaladas no país. Ao todo, os cofres da Prefeitura receberam da GM apenas R$ 6,5 milhões em ISS, o equivalente a 3% do total recolhido. O sobrepreço do frete cobrado pelas transportadoras que integram o cartel dos cegonheiros no mesmo período custou à montadora mais de R$ 300 milhões. Vale ressaltar que a cifra refere-se somente ao ágio. No total, a montadora pagou às empresas que controlam o transporte de veículos novos no país mais de R$ 1,2 bilhão em 2018.

Em outra comparação, o valor do imposto pago pela montadora representa 2,4% do montante transferido às transportadoras. Os dados sobre a arrecadação foram divulgados preliminarmente pela Secretaria Municipal de Fazendo de São Caetano do Sul. Se for considerado o repasse total de ICMS transferido aos cofres do município paulista, a cifra recolhida pela atividade direta e indireta da GM soma R$ 80 milhões – ou 26,5% do ágio pago às montadoras. Ainda assim, o prefeito de São Caetano do Sul, José Auricchio Júnior, luta pela manutenção da empresa no município.

Os números vieram à tona na semana em que a GM ameaçou fechar fábricas no Brasil caso não registre lucratividade em 2019. A empresa quer mais benefícios fiscais dos governos para investir. Também quer reduzir comissão dos concessionários nas vendas e cortar salário e benefícios dos trabalhadores.

A redução de custos com fornecedores poderia começar com a contratação de transportadoras que não integram o cartel dos cegonheiros. Segundo o Ministério Público Federal, a GM paga 25% a mais pelo serviço por conta da ausência de livre concorrência no setor. O cartel impede o acesso de operadoras que não participam do esquema de alinhamento de preços.

Em 2010, o ex-governador e atual senador da República Roberto Requião (PMDB/PR) condenou as vantagens concedidas por governos a montadoras de automóveis. Ele qualificou de “pífio” o retorno dos investimentos públicos concedidos ao setor.

Se precisar fechar, fecha
O governo federal já deu sinais que pretende resistir à chantagem da GM. Em um encontro reservado com o alto escalão da montadora, segundo o jornal O Valor, Carlos da Costa, secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do ministério da Economia, foi curto e grosso:
“Se precisar fechar (a fábrica), fecha.”

A argumentação dos executivos da GM não sensibilizou o secretário, um dos principais auxiliares do ministro da Economia, Paulo Guedes.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen