Indústria automotiva fomenta formação de cartéis e condutas anticompetitivas

Transportadoras de veículos novos e empresas de rolamentos, airbags e alarmes estão sob investigação ou já foram punidas pelo Cade. Recentemente o órgão antitruste determinou a fábricas de engrenagens e pessoas físicas ligadas ao setor o pagamento de R$ 21,2 milhões em contribuição pecuniária por envolvimento em cartel que fixava preços, dividia mercado e compartilhava clientes e informações comerciais sensíveis.

A indústria automobilística se notabiliza por acolher cartéis. Uma rápida pesquisa no Cade revela que o órgão antitruste já investigou e condenou várias empresas fornecedoras de equipamentos utilizados nas linhas de montagem das montadoras. Os setores de rolamentos, alarmes, airbags e amortecedores, por exemplo, acumulam condenações e multas por condutas consideradas anticompetitivas. Não se pode esquecer o cartel dos cegonheiros, que por ano causa um prejuízo superior a R$ 2 bilhões aos consumidores de automóveis e comerciais leves no país. Essa organização criminosa, ainda sob investigação do Cade, controla o transporte de veículos novos. O ágio no preço do frete chega a 40%, segundo conclusão da Polícia Federal no âmbito da Operação Pacto. Em 26 de maio, foi a vez de três fábricas de embreagens e dez pessoas físicas ligadas ao setor reconhecerem a participação em condutas ilícitas e se comprometer a cessar as práticas ilegais investigadas pelo Cade.

Na última quarta-feira (26 de maio), o Tribunal do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) homologou Termo de Compromisso de Cessação (TCC) com as empresas ZF do Brasil, ZF Friedrichshafen AG e ZF Sachs AG, além de 10 pessoas físicas. O acordo foi celebrado no âmbito de processo administrativo que investiga cartel no mercado nacional e internacional de embreagens automotivas.

Com a assinatura do TCC, os compromissários reconhecem a participação na conduta ilícita, se comprometem a cessar a prática e a colaborar com a investigação. Além disso, deverão pagar R$ 21,2 milhões em contribuição pecuniária, que será recolhida ao Fundo de Defesa de Direito Difusos (FDD).

O processo foi instaurado em fevereiro de 2019 e aponta fortes indícios de que os envolvidos no cartel fixavam preços e condições comerciais, alocavam pedidos de cotações de clientes e dividiam mercado entre concorrentes, além de compartilharem informações comercialmente sensíveis.

No Brasil, as condutas anticompetitivas teriam ocorrido, ao menos, entre 2003 e 2011. Na Europa, por sua vez, os ilícitos, que teriam produzido efeito em território brasileiro, foram praticados no final da década de 1990 e também a partir de 2003 até 2011.

Este é o segundo acordo firmado no processo. Em 2015, as empresas Schaeffler Brasil, Luk GMBH & Co. KG e Schaeffler Technologies AG & CO KG também firmaram TCC com o Cade nessa investigação. Por meio do acordo, foram recolhidos R$ 34,4 milhões a título de contribuição pecuniária.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Combate aos cartéis Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Indústria automotiva fomenta formação de cartéis e condutas anticompetitivas"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    Na minha humilde opinião, todos os Cartéis existentes nesse nosso País, devem ser extintos imediatamente, seja qual for sua atividade, já comprovadas as ilicitudes dos mesmos.
    O Cartel dos Cegonheiros, já lesou o Brasil por muitos anos e, sendo assim, todos os seus dirigentes e as Transportadoras vinculadas ao mesmo, também devem ser penalizadas na forma das Leis, onde todos devem pagar por isso, imediatamente.
    DOA A QUEM DOER!
    Chega de corrupções nesse nosso Brasil, que hoje se encontra sob nova direção Presidencial.
    “BRASIL ACIMA DE TUDO. DEUS ACIMA DE TODOS!”
    Esse é o novo LEMA!

Os comentários estão encerrados