Jornais identificados com o cartel dos cegonheiros atacam a JSL sempre que montadoras ameaçam trocar transportadoras

Matéria modificada em 9 de fevereiro de 2022
Retratação: Vittorio Medioli não foi indiciado no inquérito policial 277/2010

Não é de hoje que o fantasma da JSL assombra a hegemonia da organização criminosa que controla o transporte de veículos novos no país. O medo parece pairar de forma recorrente sobre as fábricas da Volkswagen. Em maio de 2016, o Diário do Grande ABC descreveu como “pesadelo” a possibilidade de a montadora alemã trocar as transportadoras Brazul, Tegma, Transauto e Transzero por empresa do grupo Júlio Simões. Das quatro prestadoras atualmente contratadas pela VW, três pertencem ao grupo Sada, cujo dono é Vittorio Medioli.

A reportagem qualifica a situação como dramática:

“O drama da possibilidade de troca nos fornecedores, iniciado em meados do ano passado, pode gerar a demissão de 50 mil trabalhadores diretos e indiretos, sendo 5.000 no Grande ABC. Em 2015, a ameaça foi suspensa graças à paralisação que durou cinco dias e interditou rodovias, como a Via Anchieta, gerando transtornos à população.”

E continua:

“Ao que parece, o risco foi apenas postergado, já que, segundo motoristas de caminhão-cegonha, a Volkswagen sinalizou que pretende alterar o responsável pela entrega dos carros. Procurada, a montadora não se manifestou.”

Logo em seguida a reportagem parte para o ataque:

“A JSL está envolvida em grandes escândalos de superfaturamento, a exemplo do mais recente, deflagrado no fim do ano passado, envolvendo viaturas da PM (Polícia Militar) do Rio de Janeiro.”

Mais ataques do cartel
Em 2009, o jornal O Tempo, de propriedade de Vittorio Medioli, aponta nova denúncia contra a Julio Simões. A propósito, foi na sede desse veículo de comunicação que Medioli recentemente recebeu o presidente da Volks, Pablo Di Si (foto de abertura).

O texto começa assim:

“Mais uma denúncia de fraude envolvendo o grupo Julio Simões Transportes e Serviços Ltda é apurada no país. Dessa vez, o Ministério Público do Estado de São Paulo apura uma suspeita de corrupção e manipulação de concorrência pública na exploração do transporte coletivo de Mogi das Cruzes. O filho do fundador do grupo e diretor vice-presidente, Fernando Simões, deve ser ouvido no fim desta semana.

E acrescenta:

“Conforme divulgado por O TEMPO no último domingo, a participação da empresa em outras licitações também é investigada no Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e na Bahia, sendo que, neste último Estado, dois executivos do grupo chegaram a ser presos. Em depoimento às autoridades baianas, o diretor da Julio Simões Jaime Palaia Sica, detido no último dia 5, teria admitido irregularidades também em Minas na compra e manutenção de 831 viaturas da PM.”

Vittorio Medioli é dono do grupo Sada. O político e empresário de Minas Gerais foi apontado pela Polícia Federal de chefiar a organização criminosa chamada cartel dos cegonheiros. O inquérito, concluído em 2010, já está na 11ª Vara Criminal de Porto Alegre, onde ele será processado, depois de o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), negar prerrogativa de foro a Medioli, que também é prefeito de Betim (MG).

Além desse inquérito da PF, Medioli também é acusado de formação de cartel e de quadrilha em processo que tramita na comarca de São Bernardo do Campo. Empresas de propriedade do político e empresário também foram alvo de buscas e apreensões na deflagração da Operação Pacto, junto com a Tegma, Gestão Logística.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Jornais identificados com o cartel dos cegonheiros atacam a JSL sempre que montadoras ameaçam trocar transportadoras"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    POIS É MEUS AMIGOS QUE SEMPRE LEEM ESSE MAGNÍFICO PORTAL.
    O CARTEL ATUA HÁ MUITOS ANOS, CORROMPENDO A TODOS QUE POSSAM, PARA SE MANTEREM FIRMES NO SEGMENTO AFIM!
    O CHEFE DA ORGANIZAÇÃO, PREFEITO DE BETIM-MG, É SIM O COMANDANTE DESSAS AÇÕES CRIMINOSAS E, COM ELE EXISTEM MUITOS COOPTADOS CRIMINOSOS, QUE INCENDEIAM EQUIPAMENTOS DE EMPRESAS NÃO VINCULADAS A ESSA FACÇÃO!
    NÃO ENTENDO O PORQUE SERÁ QUE AINDA EXISTEM E TRANSPORTAM SEM RESPEITAR A LEI DA LIVRE CONCORRÊNCIA, ATÉ OS DIAS DE HOJE.
    ESTÃO APAVORADOS COM A JSL SIM, POIS SE ESSA EMPRESA ENTRAR NO SETOR, JAMAIS O CARTEL VOLTARÁ A OPERAR. E DESSA FORMA ENTÃO, ATÉ OS PREÇOS FINAIS DOS VEÍCULOS 0(ZERO KM), TENDERÃO A BAIXAR SEUS PREÇOS, POIS DEIXARÃO DE HAVER VALORES DE FRETES EMBUTIDOS NOS MESMOS, ONDE SÓ OS CONSUMIDORES FINAIS “PAGAM ESSE PATO”, ATÉ OS DIAS DE HOJE!
    SENDO ASSIM, ESPERAMOS QUE A JUSTIÇA ATUE DE FORMA CONTUNDENTE, PARA EXCLUIR ESSAS EMPRESAS CARTELISTAS DE OPERAREM NO SETOR, COM AS ELIMINAÇÕES DE SEUS ALVARÁS DE FUNCIONAMENTOS!
    TODOS OS RÉUS DEVEM SER DEVIDAMENTE PUNIDOS NAS FORMAS DAS LEIS! DOA A QUEM DOER!
    NÃO EXISTE FORO PRIVILEGIADO PARA POLÍTICOS QUE PRATICAM CRIMES EM SUAS ATIVIDADES PRIVADAS, ONDE DEVEM PAGAR POR SEUS DELITOS, IMEDIATAMENTE! PRINCIPALMENTE SE CONSTATADAS EVASÕES DE DIVISAS!
    “BRASIL ACIMA DE TUDO. DEUS ACIMA DE TODOS!”

Os comentários estão encerrados