Juiz criminal quer Vittorio Medioli em Porto Alegre e MP pede a extinção de queixa-crime contra jornalista

O juiz Márcio André Keppler Fraga, do Juizado Especial Criminal do Foro do 4º Distrito de Porto Alegre, foi claro:

“Pode ser que ele (Vittorio Medioli) não queira, mas terá de vir de Betim (MG) para Porto Alegre.”

A manifestação ocorreu nessa segunda-feira (5), em audiência de queixa-crime movida pelo político e empresário contra o jornalista Ivens Carús, editor do site Livre Concorrência. Na mesma sessão, diante da ausência dos querelantes (autores), a representante do Ministério Público manifestou-se pela extinção do feito. O magistrado citou o artigo 60, Inciso III do Código de Processo Penal para “julgar extinto o feito, por força de perempção, à exceção do querelante Vittorio Medioli”.

As quatro empresas de propriedade de Vittorio Medioli (Sada Transportes e Armazenagens, Transzero Transportadora de Veículos, Brazul Transporte de Veículos e Dacunha) foram excluídas da queixa-crime por determinação do magistrado. Fraga concedeu prazo de 24 horas para Medioli efetuar a juntada da documentação referida em audiência e na petição juntada aos autos.

A decisão ocorreu em função de que a advogada Luísa dos Passos Ferreira apresentou-se como contratada para o ato da audiência, sem apresentar procuração. Ainda estava presente, Jamile Girardi Costanaro, que se intitulou preposta, sem a documentação comprobatória.

Chefe de associação criminosa
Na queixa-crime, Medioli, apontado pela Polícia Federal como chefe da associação criminosa que controla o setor de transporte de veículos novos, junto com quatro de suas empresas, pede a condenação do editor do site Livre Concorrência. Cita prática de delito de calúnia nos termos dos artigos 138 e 139 c/c 141 III, e artigo 69 do Código de Processo penal. Pede ainda a fixação de valor mínimo a título de indenização. Alegando ser “gestor empresarial e figura pública”, e a “sensibilidade das informações aqui contidas”. Medioli pediu que o processo “seja colocado em segredo de Justiça”, o que não foi atendido. (Foto: processos movidos contra o jornalista, em 2013, pela Tegma, Gestão Logística, Gennaro Oddone e Fernando Luiz Schettino Moreira (executivos da empresa). Depois de perdidos recursos ao TJRS, STJ e STF, as ações foram retiradas. Houve condenação ao pagamento de R$ 15 mil de honorários a título de sucumbência)

 

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Combate aos cartéis Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen