Júlio Simões abala estrutura de organização criminosa com a compra da Transportadora TransmorenO

A gigante Júlio Simões furou com broca o bloqueio imposto pela organização criminosa que controla e mantinha fechado com mãos de ferro o bilionário mercado de transporte de veículos novos em todo o país. A compra da Transportadora Transmoreno, que tem sede no Paraná, por R$ 310 milhões, abalou a estrutura do chamado cartel dos cegonheiros. A aquisição foi a estratégia encontrada pela JSL para entrar com força no setor, já que não logrou êxito por meio dos chamados BIDs (cotação de preços) – raramente realizados por montadoras. O cartel tem ditado as normas seguidas pela maioria das fábricas de veículos e comerciais leves. Uma possível represália não está descartada, segundo algumas fontes ouvidas pelo site Livre Concorrência.

Publicidade: confira aqui o conteúdo do site Debate Jurídico

Ninguém fala oficialmente, mas importantes líderes sindicais e empresariais do setor, que preferem não ser identificados, revelam que a JSL vai participar de todas as cotações de preço que por ventura as montadoras venham a promover. Um dos sindicalistas consultados afirmou:

“Avisei que isso ia acontecer há mais de 15 anos. E ninguém se preocupou.”

A empresa, com matriz em Mogi das Cruzes (SP), entrou no segmento de transporte de veículos na primeira década de 2000, quando a Justiça Federal obrigou a General Motors do Brasil a contratar transportadores não vinculados ao cartel dos cegonheiros, controlado pela Associação Nacional das Empresas Transportadoras de Veículos (ANTV) e Sindicato dos Cegonheiros de São Paulo (Sinaceg, ex-Sindicam). 

Na época, a JSL enfrentou duas fortes resistências: a primeira, uma greve nacional deflagrada pelo Sinaceg que se posicionou contra a decisão da Justiça Federal que determinou a abertura gradual do mercado. A segunda, as mobilizações violentas promovidas por integrantes do Sindicato dos Cegonheiros do Rio Grande do Sul (Sintravers) que exigiam participar do transporte. A JSL pretendia escoar parte da produção da General Motors de Gravataí com frota própria. Não resistiu e cedeu à pressão, contratando os chamados carreteiros (empresas) associadas ao Sintravers, que até hoje realizam o transporte.

Em 2015, integrantes do Sinaceg deflagraram um movimento grevista ilegal e chegaram a paralisar o transporte da Volkswagen do Brasil. Havia rumores de que a Volkswagen do Brasil estariam planejando romper com as atuais transportadoras. Segundo veiculado inclusive por jornais do centro do país, carreteiros (empresários) vinculados ao Sinaceg posicionaram-se contra a possibilidade de a montadora contratar apenas uma transportadora que seria a JSL.

Em 2017, já condenado por formação de cartel, o Sinaceg negou participação de novo movimento grevista de carreteiros (empresários) na mesma Volkswagen que havia instaurado um procedimento de cotação de preços para o transporte dos veículos fabricados em suas unidades. Depois de ingressar na Justiça para garantir a desobstrução da fábrica, voltou atrás e manteve os mesmos transportadores.

Por meio da assessoria, a JSL não quis responder aos questionamentos feitos pelo site Livre Concorrência. Limitou-se a informar que a pessoa responsável pela operação estava de férias. O Sinaceg, entidade à qual os carreteiros (empresários) que realizam parte do escoamento da produção das montadoras Renault e Nissan, agregados à Transmoreno, da mesma forma não quis se pronunciar sobre a operação.  

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Júlio Simões abala estrutura de organização criminosa com a compra da Transportadora TransmorenO"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    POIS É MEUS AMIGOS QUE LEEM ESSE MAGNÍFICO PORTAL
    TUDO ISSO JÁ ERA ESPERADO, COM A AQUISIÇÃO DA JSL DA EMPRESA TRANSMORENO. ELA AGORA PASSOU A SER JSL E DESSA FORMA O CARTEL SERÁ DEVIDAMENTE DESMASCARADO! SERÁ?
    QUANDO A JSL TENTOU TRANSPORTAR PARTE DA PRODUÇÃO, FOI DEVIDAMENTE IMPEDIDA PELO CARTEL E AS MONTADORAS APOIARAM, COMO FAZEM ATÉ OS DIAS DE HOJE, AS EMPRESAS DO CITADO CARTEL. POR QUÊ SERÁ? QUEM ESTARIA LEVANDO VANTAGENS NESSAS AÇÕES CRIMINOSAS, ALÉM DAS EMPRESAS ORA ASSOCIADAS E O SINDICATO (BRAÇO FORTE, DENOMINADO SINACEG)? OS DIRETORES E ATÉ MESMO PRESIDENTES DESSAS MONTADORAS FORAM COOPTADOS?
    É CLARO QUE NUNCA OPERARAM COM A APLICAÇÃO DA LIVRE CONCORRÊNCIA NOS FRETES, QUE MESMO SENDO LEI, NUNCA FORAM RESPEITADOS.
    AS MONTADORAS NÃO TEM PREJUÍZOS POIS O QUE PAGAM A MAIS AO CARTEL, É COBRADO ATÉ OS DIAS DE HOJE DOS CONSUMIDORES FINAIS, NOS VALORES ACRESCIDOS DOS VEÍCULOS 0(ZERO) KM, ENTÃO ADQUIRIDOS. UM VERDADEIRO ABSURDO!
    AGORA VAMOS VER OS PROCEDIMENTOS, POIS A JSL POSSUI EQUIPAMENTOS E PROFISSIONAIS QUALIFICADOS PARA ESCOAREM TODA OU QUASE TODAS AS PRODUÇÕES DAS MONTADORAS AFIM.
    O QUE DIRÃO OS JUÍZES JULGADORES NESSES PROCESSOS? E OS TRANSPORTADORES NÃO VINCULADOS AO CARTEL CRIMINOSO, COM SEUS LÍDERES, QUAIS SERÃO SUAS PENAS?
    QUE AS LEIS SEJAM CUMPRIDAS E TODOS OS RÉUS SEJAM DEVIDAMENTE RESPONSABILIZADOS!
    AFINAL, TODOS OS PROFISSIONAIS DO RAMO MERECE SEU ESPAÇO. O QUE NUNCA FOI CEDIDO ATÉ OS DIAS DE HOJE!
    NA MINHA OPINIÃO, TODAS AS EMPRESAS VINCULADAS A ESSE CARTEL DEVERIAM PERDER SEUS ALVARÁS DE FUNCIONAMENTOS, IMEDIATAMENTE, POIS SÓ ASSIM O MERCADO SERIA ABERTO A TODOS, SEM EXTORSÕES!
    A LIVRE CONCORRÊNCIA DEVE SER RESPEITADA SIM! .

Os comentários estão encerrados