Justiça determina que Caixa Econômica restitua valores pagos como taxa de abertura de crédito

Cobrança é considerada prática abusiva e ilegal e afronta princípios norteadores do Código de Defesa do Consumidor.

Do Mato Grosso do Sul

A Justiça Federal determinou, em caráter definitivo e irrecorrível, que a Caixa Econômica Federal devolva aos clientes valores cobrados a título de Taxa de Abertura de Crédito (TAC) nos contratos celebrados a partir de 30 de abril de 2008. Os efeitos da decisão valem para os consumidores que contrataram com a Caixa dentro do limite territorial de Campo Grande (MS), ainda que não residam no território. A medida é resultado de ação civil pública na qual o Ministério Público Federal (MPF) atuou como fiscal da correta aplicação da lei.

O processo de autoria da Associação Brasileira de Mutuários e Consumidores (ABMC) obteve decisão favorável em maio de 2016, no entanto, a sentença só se tornou definitiva em novembro deste ano, após o trânsito em julgado da ação. No processo, a associação apontou que a cobrança da TAC pela instituição bancária é uma prática abusiva e ilegal, que afronta princípios norteadores do Código de Defesa do Consumidor.

A sentença de primeiro grau foi confirmada após o julgamento de diversos recursos pelo Tribunal Regional Federal da 3a Região (TRF3) e pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). As decisões têm como fundamento teses fixadas pelo STJ em recursos especiais, nos moldes do art. 543-C do Código de Processo Civil (CPC) de 1973. Nesse sentido, a jurisprudência da Corte considera ilegal a cobrança por serviços bancários prioritários para pessoas físicas, em hipóteses não previstas pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

A medida foi regulamentada pela Resolução CMN 3.518/2007, que entrou em vigor em 30 de abril de 2008 e retirou o respaldo legal para a cobrança da TAC e da Tarifa de Emissão de Carnê (TEC) pelos bancos. Para o MPF, a conduta da Caixa Econômica foi lesiva ao interesse coletivo e à “relação de consumo entre os bancos e os correntistas afetados, e ainda ao patrimônio social dos poupadores, que no final das contas subsidiam o Sistema Financeiro da Habitação”.

A Justiça Federal anulou todas as cláusulas contratuais que se referem à cobrança da TAC, ainda que indiquem nomenclaturas ou siglas distintas. Agora, a Caixa deverá ressarcir todas as pessoas que firmaram contrato na capital do Mato Grosso do Sul, em valores atualizados e corrigidos nos termos do Manual de Cálculos da Justiça Federal.

Conforme prevê o art. 100 do Código de Defesa do Consumidor, os clientes prejudicados pela cobrança ilegal têm prazo de um ano para ingressar com ações individuais de execução judicial da sentença e obter a devolução dos valores pagos indevidamente. Após esse período, poderá ocorrer a execução coletiva da sentença. (Com informações do MPF.)

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Combate aos cartéis Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen