Justiça do Trabalho de Anápolis e Catalão sepulta tentativa do cartel dos cegonheiros de interferir em sindicatos regionais

A juíza Blanca Carolina Martins  Barros, titular da 1ª Vara do Trabalho da comarca de Anápolis (GO), decidiu arquivar a ação proposta pelo Sintravam contra o Sindicato dos Cegonheiros de Goiás (Sintrave-GO), no último dia 14. A determinação ocorreu após a ausência do “sindicato autor” à audiência programada para aquela data. A ação, proposta pela entidade apoiada por transportadoras que controlam mais de 93% do mercado de transporte de veículos novos em todo o país, pretendia tomar de assalto a representatividade da categoria patronal dos cegonheiros de Goiás, com o apoio do poder Judiciário. A tentativa esbarrou na fragilidade da argumentação e da documentação acostada aos autos. Em abril, intenção semelhante foi frustrada pela Justiça do Trabalho do município de Catalão, onde funciona a fábrica da Mitsubishi. A partir das decisões judiciais, a representação sindical nesses dois municípios continua nas mãos do Sintrave-GO, em Anápolis, e do Sintrauto, sediado em Catalão (GO).

Em março, na capital federal, a sentença que garantia ao Sintravam o direito de representar a categoria foi reformada pelo próprio juiz que a prolatou em caráter precário. O Sintravam é uma entidade fantoche manipulada pelo cartel dos cegonheiros. O documento também foi utilizado pelo sindicato na ação movida contra o Sintrauto, na cidade de Catalão, onde o juiz Armando Benedito Bianki, da mesma forma, detectou a manobra. Nas duas ações, o Sintravam foi condenado ao pagamento das custas, cada uma arbitrada em R$ 720.

Dupla frustração
A ação impetrada pelo Sintravam – cuja sigla significa Sindicato das Pequenas e Microempresas e Transportadores Autônomos de Veículos dos Municípios de Anápolis, Goiânia, Aparecida de Goiânia, Goianésia, Hidrolândia, Catalão e Itumbiara – visava a tomar a representatividade atualmente exercida em todo o estado pelo Sindicato dos Cegonheiros de Goiás (Sintrave-GO), presidido por Afonso Rodrigues de Carvalho (foto de abertura). Magayver, como é popularmente conhecido, é um dos maiores ativistas da livre concorrência no segmento das cegonhas e o maior crítico dos empresários e sindicalistas vinculados ao cartel dos cegonheiros. Já em Catalão, o alvo foi o Sintrauto, entidade que detém a representatividade no município onde funciona a montadora Mitsubishi.

Ação do cartel
De acordo com denúncias feitas pelo presidente do Sintrave-GO, parte do cartel que controla com mãos de ferro cerca de 95% do setor de transporte de veículos novos está nos quadros do Sintravam. Ele cita como exemplo a postura do atual presidente, Mauro Simeão, conhecido como Maurinho:

“Ele (Maurinho) estava com seus colegas do Espírito Santo nas manifestações ocorridas na fábrica da Caoa-Chery, em Jacareí (SP), onde houve, inclusive, a tentativa de assassinato de funcionários da Transportes Gabardo.”

Magayver chama a atenção para o encadeamento dos fatos:

“Isso ocorreu quando cegonheiros do cartel tomaram um caminhão de associado nosso e o jogaram sobre o veículo onde estavam os funcionários da empresa.”

Nessa mesma época, em outubro do ano passado, vários caminhões da transportadora gaúcha (Gabardo) foram incendiados criminosamente porque a empresa venceu a cotação de preços feita pela Caoa-Chery. Magayver acrescenta:

“Agora, eles assinaram o atestado de que já sabiam que iriam perder a ação, não comparecendo à audiência. Esta intenção deles de tentar ganhar à força está sepultada pela Justiça.”

Investida também em Pernambuco
Desde 2016, o Sindicato dos Cegonheiros de Goiana (PE), apoiado pela Sada Transportes e Armazenagens, tentou na Justiça do Trabalho tomar de assalto a representação da categoria exercida pelo Sindicato dos Cegonheiros de Pernambuco (Sintraveic-PE). Perdeu em todas as instâncias. Num dos processos, a Justiça comprovou fraude na organização de assembleia da entidade. Na Câmara dos Deputados, o deputado Pastor Eurico denunciou negociatas envolvendo o Sintrago que teriam envolvido “R$ 20 milhões”.


A denúncia, feita da tribuna do Legislativo, resultou em duas ações movidas pelo proprietário do grupo Sada e atual prefeito de Betim (MG), Vittorio Medioli, e sua principal empresa. Mas o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou o arquivamento das duas investidas do político e empresário contra o deputado pernambucano.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen