Justiça nega pedido de Medioli que pretendia proibir jornalista de exercer profissão

A juíza Cláudia Junqueira Sulzbach, da 5ª Vara Criminal do Foro de Porto Alegre, negou, em 16 de abril, pedido feito por Vittorio Medioli, proprietário do grupo Sada e atual prefeito de Betim (MG). Em ação penal privada, Medioli, que é acusado pela Polícia Federal de chefiar a associação criminosa que atua no setor de transporte de veículos novos em todo país, pediu para que a Justiça gaúcha determinasse a Ivens Carús, editor do portal Livre Concorrência, a suspensão do exercício da profissão de jornalista, “como aplicação de medida cautelar diversa à prisão”.

Em seu despacho, a magistrada sustentou a decisão:

“Tal medida aplica-se somente a crimes para os quais a lei possibilite o decreto de prisão, o que não é o caso dos autos, haja vista a pena máxima abstratamente cominada ao tipo penal em que o querelado foi dado como incurso, inferior a quatro anos enquanto a lei processual penal exige que seja superior a quatro.”

Medioli foi denunciado por formação de cartel e associação criminosa
Medioli e o diretor comercial da Sada, Edson Luiz Pereira, ajuizaram duas ações penais privadas contra o jornalista por discordar de matérias veiculadas no site Anticartel, atual Livre Concorrência. Outra de autoria da Sada também está tramitando. Tanto Medioli quanto Pereira foram denunciados por formação de cartel e de quadrilha pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de São Bernardo do Campo (SP), ao lado de outros réus.

A ação, por conta do foro especial concedido a prefeitos, tramita no Tribunal de Justiça de Minas Gerais.

Oferta de propina para jornalista prestar depoimento falso
Há três anos, o vice-presidente da Sada, Luiz Alberto de Castro Tito, juntamente com executivos da Tegma Gestão Logística e da Brazul Transporte de Veículos, foi encarregado de oferecer R$ 1,5 milhão ao jornalista. Em troca, Carús deveria prestar falso depoimento à Justiça, acusando concorrentes dos grupos Sada e Tegma. O esquema foi denunciado ao Gaeco e ao Ministério Público Federal (MPF). Atualmente, Luiz Tito aparece como executivo da Orion, empresa que coordena a implantação do aeródromo de Betim, cidade governada por Vittorio Medioli.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Justiça nega pedido de Medioli que pretendia proibir jornalista de exercer profissão"

  1. Luiz Carlos F. Bezerra disse:

    QUE SE INVERTAM AS POSIÇÕES, E SE CONDENEM ESTE ITALIANO, QUE NEM BRASILEIRO É, À PRISÃO. POIS É UM FATO ESTA FORMAÇÃO DE CARTEL, JUNTAMENTE COM SEUS COOPTADOS!

Os comentários estão encerrados