Justiça obriga Mercado Livre a não condicionar estorno de compras a abertura de conta no Mercado Pago

Os consumidores eram forçados a fornecer dados pessoais sensíveis, como fotos de documentos e do rosto do comprador, e a ativar uma conta. Tal prática configura ofensa à liberdade de escolha, ferindo o Código de Defesa do Consumidor e a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais. O agravo interno interposto pelo Mercado Livre foi indeferido pela Justiça.

Solaris Energia Solar - whatsapp (51) 984326475

Do Rio de Janeiro

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) obteve decisão favorável ao agravo de instrumento interposto para que as empresas Mercado Livre, Mercado Pago e Ebazar fossem impedidas de obrigar os consumidores a abrirem uma conta específica para que pudessem reaver estornos de compras realizadas. Anteriormente, o pedido formulado em ação civil pública ajuizada pela 1ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Defesa do Consumidor e do Contribuinte da Capital carioca havia sido indeferido pelo Juízo da 1ª Vara Empresarial da Comarca da Capital.

De acordo com a ACP, o Mercado Livre exigia que o consumidor tivesse uma conta na instituição de pagamento Mercado Pago para que pudesse reaver o estorno de compras feitas pelo Mercado Livre, ainda que essas compras tivessem sido realizadas mediante meios de pagamento diversos, como cartão de crédito, que permitem a devolução de valores diretamente na respectiva fatura.

Os consumidores eram forçados a fornecer dados pessoais sensíveis, como fotos de documento de identidade com CPF e do rosto do comprador, e a ativar uma conta sem que o quisessem e sem necessidade. Tal prática configura ofensa à liberdade de escolha, ferindo o Código de Defesa do Consumidor e a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais.

O MPRJ ressaltou:

“A imposição é enviesada, não constituindo mero cuidado dos réus com o proveito dos seus clientes. Caso os interesses dos consumidores fossem de fato a prioridade, os fornecedores demandados observariam a liberdade de escolha preconizada na Lei Consumerista, consultando o interessado sobre sua preferência na recuperação da quantia paga.”

Na decisão do agravo de instrumento, o desembargador Luiz Henrique Oliveira Marques, da 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, ressaltou que o número de reclamações acerca dos mesmos fatos denota uma prática habitual:  

“Deve-se deferir a antecipação da tutela recursal, na forma requerida na inicial, para que os agravados se abstenham de impor o recebimento de estornos advindos do Mercado Livre através do Mercado Pago; de exigir a remessa de documentos pessoais para o recebimento de estornos advindos do Mercado Livre; e de ativar conta no Mercado Pago sem solicitação expressa e específica do consumidor, sob a pena de multa diária no valor de R$ 30 mil, a incidir desde o dia em que se configurar o descumprimento da decisão e enquanto não cumprida a determinação.”

O agravo interno interposto pelo Mercado Livre foi indeferido pela Justiça.

Foto: Mercado Livre/Divulgação. 

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Justiça obriga Mercado Livre a não condicionar estorno de compras a abertura de conta no Mercado Pago"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    É UM VERDADEIRO ABSURDO, ESSA PRÁTICA DO TAL DE “MERCADO LIVRE”, SE É “LIVRE”, PRA QUÊ SERÁ QUE ELES EXIGEM ESSES DOCUMENTOS DE SEUS CLIENTES? EIS A QUESTÃO, NÃO É MESMO?
    PARABÉNS À JUSTIÇA ACIMA CITADA!
    BRILHANTE ESSA MATÉRIA!
    RESPEITEM O POVO BRASILEIRO DE BEM DO NOSSO PAÍS!

Os comentários estão encerrados