Justiça fecha o cerco a três dos nove réus da Operação Pacto que não foram localizados

O ex-diretor-geral da Tegma Gestão Logística, réu na ação penal oriunda da Operação Pacto, poderá ter um defensor público nomeado, caso não apresente resposta à acusação. Ele não foi localizado para ser citado pessoalmente. Outros dois réus já foram citados por edital.

De São Paulo

A juíza Isabelle Ibrahim Brito, da 1ª Vara Criminal da Comarca de São Bernardo do Campo (SP), determinou na terça-feira (2) a citação do réu Sineas Rodrigues Lial (mais conhecido como Rodrigão), ex-diretor-geral da Tegma Gestão Logística, “para que oferte, no prazo de 10 dias  e através de advogado, resposta à acusação formulada, com as advertências legais, na forma do artigo 396-A e seguintes do Código de Processo Penal”.

A magistrada justificou que o acusado “não foi encontrado para ser citado pessoalmente, entretanto, tem defensor constituído que ainda não ofereceu resposta à acusação”. No andamento processual que a reportagem teve acesso aparecem como defensores do ex-gerente, Raquel Botelho Santoro e Leandro Baeta Ponzo. Lial poderá ter um defensor público nomeado para apresentar a defesa prévia. Outros dois réus, da Transcar, já foram citados por edital em razão de não terem sido encontrados.

Dos nove réus acusados pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco-SBC), cinco já apresentaram resposta à acusação, de acordo com o relatório feito pela magistrada no último despacho, publicado no Diário Oficial do dia 1º deste mês. Todos os réus foram indiciados pela Polícia Federal após a deflagração da Operação Pacto (foto de abertura). Também participaram das diligências criminais de busca e apreensão, em outubro de 2019,  técnicos do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Os nove réus são acusados de crimes contra a ordem tributária (formação de cartel no bilionário setor de transporte de veículos novos) e associação criminosa.

Pela mais recente decisão da juíza Isabelle, Alexandres Santos e Silva (Autoservice-Brazul-grupo Sada), Márcio Laurette Bruno e Paulo César da Silva Brum (ambos da Transcar) e Marcos Pinorato foram citados regularmente, constituíram defensores e responderam à acusação. Pinorato é defendido pelos mesmos advogados de Lial. Já Elizio Rodrigues da Silva (Tegma), “apesar de ter sido citado regularmente e ter defensor constituído, ainda não apresentou resposta à acusação”, esclareceu a magistrada. Ainda de acordo com o despacho da magistrada, Waldelio de Carvalho dos Santos (presidente do Sindicato dos Cegonheiros do Espírito Santo – Sintraveic-ES), “não foi encontrado para ser citado, entretanto, constituiu defensor e ofertou a sua resposta”.

Confira a situação dos réus:

  • Alexandre Santos e Silva (Autoservice/Brazul) – apresentou resposta
  • Marcos Pinorato (Tegma) – apresentou resposta
  • Marcos Laurette Bruno (Transcar) – apresentou resposta
  • Paulo César da Silva Brum (Transcar) – apresentou resposta
  • Waldelio de Carvalho dos Santos (Sintraveic-ES) – apresentou resposta
  • Elizio Rodrigues da Silva (Tegma) – não apresentou resposta
  • Sineas Rodrigues Lial (Tegma) – não apresentou resposta
  • Pedro Junior Souza (Transca) – não apresentou resposta
  • Antonio Cesar Chaves de Almeida (Transcar) – não apresentou resposta
ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Justiça fecha o cerco a três dos nove réus da Operação Pacto que não foram localizados"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    É MUITO IMPRESSIONANTE O FATO DE UMA TRANSPORTADORA DE VEÍCULOS ALEMÃ, COMO A TEGMA, FICAR ATUANDO EM NOSSO TERRITÓRIO NACIONAL, FAZENDO PARTE DO CARTEL DOS CEGONHEIROS, APOIADO PELO SINDICATO DA CATEGORIA, DENOMINADO COMO SINACEG, QUE SE INTITULA COMO “NACIONAL”, CONTINUAREM EM AÇÃO, POR TANTOS ANOS, DESTRUINDO E IMPEDINDO AS TRANSPORTADORAS DE VEÍCULOS, QUE NÃO PERTENCEM À ESSA FACÇÃO CRIMINOSA.
    ATÉ AS TRANSPORTADORAS ONDE O PROPRIETÁRIO É O PREFEITO DE BETIM-MG, MESMO SENDO ITALIANO DE ORIGEM, CONTINUAR POR TANTOS ANOS, COMANDANDO ESSE CARTEL. JÁ DEVERIA TER SOFRIDO O IMPEACHMENT DE SUAS FUNÇÕES POLÍTICAS, HÁ MUITOS ANOS, POIS OS PREJUÍZOS CAUSADOS PRINCIPALMENTE AOS CONSUMIDORES FINAIS, QUANDO COMPRARAM SEUS VEÍCULOS NOVOS, PRODUZIDOS PELAS MONTADORAS DOS MESMOS, E ATÉ MESMO AS TRANSPORTADORAS DE VEÍCULOS QUE TIVERAM SUAS CARRETAS E EQUIPAMENTOS INCENDIADOS, AO LONGO DE TANTOS ANOS.
    SENDO ASSIM ESSE SINACEG, JÁ DEVERIA TER SIDO FECHADO E TODAS AS TRANSPORTADORAS QUE INTEGRAM ESSE SISTEMA CRIMINOSO, JÁ DEVERIAM TER SEUS RESPECTIVOS “ALVARÁS DE FUNCIONAMENTO”, CANCELADOS, DE FORMA FINITA.
    SRS. JUÍZES DESSAS CAUSAS, SALVEM A NOSSA PÁTRIA AMADA BRASIL
    TODOS OS RÉUS DESSAS AÇÕES DEVEM SER PUNIDOS NA FORMA DAS LEIS CONSTITUCIONAIS, IMEDIATAMENTE!
    PARABENIZO MUITO ESSE PORTAL JORNALÍSTICO PELAS MATÉRIAS EDITADAS.
    NADA MAIS A COMENTAR!

Os comentários estão encerrados