Laerte Codonho, da Dolly, quer justiça após prisão indevida

Laerte Codonho construiu um império em um setor dominado pelas gigantes Coca-Cola e Ambev. O sucesso nos negócios rendeu ao dono da marca de refrigerantes Dolly disputas judiciais patrocinadas por concorrentes e confusões com o Fisco. Em 10 de maio de 2018, acabou preso sob a acusação de fraude fiscal e lavagem de dinheiro. Deixou o cárcere oito dias depois sem que nenhuma prova tenha sido apresentada. Agora Codonho busca reparação causada pelo que chama de série de erros cometidos contra ele e sua empresa. Ao site Livre Concorrência, o empresário afirmou: “Verdade. Eu só quero a Verdade.” E acrescentou: “O jogo é pesado, mas vence quem está com a verdade. E a verdade sempre esteve comigo.” Abaixo, Codonho enumerou fatos que confirmam a convicção dele de que é vítima de perseguição promovida por adversários e até pelo poder público.

Prisão
Em 10 de maio de 2018, foi preso sob acusação de fraude fiscal e lavagem de dinheiro. Após oito dias preso, deixou o cárcere sem que nenhuma prova tenha sido apresentada.

“Não havia, afinal, qualquer justificativa para a ação espetacular da Polícia e do Ministério Público, transmitida ao vivo pela imprensa à época, numa cena que lembrava um filme de ação de Hollywood.”

Fisco
Ele já demonstrou que sua empresa nada deve à Receita Federal, obtendo vitória na Justiça Federal. Uma suposta dívida de R$ 1,7 bilhão, cobrada pelo Fisco, na verdade é um crédito. Ao menos duas decisões judiciais deste ano declaram que os créditos que a Dolly tem ao comprar e produzir na Zona Franca de Manaus são suficientes para quitar seus impostos com sobra. Na somatória, restariam ainda R$ 300 milhões a serem aproveitados, segundo a Dolly. As decisões favoráveis são da Justiça Federal de Brasília (DF) e de São Bernardo do Campo (SP).

“Não devemos nada. Ao contrário. Temos crédito a receber.”

Dívida inexistente
A Dolly também é alvo de outra dívida inexistente. A cobrança de ICMS, no estado de São Paulo, é dirigida a uma engarrafadora franqueada da Dolly. A Ragi Refrigerantes, que envasa as bebidas, foi multada pela falta de documentação contábil e de declarações ao Fisco paulista. E confessou espontaneamente o fato à Procuradoria da Fazenda do Estado, em reunião na sede do órgão. De lá saiu com um documento em que se comprometia a parcelar o débito. A Procuradoria do estado, porém, alega agora que a reunião não ocorreu. E que o débito alcançou a extorsiva cifra de R$ 2 bilhões.

O roubo
Codonho também provou, por meio de uma perícia, que a assessoria contábil contratada pela Dolly — a RD Assessoria Contábil — cometeu vários delitos com suas empresas. Entre eles a apropriação de cheques que seriam para pagamento de débitos fiscais junto ao Tesouro, cujos valores foram apropriados pelos contadores, e a falsificação de autenticação bancária em guias de recolhimento de tributos. Esaú Vespúcio Domingues, um dos sócios da RD, confessou à Polícia Federal ter cometido os desvios que lesaram a Dolly. O total desviado pela RD passa dos R$ 100 milhões.

Por conta disso, advogados da Dolly protocolaram ações exigindo indenização por danos materiais e morais contra quatro procuradores federais e oito paulistas. Os processos mostram como inserções de informações falsas nos processos e negligências em relação a decisões judiciais favoráveis à Dolly foram responsáveis pela prisão de Codonho e pelo sequestro de seus bens, culminando com a interrupção das atividades da empresa e a demissão de quase mil funcionários. O erro, inclusive, já foi reconhecido pelos procuradores e pela Justiça. Laerte Codonho pede indenização individual de R$ 150 mil de cada um.

O caso Neoway
A Neoway – contratada pela Procuradoria-Geral do Estado de São Paulo para fornecimento de um software de análise de dados de devedores, e com pessoal alocado internamente na sede do órgão – tem como controladora a Ambev e ligações com a Coca-Cola, concorrentes diretos da Dolly.

A empresa, cujo timbre está no documento, inseriu informações que levaram a Justiça a erro. Atribuiu a Codonho a posse de uma empresa no exterior que nada tinha a ver com ele, aproveitando-se de uma semelhança entre nomes. Lumia Capital Industries (LCC), com sede em Nevada, nos Estados Unidos, foi a empresa mencionada no relatório da PGE como indício de que Codonho desviava bens. Lumia Industries (LI), criada quando Codonho pensou em internacionalizar a Dolly, mas que jamais teve movimentação bancária ou de bens, essa sim pertence ao empresário. A “confusão” foi reconhecida pelos procuradores, mas só depois que Laerte Codonho já estava preso e, seus negócios, interrompidos. Para ele, o objetivo era bem claro:

“Quebrar sua empresa, mesmo que não encontrassem nada. E esse erro é minha maior prova.”

Foto: Gabriel Rei

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

16 comentários sobre "Laerte Codonho, da Dolly, quer justiça após prisão indevida"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    O PRESIDENTE DESSA EMPRESA, DEVERIA EXPANDIR SEUS PRODUTOS EM TODO TERRITÓRIO NACIONAL, AO INVÉS DE FICAR TENTANDO BRIGAR COM AS GRANDES E PODEROSAS CONCORRENTES, NA JUSTIÇA, JÁ QUE TERIA SIDO INOCENTADO.
    NO NORDESTE DO BRASIL, ESSE PRODUTO NÃO CIRCULA NAS REDES DE SUPERMERCADOS.
    BRIGAR CONTRA A COCA-COLA, POR EXEMPLO, SERIA O CAOS PRA ELES, POIS SÓ GASTARIAM SUAS RESERVAS PARA ALIMENTAR UMA BATALHA QUE DURARIA MUITOS ANOS. NÃO VEJO NECESSIDADE PARA TAL.
    DEVERIA DEIXAR O POVO OPTAR PELOS SEUS PRODUTOS, MAS ISSO SÓ PODE OCORRER SE REALMENTE ELE EXPANDIR.
    É DESSA FORMA QUE OS TRANSPORTADORES DE VEÍCULOS LUTAM HÁ TANTOS ANOS, CONTRA O CARTEL DOS CEGONHEIROS, QUE DOMINA AS OPERAÇÕES DE ESCOAMENTO DOS VEÍCULOS 0 KM, PRODUZIDOS NO NOSSO PAÍS.
    ELES JÁ PERDERAM TODAS AS “BRIGAS”, EM TODAS AS INSTÂNCIAS, MAS CONTINUAM EM ATIVIDADE ATÉ OS DIAS DE HOJE.
    UM VERDADEIRO ABSURDO!
    DESSE JEITO, DESEJO MUITO BOA SORTE A ELE!

  2. Marluce disse:

    Adoro Dolly .Pena que alguns mercados, como Cobal.,Sonda não vendam mais. O cola deles é o guaraná são ótimos.

  3. Clea Oliveira da Costa disse:

    Queremos Dolly

  4. No Rio grande do Sul, nunca vi nos supermercados, deveria ter . Mas a justiça de Deus não dorme, a dos homens é corrompivel, mas um dia tudo será exclarecido. Boa sorte.

  5. Paulo Roberto Corrêa disse:

    Um dos melhores Guaraná do Brasil é o DOLLY o Povo Brasileiro deveria se Orgulhar de nós termos um dos melhores Guaraná, enfim os Refrigerante da DOLLY pra mim são um dos melhores.

  6. Rubens Trevisan disse:

    Três facções criminosas de cima para baixo:
    1- RFB – RECEITA FEDERAL DO BRASIL
    2-PCC – PRIMEIRO COMANDO DA CAPITAL
    3- CV – COMANDO VERMELHO

  7. Sidnei rodrigues disse:

    Sou de SC. Aqui não tem Dolly, mas admiro o empresário pela seu trabalho. Sou representante. Honestidade e seriedade é tudo.

  8. Margot disse:

    As grandes empresas sempre querem se prevalecer. As oportunidades são para todos, cada um tem seu espaço. Vamos deixar de ser egoístas empresários do mal, pois aqui se faz,aqui mesmo se paga. Não levaremos nada para o túmulo.

  9. Roque Roberto machado disse:

    Brigar com coca- cola e nossa justiça em um país de faz de conta??? Loucura mesmo… esqueça isso faça seus produtos chegar a todos os brasileiros ou venda sua marca a um concorrente e vai viver feliz, briga com eles não compensa….

  10. Ania da Codta disse:

    Infelizmente,por causa de erros da justiça, pais e mães, perderam seus empregos. O dono da empresa Dolly, infelizmente pagou muito caro por ser honesto. Isso só acontece aqui no Brasil, onde existem muitos corruptos e ladrões!

  11. eu particularmente , sou vidrado no guarana DOLLY O MELHOR….não vou falar de outros produtos , conheço varios são , mais minha preferencia …. e o melhor DOLLY…… BOA SORTE

  12. Paulo Sergio de Souza disse:

    Tem que pedir ressarcimento mostras que brasileiro não tem medo de estrangeiro. Para cima deles

  13. Amaury Russo disse:

    No Brasil ,vencer de forma inovadora é difícil, fico imaginando a luta que Laerte vem tendo com a grande máfia das empresas mundiais de bebidas. Você tem que ser seguidos pelos empresários Brasileiros de Bebidas, lutar nunca deixar de lutar.Parabéns pelo sucesso da DOLLY….LUTE SEMPRE ….

  14. Diogo Emerson Francisco disse:

    Sou Fã da Dolly, lembro do começo do crescimento. Assim como eu a Dolly tem muitos Cliente que amam, vou deixa uma opinião referente ao comercial que passa na TV vocês poderia passa mais confiança na hora do Comecial (inova) fazer comecial buscando visa ao clientes melhora, preocupação em sempre fazer o melhor, não preocupado com os concorrentes.
    Concorrente sempre é bom leva agente a se inova.
    Quero só ajuda no comentário.
    Fã Dolly.

  15. Mario disse:

    A Dolly é um dos melhores refrigerantes que ja tomei.
    Até no preço é vantajoso. 🙋‍♂️

Os comentários estão encerrados