Livre Concorrência rejeita acordo com Vittorio Medioli. Advogada do site qualificou proposta do dono da Sada de “chantagem”

Matéria modificada em 9 de fevereiro de 2022
Retratação: Vittorio Medioli não foi indiciado no inquérito policial 277/2010

O editor do site Livre Concorrência, jornalista Ivens Carús, rejeitou proposta de conciliação apresentada por advogado de Vittorio Medioli em audiência realizada em 20 de fevereiro na Justiça gaúcha. Renato Dilly Campos – representante do empresário e político apontado pela Polícia Federal (PF) de chefiar organização criminosa que atua no setor de transporte de veículos novos – ofereceu a desistência condicional de oito processos movidos contra o jornalista.

Em troca, Ivens Carús deveria se comprometer a deletar do site todas as matérias em que funcionários e empresas de Medioli (inclusive o próprio) são citados em investigações sobre crimes praticados pelo chamado cartel dos cegonheiros. Essa organização criminosa, assim denominada em inquéritos da PF e dos Ministérios Públicos Federal e Estaduais, é formada por transportadoras e sindicatos que dominam, até mesmo com o uso de violência, mais de 95% dos fretes realizados por caminhões-cegonha no país. Fernanda Corrêa Osório, advogada do site, qualificou a proposta de “chantagem”.

Há pouco mais de dois meses, em outra ação penal privada movida por Medioli e suas empresas contra o jornalista, a promotora Aline Xavier Machado afirmou que o objetivo dos processos era “calar a boca da imprensa”. A manifestação do Ministério Público do Rio Grande do Sul ocorreu em 17 de dezembro de 2018, no Juizado Especial Criminal do Foro Regional do 4º Distrito, em Porto Alegre.

Os três processos analisados no último dia 20 pela juíza Cláudia Junqueira Sulzbach, da 5ª Vara Criminal do Foro Central de Porto Alegre, também referem-se a queixas-crimes contra o editor do site. Os autores alegam ter sido vítimas de crime contra a honra. Medioli subscreve uma das ações. Os outros querelantes são a Sada (cujo dono é o próprio Medioli) e Edson Luiz Pereira (diretor comercial da Sada). Este último compareceu à audiência.

Além de calar o site, Medioli quer impedir que jornalista trabalhe
As ações em que o advogado de Medioli propôs acordo são as mesmas cujos autores pediram à Justiça, por meio de medidas cautelares, a “imediata suspensão da atividade de natureza econômica ou financeira” exercida pelo jornalista. A tentativa foi recusada em abril do ano passado pela mesma juíza. Outra medida rejeitada pela Justiça é a decretação de sigilo ao andamento do processo.

Uma nova audiência deverá ocorrer em 20 de maio.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Combate aos cartéis Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Livre Concorrência rejeita acordo com Vittorio Medioli. Advogada do site qualificou proposta do dono da Sada de “chantagem”"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    Pois é meus amigos leitores deste brilhante portal! É assim que agem os contraventores deste Cartel! Tentam de todas as formas calar quem os acusam desta Máfia, que atua em nosso País há tantos anos!
    Eles dominam com “mãos de ferro” 95% dos transportes de veículos novos, ora produzidos pelas Montadoras existentes no nosso País, em conluio com as respectivas DIREÇÕES DAS MONTADORAS, com preços dos fretes majorados, onde os valores excedentes são repassados aos consumidores finais, em forma de Ágil. Logo, as Montadoras não ficam no prejuízo, e quem “paga o pato”, são os compradores destes veículos novos ora produzidos, bem como as Transportadoras menores, existentes nos Estados da Federação, que eles simplesmente excluem do direito de TRABALHAREM NO RAMO!
    Quando tentam formalizar valores mais baixos, aplicando assim a LIVRE CONCORRÊNCIA, no Setor, vandalizam criminalmente, ateando fogo nas carretas destas Transportadoras, e ameaçam-os até de morte, pois trabalham na calada da noite, quando os carreteiros estão no descanso, aportados em Postos de Combustíveis, por não poderem transitar nas Estradas Federais e/ou Estaduais, de pista única, em obediência as normas vigentes!
    Então venhamos, amigos leitores. Como pode o Editor deste Portal se calar, se ele só diz as verdades dos fatos, já devidamente comprovados pelo MPF e da PF, após longas investigações!
    Parabenizo a Jurisprudência atuante, enfaticamente!
    Que sejam devidamente condenados, na forma da LEI!
    AVANTE BRASIL!
    Nosso País não pode ficar mais refém destes criminosos!

Os comentários estão encerrados