Matéria de site clandestino e informações falsas são usadas por Vittorio Medioli para tentar reverter decisão da Justiça que rejeitou queixa-crime contra o Livre Concorrência

Matéria modificada em 9 de fevereiro de 2022
Retratação: Vittorio Medioli não foi indiciado no inquérito policial 277/2010

Em 23 de maio, seguindo recomendação do Ministério Público do Rio Grande do Sul, a juíza Cláudia Junqueira Sulzbach, da 11ª Vara Criminal de Porto Alegre (RS), rejeitou queixa-crime por calúnia e difamação movida por Vittorio Medioli contra o jornalista Ivens Carús, editor do site Livre Concorrência. Cinco dias depois, Medioli interpôs recurso contra a sentença que arquivou a acusação. A apelação do empresário e político de Minas Gerais contém matéria de site clandestino e informações falsas sobre as reportagens aqui publicadas.

Para o advogado Renato Dilly Campos, representante do dono do grupo Sada, o site trata Medioli de maneira pejorativa. Consta na apelação que Ivens Carús imputou ao recorrente (Vittorio Medioli) as seguintes condutas: associação à organização criminosa; conluio para impedir a Volkswagen de contratar novos operadores, formação de cartel (ou atuar de forma cartelizante) e “ter mandado um empregado realizar pagamento de R$ 1.500.000,00 ao recorrido para que parasse de publicar reportagens difamatórias”.

Medioli e seu representante também acusam o site de comercializar reportagens. Para tanto, apresentam trecho de uma gravação retirada de contexto. O material foi publicado em site clandestino que serve para atacar empresas, sindicalistas, parlamentares e jornalistas que ousam enfrentar o cartel dos cegonheiros. Vamos aos fatos.

Associação criminosa
Quem vinculou Medioli à prática de associação criminosa não foi o site Livre Concorrência. Inquérito aberto pela PF aponta o dono do grupo Sada de ser o chefe da organização criminosa que controla o mercado bilionário de transporte de veículos novos. O relatório final dessa investigação desvenda diversos ilícitos penais ocorridos no setor, inclusive incêndios criminosos em caminhões-cegonhas de transportadoras independentes – empresas sem vínculo com o cartel dos cegonheiros.

Formação de cartel
Também não foi o Livre Concorrência que ligou o empresário ao crime de formação de cartel. Em outra ação penal, o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de São Bernardo do Campo indiciou Vittorio Medioli e mais 12 executivos de transportadoras e líderes sindicais e empresariais por formação de cartel, além de associação criminosa, lavagem de dinheiro, falsos documentais e tributários. O site só atualiza a movimentação do processo que tramitou, inclusive, no Tribunal de Justiça de Minas Gerais.

Conluio para abortar contratação de novas transportadoras pela Volkswagen
Aqui vale recuperar o processo movido pela Volkswagen contra as empresas de Vittorio Medioli, a Tegma Gestão Logística, a Transauto e o Sindicato Nacional dos Cegonheiros (Sinaceg), no episódio que resultou no bloqueio por 15 dias da fábrica da marca alemã em São Bernardo do Campo. Confira o que os advogados da montadora escreveram:

“Sendo as corrés Transsauto, Tegma, Brazul, Transzero e Dacunha (as três últimas pertencem ao grupo Sada) os atuais prestadores de serviço de logística e transporte de veículos novos da Volkswagen Brasil (VWB), é evidente a sua atuação na paralisação, com o fito, mais uma vez, de pressionar a VWB a não realizar processo seletivo parta contratar novos prestadores de serviços com melhores condições técnicas e financeiras.”

Propina de R$ 1,5 milhão para depoimento fraudulento
Não é calúnia, tampouco difamação. São fatos confirmados por provas. A oferta de propina foi feita em 9 de fevereiro de 2015. O valor foi chancelada pelo vice-presidente do grupo Sada, Luiz Alberto de Castro Tito. Daí em diante, iniciaram-se as negociações sobre como seria feito o pagamento e o que Ivens Carús deveria dar em troca. Todos os diálogos e documentos produzidos entre março e setembro de 2015 (quando a transação cessou) foram entregues por Carús às autoridades (Ministério Público Federal, Gaeco e Polícia Federal).

Para receber a propina milionária, Carús deveria afirmar à Justiça que as empresas Transportes Gabardo, Transilva e Júlio Simões e o sindicalista Afonso Rodrigues de Carvalho patrocinavam as atividades do jornalista para publicar notícias contra os grupos Sada e Tegma.

Venda de matérias
Totalmente falsa a acusação contra o site Livre Concorrência. Medioli usa gravação veiculada em site clandestino especializado em detratar quem ousa desafiar o cartel dos cegonheiros. O veículo é considerado clandestino porque atenta contra o inciso IV, do artigo 5º da Constituição: “É livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato.” O site em questão é apócrifo.

Sobre a gravação, trata-se de áudio encaminhado por Carús, pelo aplicativo WhatsApp, ao presidente do Sintravers, Jefferson de Souza Casagrande. O áudio foi cortado e retirado de contexto.

O site não vende matéria
Medioli também usa depoimento dado pelo editor do site ao MPF de São Bernardo do Campo. Argumenta erroneamente que a receita lícita do site é utilizada para atacar sua honra, mas considera o site como um órgão de comunicação social de grande alcance.

Político tradicional avesso à oposição
Medioli é um político tradicional que não suporta conviver com a oposição. Antes de alegar que o site Livre Concorrência vende matérias, tentou impedir, por meio de medidas cautelares, que Carús exercesse a profissão de jornalista. O empresário, que se elegeu prefeito de Betim (MG) em 2016, solicitou à Justiça a “imediata suspensão da atividade de natureza econômica ou financeira” exercida pelo jornalista. A tentativa foi recusada pela própria Justiça em três oportunidades.

O advogado de Medioli termina a apelação de forma teatral. Ele escreveu:

“E não há dúvidas que o leitor deste tipo de reportagem verá o recorrente (Vittorio Medioli) como uma pessoa sem escrúpulos, talvez até como um criminoso. Excelências, vejam o prejuízo de ordem moral do qual o recorrente é vítima!”

Quem vê o cliente dele dessa maneira são os órgãos de investigação. As matérias do site Livre Concorrência baseiam-se em relatórios e inquéritos abertos e investigados pela Polícia Federal, Ministério Público Federal e Ministérios Públicos Estaduais.

Não há como omitir, também, que Medioli foi condenado na Justiça Federal de Minas Gerais por evasão de divisas. As apelações estão paradas no TRF-1, aguardando julgamento há quatro anos.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen