Gaeco de SP retomará ação contra Medioli e executivos da Tegma. TJMG derruba foro e processo volta para SBC

O prefeito de Betim (MG), Vittorio Medioli, e executivos da Tegma Gestão Logística sofreram revezes na Justiça no mês anterior. Proprietário do grupo Sada, Medioli, em duas oportunidades, perdeu a prerrogativa de foro. A última decisão contrária aos interesses do empresário e político de Minas Gerais ocorreu na semana passada, quando a desembargadora Denise Pinho da Costa Val, da 6ª Câmara Criminal do TJMG, declinou da competência de julgá-lo. A ação que tem origem em São Bernardo do Campo (SP) retornará à comarca da cidade paulista. Com isso, Medioli e executivos da Tegma Gestão Logística continuarão a responder a ação que tem como patrono o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado, o Gaeco. Todos respondem por formação de cartel e de quadrilha (associação criminosa).

Essa foi a segunda derrota de Medioli no Tribunal de Justiça mineiro em novembro. O desembargador Adilson Lamounier, relator do inquérito policial federal 277/2010, já havia declinado da competência de outra ação contra o empresário. Ele determinou o retorno do processo à 11ª Vara Criminal de Porto Alegre (RS).

Ação decorre da atividade empresarial de Medioli
Segundo o magistrado, pelo entendimento recente do Supremo Tribunal Federal (STF), prefeitos só possuem prerrogativa de foro quando os supostos crimes ocorrerem durante o exercício do mandato. Para o relator, no caso de Medioli, os supostos atos infratores têm relação com sua atividade empresarial, não tendo qualquer relação com atos da administração pública. A defesa ingressou com embargos de declaração, mas os desembargadores só devem decidir sobre a questão em 2019, segundo a assessoria de comunicação do TJMG.

Com a recente decisão da desembargadora Denise Val, que já havia sido antecipada pelo site Livre Concorrência na edição do dia 21 de novembro, a ação penal contra Medioli e outros 12 réus retorna ao comando do Gaeco, autor da denúncia.

Dentre os acusados, aparecem: o diretor comercial da Sada, Edson Pereira; executivos da Brazul e da Tegma Gestão Logística, a exemplo de Gennaro Oddone, Fernando Luiz Schnettino Moreira, Mário Sérgio Moreira Franco, Mário de Melo Galvão e outros.

O processo deverá voltar para a 5ª Vara Criminal da comarca de São Bernardo do Campo, mas não há prazo para isso ocorrer.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen