Medioli vai responder na Justiça comum indiciamento da Polícia Federal por chefiar quadrilha no setor de transporte de veículos novos

O atual prefeito de Betim e proprietário do grupo Sada, Vittorio Medioli, vai responder na Justiça comum pelas acusações da Polícia Federal em que é apontado como o chefe da quadrilha que atua em todo o país no setor de transporte de veículos novos. A decisão é dos cinco desembargadores integrantes da 5ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) e foi tomada na sessão do último dia 5. Os magistrados rejeitaram os embargos de declaração interpostos pela defesa do empresário e político, que pretendia manter a prerrogativa de foro do cargo de prefeito municipal em investigação da PF que tramitava no TJMG.

Seguindo o relator, os outros quatro desembargadores votaram pela rejeição da medida solicitada pela defesa de Medioli. Monocraticamente, Adilson Lamounier já havia definido no final do ano passado que o prefeito do município da Região Metropolitana de Belo Horizonte não teria direito a prerrogativa de foro especial no TJMG. De acordo com o magistrado, o entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) define que a prerrogativa para entes públicos só vale em caso de acusações contra atos ou ações decorrentes da administração pública.

No caso de Medioli, a acusação que pesa é quanto a sua atividade privada, não guardando nexo com atos como prefeito. Participaram do julgamento, os desembargadores: relator, Adilson Lamounier e os quatro vogais: Eduardo Machado, Júlio César Lorens (presidente), Alexandre Victor de Carvalho e Pedro Coelho Vergara. A defesa foi representada por João Felipe Pinto Gonçalves Torres.

Quadrilha com atuação nacional
O inquérito 277/2010 da Polícia Federal foi encaminhado ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais em 2017, por conta da prerrogativa de foro a que tem direito Vittorio Medioli, após assumir o cargo de prefeito de Betim. A definição do STF, ocorrida no ano passado, alterou o entendimento. Prefeitos só têm foro privilegiado por ações desenvolvidas durante o exercício do mandato e vinculadas diretamente à administração pública.

Especificamente quanto a Medioli, o TJMG entendeu que as acusações estão vinculadas diretamente à atividade empresarial do agora prefeito. Nessa peça, em que a autoridade policial aponta Medioli como o “chefe da quadrilha investigada”, outros integrantes são indiciados, a exemplo de Waldelio Carvalho dos Santos, atual presidente de um dos sindicatos de cegonheiros do Espírito Santo.

De acordo com a Polícia Federal, várias pessoas estão envolvidas, principalmente em incêndios criminosos de caminhões-cegonha de empresas que ousaram disputar cargas no setor dominado pelo chamado cartel dos cegonheiros, liderado pelos grupos Sada e Tegma.

Em antecipação de provas, o cegonheiro José Calos Rodrigues, mais conhecido como Pernambuco, que participou ativamente de movimentos que culminaram em incêndios criminosos, relatou com riqueza de detalhes como o esquema funcionava. Disse, inclusive, onde eram comprados os chamados “detonadores”. Ele chegou a montar o protótipo de um coquetel molotov empregado nos incêndios e entregou à Polícia Federal. Pernambuco também prestou depoimento a um juiz, reafirmando as declarações dadas à Polícia Federal. Pela decisão dos desembargadores, o inquérito deverá ser encaminhado para a justiça estadual do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, onde se iniciou a investigação.

Artefato explosivo montado por delator e entregue à Polícia Federal.

Gaeco de São Paulo
Em outra ação penal ajuizada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de São Bernardo do Campo-SP, Vittorio Medioli, junto com executivos de transportadoras controladas pela Sada e dirigentes da Tegma Gestão Logística, é denunciado por participação de formação de cartel e de quadrilha.

O procedimento, em andamento na 6ª Câmara Criminal do TJMG, teve decisão semelhante à anterior. A desembargadora Denise Pinho da Costa Val, relatora, determinou que Medioli não tem direito a prerrogativa de foro como prefeito municipal de Betim. Ela terminou o envio da peça acusatória ao Gaeco de SBC. A defesa de Medioli impetrou embargos de declaração, os quais foram rejeitados pela relatora. Em seguida, houve o ajuizamento de Agravo Interno, sem decisão até hoje.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Medioli vai responder na Justiça comum indiciamento da Polícia Federal por chefiar quadrilha no setor de transporte de veículos novos"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    Até que em fim, chegou a hora em que este meliante (Vittório Medioli), vai ter que dar as explicações aos Órgãos Públicos e Federais, amparados pelas Leis vigentes!
    Contra as evidências dos fatos ora apontados, não existem defesas.
    Ficamos desde já no aguardo das decisões finais.
    APUREM-SE NA FORMA DA LEI, onde contamos com as devidas condenações finais!

Os comentários estão encerrados