Mercado livre de energia elétrica garantiu desconto de R$ 360 bilhões para os poucos consumidores que puderam acessá-lo

Para quem está livre do monopólio particular que controla o setor elétrico no país, o desconto agregado, em 2021, atingiu patamar recorde de R$ 41 bilhões.

De São Paulo

O acesso ao mercado livre de energia elétrica ainda engatinha no Brasil, mesmo depois de o país ter sido um dos pioneiros na definição de regras para promover a abertura do setor a partir de julho de 2003, previsto na Lei 9.074, de julho de 1995. Vinte anos depois do prazo fixado para eliminar as barreiras que impedem a universalização do acesso ao sistema que garantiria uma redução de 20% a 30% na conta de energia elétrica dos brasileiros, apenas 0,04% do total de unidades consumidoras aderiram ao modelo. Os poucos beneficiados com a legislação atual economizaram R$ 366,6 bilhões desde 2003. Em 2021, o desconto atingiu patamar recorde: R$ 41 bilhões, segundo a Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel).

O presidente-executivo da entidade, Rodrigo Ferreira, destaca que o mercado livre de energia beneficiaria até consumidores de baixa renda:

“Em um cenário hipotético, se todos os 89 milhões de consumidores de energia tivessem o direito de escolher e decidissem optar por migrar para o mercado livre em busca de preços mais baixos e outras vantagens, a economia agregada seria de R$ 35,8 bilhões por ano, incluindo 5 milhões de residências de baixa renda e 150 milhões de clientes agrupados na classe média e nas categorias de pequenas e medias empresas.”

Crescimento do PIB e de postos de trabalho
Estimativas da Abraceel também apontam que a economia na conta de luz resultaria no aumento de 0,7% da renda disponível, liberando mais de R$ 20 bilhões para compras de bens e serviços, conforme dados da consultoria internacional EY. O aumento da atividade econômica levaria a um crescimento de 0,56% no PIB e à criação de aproximadamente 700 mil novos empregos.

Vale ressaltar que as tarifas elétricas residenciais registraram, entre 2015 e 2022, alta de 70%, patamar mais elevado que a evolução do IPCA, índice oficial de inflação, que foi de 58% no período. Já para os consumidores que puderam escolher o fornecedor no mercado livre de energia, os preços, que são negociados livremente, cresceram somente 9% no mesmo espaço de tempo.

Atualmente, somente grandes consumidores de energia, com conta acima de R$ 140 mil por mês, podem escolher o fornecedor e benefícios, como prazos, fonte energética (inclusive as consideradas limpas) e demais serviços agregados ao modelo.

A Portaria 465/2019, do Ministério de Minas e Energia, é a norma que dita o ritmo de abertura do mercado, estabelecendo a redução gradual dos limites de consumo ano a ano. Em janeiro de 2024, novo gatilho regulatório permitirá que qualquer consumidor de energia em alta tensão possa escolher o próprio fornecedor. A medida beneficiará um grupo adicional de 106 mil consumidores, com contas acima de R$ 10 mil por mês.

Imagem de Arek Socha / Pixabay.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen