Mesmo condenada, GM mantém cartel. Prejuízo aos consumidores já soma R$ 384,7 milhões nos últimos 18 meses

A condenação pela Justiça Federal por participação no cartel dos cegonheiros, ocorrida em março de 2016, foi incapaz de fazer com que a General Motors do Brasil alterasse o sistema de escoamento da produção em suas plantas. O transporte dos veículos produzidos continua na totalidade entregue às empresas que integravam a Associação Nacional das Empresas Transportadoras de Veículos (ANTV), extinta por determinação judicial e também condenada por formação de cartel. A manutenção do chamado “status quo” levou os mais de 503 mil consumidores da marca a amargar um prejuízo que já chegou aos R$ 384,7 milhões no período computado entre janeiro de 2017 e junho de 2018.

1-de-agosto-de-2018_gm_blog

O valor é calculado pelo sobrepreço constatado pelo Ministério Público Federal, autor da ação que condenou a GMB na Ação Civil Pública que tramitou durante 14 anos. De acordo com o MPF, a falta de concorrência no setor faz com que os valores cobrados a título de frete sejam majorados em aproximadamente 25%. O custo é repassado integralmente para o consumidor final, que arca com o valor maior, sem ter conhecimento, uma vez que o frete está embutido no preço de venda dos veículos.

No documento em que a aritmética foi apontada, os procuradores da República também argumentam que o mesmo sistema acontece em todas as montadoras que utilizam as empresas integrantes do cartel.

Somente no ano passado, os consumidores da GMB pagaram R$ 257,2 milhões a mais pelos 393,7 mil automóveis e comerciais leves adquiridos, enquanto o custo total do frete pago aos transportadores foi de R$ 1,029 bilhão. Neste primeiro semestre, o valor do transporte dos 109,2 mil veículos emplacados no país superou a marca dos R$ 509,7 milhões. O ágio ficou em R$ 127,4 milhões. Em média, os compradores de veículos da General Motors do Brasil acabam pagando a mais R$ 21,3 milhões a cada 30 dias. Com este valor é possível comprar 532,5 automóveis ao preço de R$ 40 mil.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Mesmo condenada, GM mantém cartel. Prejuízo aos consumidores já soma R$ 384,7 milhões nos últimos 18 meses"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    PREZADOS AMIGOS LEITORES DESTE PORTAL!
    ESTÁ MAIS QUE PROVADO QUE ISSO SERIA MAIS UMA AÇÃO CRIMINOSA NESTE NOSSO PAÍS TÃO SOFRIDO!
    SERÁ QUE POR TRÁS DESTAS DEMANDAS, NÃO EXISTEM POLÍTICOS COOPTADOS TAMBÉM???
    ESTA É UMA DÚVIDA QUE FICA NO AR, NÃO É???
    SE EM PERNAMBUCO ESTAMOS SOFRENDO, COM AS AÇÕES DA MESMA MÁFIA JUNTO A FIAT/JEEP… NO QUE PODEMOS PENSAR???
    APURE-SE, NÃO É???
    O MPF JÁ ESTÁ DE POSSE DE UM DOSSIÊ COMPLETO!!!
    AGORA É SÓ AGUARDAR OS RESULTADOS DA JURISPRUDÊNCIA!!!
    O BRASIL NÃO AGUENTA MAIS TANTOS DESFALQUES FINANCEIROS!!!

Os comentários estão encerrados