Mesmo sem ANTV, Sinaceg se mantém como braço político dos grupos Sada e Tegma

Mesmo sem a Associação Nacional dos Transportadores de Veículos (ANTV) – entidade extinta pela Justiça Federal – o Sindicato dos Cegonheiros de São Paulo (Sindicam, atual Sinaceg) se mantém como o braço político de empresas de São Paulo e de Minas Gerais que dominam o transporte de veículos novos no país. E é por esse motivo que o Ministério Público Federal (MPF) insiste, desde 2016, na desconstituição da agremiação, negada em primeira instância.

A medida faz parte da apelação do MPF para reformar sentença, em ação civil pública, contra Sinaceg, General Motors do Brasil, ANTV e Luiz Moan Yabiku Júnior, ex-diretor para assuntos institucionais da GM. Além do encerramento das atividades em todo o território nacional, os procuradores da República Silvana Mocellin e Estevan da Silva reivindicam aumento da multa imposta ao sindicato paulista dos atuais R$ 300 mil para R$ 15,9 milhões.

Entidade já acumula duas condenações por formação de cartel
Apesar de já acumular duas condenações por formação de cartel (decorrente de penal em que foi condenado o então presidente Aliberto Alves), os procuradores constataram que o Sinaceg continua a agir abertamente contra a livre concorrência e a causar grave violação à ordem econômica. Para eles, as medidas corretivas são necessárias para eliminar de vez as irregularidades cometidas no setor:

“Portanto, restará consagrada a defesa da concorrência e a eliminação de toda a prática infracional incentivada pelo Sindicam (Sinaceg), se a egrégia Corte adotar medidas corretivas e punitivas, com vistas a erradicar o problema proporcionado pelos órgãos associativos (ANTV, e agora grupos Sada e Tegma), coibir a reincidência de novas ações ilícitas e ressarcir a sociedade pelos danos causados.”

E ressaltam:

“Considerando que o Sindicam desempenha atividade inegavelmente ilícita, é imperativa a sua desconstituição.”

Os procuradores também destacam que o Sinaceg fere os princípios que regem a atividade sindical:

“É entidade privada que congrega os proprietários de caminhões que compram vagas para trabalhar principalmente em transportadoras dos estados de São Paulo e de Minas Gerais.”

Desde 2002, o Sinaceg, subordinado à ANTV e em parceria com montadoras, enfrenta processos na Justiça Federal. Por conta disso, foram investigados, acusados e condenados pelos crimes a seguir:

  • Realizar práticas cartelizantes (alinhamento de preços e divisão de mercados);
  • Abuso de poder econômico;
  • Fizeram uso de mecanismos de intimidação e retaliação para quem descumprisse acordo firmado entre ANTV e Sinaceg;
  • Fomentaram condutas uniformes entre concorrentes;
  • Utilizaram as agremiações como fórum de discussões de informações concorrenciais sensíveis.

 

Para os procuradores, a parceria entre transportadoras e Sinaceg instituiu uma situação anômala de domínio de mercado, cujos prejudicados estendem-se nos grupos abaixo:

  • Consumidores. Estima-se um prejuízo de R$ 7,7 bilhões ao bolso dos consumidores entre 1997 e 2014. O valor é considerado conservador;
  • Mercado, por estar asfixiado e fechado a inovações;
  • Agentes econômicos excluídos pelo cartel;
  • Motoristas autônomos que se recusam a comprar vagas para transportar veículos novos;
  • Concessionárias de veículos, por não terem poder de negociação;
  • Toda a sociedade. Essa perde devido ao desrespeito à Constituição e ao elevado custo Brasil.

 

Mais práticas ilegais
Em dezembro de 2017, pode-se observar outra prática irregular do Sinaceg. Mesmo impedido pela Justiça de participar de contratação ou intermediação de transporte de veículos novos por montadoras de todo o país, o sindicato paulista organizou o bloqueio de 15 dias à fábrica da Volkswagen em São Bernardo Campo (SP). A manifestação impediu que a montadora alemã contratasse outros fornecedores fora do cartel que controla o setor.

Foto: Google Maps

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Mesmo sem ANTV, Sinaceg se mantém como braço político dos grupos Sada e Tegma"

  1. Luiz Carlos Bezerra disse:

    ESTE FATO JÁ FOI AMPLAMENTE DISCUTIDO EM OUTROS COMENTÁRIOS. UM SINDICATO DE CLASSE SÓ PODE ATUAR NO ESTADO DE SUA FUNDAÇÃO, E NUNCA NO PAÍS, OU EM OUTROS ESTADOS DA FEDERAÇÃO!
    POR QUE AINDA ATUAM ATÉ HOJE???
    ONDE ESTÃO AS LEIS DESTE PAÍS???
    O MPF NÃO TEM FORÇA JURÍDICA? ENTÃO, PRA QUE EXISTE???
    O CARTEL É UMA FARSA A SER ABOLIDA IMEDIATAMENTE!!!

Os comentários estão encerrados