Ministro do STJ tira matéria da pauta e determina que ANTV comprove legitimidade para representar empresas que se desligaram da entidade

A fraude processual no conflito de competência que tramita no Superior Tribunal de Justiça (STJ) levou o ministro Napoleão Nunes Maia Filho, relator da matéria protocolada pela Associação Nacional das Empresas Transportadoras de Veículos (ANTV), a retirar o tema da sessão de julgamento ocorrida na tarde desta quarta-feira, 27, por videoconferência (foto de abertura). O magistrado acatou o pedido da subprocuradora-geral da República Denise Vinci Tulio. Ela pediu a nulidade processual da demanda por “ausência de legitimidade” da autora do recurso, a ANTV.

Publicidade: confira aqui o site do anunciante

O site Livre Concorrência revelou com exclusividade que a entidade – condenada e extinta pela Justiça Federal do Rio Grande do Sul em duas instâncias por tratar-se de associação criminosa voltada para dominar o bilionário mercado de fretes realizados por caminhões-cegonha – usou informações falsas na petição que protocolou no STJ.

A ANTV tenta estender para suas associadas, principalmente para as empresas do grupo Sada, salvo-conduto já concedido à Tegma. A petição, entretanto, baseia-se em informações que não se sustentam nos fatos. Diferente do que a entidade afirma e do que consta nos autos, a ANTV não possui nenhuma transportadora associada. Todas se desligaram em 2004, há 16 anos. Uma delas, a BF Transportes, inclusive, não autorizou o uso do nome na ação judicial, segundo revelou o superintendente Luiz Prado.

Na semana anterior, a subprocuradora encaminhou ao STJ pedido para a ANTV “juntar aos autos a autorização expressa dos associados para a atuação em juízo”.

No despacho proferido em 26 de maio, o ministro Napoleão Nunes Maia Filho argumentou:

“Trata-se de petição protocolada pelo Ministério Público Federal requerendo esclarecimentos da parte requerente acerca da sua representatividade de empresas de serviços de cegonheiro, a legitimar sua atuação no presente feito, em razão de informações constantes dos documentos acostados às fls. 19.124/19.131, que, a seu ver, demonstrariam a desfiliação das empresas anteriormente integrativas da associação.”

E determinou:

“Concedo prazo de 10 dias úteis para a ANTV apresentar os documentos indicativos da autorização das empresas associadas para a atuação em juízo.”

A decisão será publicada no Diário Oficial da Justiça nessa quinta-feira.

Em 31 de janeiro de 2020, a ANTV protocolou no STJ recurso para beneficiar todas as empresas associadas à entidade com salvo-conduto já concedido provisoriamente à Tegma. A petição pede a suspensão de “quaisquer” processos por formação de cartel até o STJ julgar conflito de competência que tramita naquela corte. O problema é que a ANTV não tem associadas desde 2004, quando se dissolveu. As empresas que a integravam pediram desligamento da entidade há 16 anos, conforme documentado em ata juntada aos autos pela Tegma, Gestão Logística..

O pedido de salvo-conduto ocorre no momento em que pelo menos oito executivos da Sada (dois) e da Tegma (seis) aguardam julgamento na Justiça de São Paulo por formação de cartel e de organização criminosa, entre outros crimes. As sedes das duas maiores transportadoras do setor também foram alvos de mandados de busca e apreensão no âmbito da Operação Pacto, deflagrada em 17 de outubro do ano passado. Os escritórios de ambas foram vasculhadas por agentes e servidores da Polícia Federal, Gaeco e Cade. Tem ainda o inquérito da Polícia Federal que indiciou Vittorio Medioli por chefiar a organização criminosa que controla o setor. Esse processo, após o empresário e político de Minas Gerais perder foro privilegiado no Tribunal de Justiça de Minas Gerais, vai recomeçar a tramitar no Rio Grande do Sul nos próximos dias.

No STJ, a ANTV tenta transferir a competência de julgar os processos referentes aos crimes praticados por formação de cartel para o Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF-1). Em setembro de 2019, os desembargadores da 4ª Turma do Tribunal Federal da 4ª Região (TRF-4) mantiveram a condenação da GM e de outros três réus por formação de cartel no setor de transporte de veículos novos. Além da montadora, Luiz Moan (ex-diretor da GM), Associação Nacional das Empresas Transportadoras de Veículos (ANTV) e Sindicato Nacional dos Cegonheiros (Sinaceg, ex-Sindicam) tiveram as penas sentenciadas pela 1ª Instância da Justiça Federal confirmadas.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Ministro do STJ tira matéria da pauta e determina que ANTV comprove legitimidade para representar empresas que se desligaram da entidade"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    É INCRÍVEL COMO ESSA ANTV FAZ DE TUDO PARA EMBARGAR AS SENTENÇAS JÁ PROFERIDAS À MESMA, PARA ENTÃO LUDIBRIAR A JUSTIÇA EM NOSSO PAÍS.
    DE FATO, ESSA ASSOCIAÇÃO SEMPRE ATUOU COMO BRAÇO FORTE DO CARTEL CRIMINOSO, ACIMA MENCIONADO E, NÃO POSSUI NENHUM DOCUMENTO QUE COMPROVE A SUA DESVINCULAÇÃO AO CITADO CARTEL.
    A OPERAÇÃO PACTO, TAMBÉM CITADA NESSA MATÉRIA, APUROU EM INVESTIGAÇÕES PROFERIDAS PELOS ÓRGÃOS COMPETENTES, TODOS OS FATOS CORRELACIONADOS, ONDE ELA FEZ E FAZ PARTE DA ORGANIZAÇÃO SIM! TUDO É VERÍDICO!
    OS SEUS DIRETORES JÁ TENTARAM MENCIONAR QUE A MESMA NEM POSSUIRIA ASSOCIADOS. ORA VEJA, COMO PODE UMA ASSOCIAÇÃO EXISTIR SEM SÓCIOS? POSICIONAMENTO RIDÍCULO. O QUE ELES PENSAM? OS INVESTIGADORES NÃO SÃO INGÊNUOS, SÃO PROFISSIONAIS COMPETENTES E, AS CONSTATAÇÕES PROCEDEM SIM!
    JÁ FOI CONDENADA ANTERIORMENTE PELO TRF-4 E ESSA CONDENAÇÃO TAMBÉM FOI PROTOCOLADA CONTRA O SINDICAM (HOJE OPERANDO COM A DENOMINAÇÃO DE SINACEG).
    SÓ ESTÃO QUERENDO GANHAR TEMPO, PARA QUE ASSIM SEJAM BENEFICIADOS DE PRESCRIÇÕES. DA MESMA FORMA QUE FOI BENEFICIADO O SR. LUIZ MOAN (EX-DIRETOR DA GM) QUE FOI CONDENADO E NUNCA CUMPRIU A SUA PENA.
    AGORA TENTAM DE TUDO PARA BENEFICIAR A TEGMA, QUE SEMPRE FOI SUA ASSOCIADA, JUNTAMENTE COM A SADA!
    É UM ABSURDO JURÍDICO E, SENDO ASSIM, FICAMOS NO AGUARDO DE SUA CONDENAÇÃO DEFINITIVA, SEM DIREITOS DE DEFESA!
    CUMPRAM-SE AS LEIS!

Os comentários estão encerrados