Moro pede demissão: “Não são aceitáveis interferências políticas na Polícia Federal”

Após fazer um balanço de sua gestão e confirmar que o presidente Jair Bolsonaro queria ter acesso a relatórios de inteligência da PF e às investigações em andamento, o ministro da Justiça, Sergio Moro, comunicou sua demissão na manhã desta sexta-feira, um ano e quatro meses após assumir a pasta. Para Moro, não é admissível um presidente interferir na autonomia da Polícia Federal. A decisão foi anunciada em entrevista coletiva realizada no Ministério da Justiça.
A demissão foi motivada pela decisão de Bolsonaro de trocar o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo:

“O presidente me disse que queria colocar uma pessoa dele, que ele pudesse colher informações, relatórios de inteligência. Realmente, não é papel da PF prestar esse tipo de informação.”

E acrescentou:

“É algo que não posso concordar. Não existe uma causa consistente (para a substituição de Valeixo) e percebo que essa interferência política pode levar a relações impróprias entre o diretor-geral [da PF] e o presidente da República.”

Moro ressaltou:

“Tenho que preservar minha biografia, mas acima de tudo tenho que preservar o compromisso que assumi inicialmente com o próprio presidente, de que seríamos firmes no combate à corrupção, ao crime organizado e à criminalidade violenta. E o pressuposto necessário para isso é garantir a autonomia da PF contra interferências políticas.”

O ministro e Valeixo deixam os cargos no momento em que o presidente da República se aproxima de políticos tradicionais com extensa ficha criminal, como Roberto Jefferson, Valdemar da Costa Neto, Arthur Lira.
A demissão de Moro e a exoneração de Valeixo ocorrem no momento em que a segunda fase da Operação Pacto está em gestação. As investigações, conduzidas pela Polícia Federal, em parceria com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de São Bernardo do Campo (SP), apuram infrações à ordem econômica no setor de transporte de veículos novos em todo o país.
Vale lembrar que o chamado cartel dos cegonheiros é chefiado, segundo conclusão de inquérito da Polícia Federal, por outro político tradicional, o empresário Vittorio Medioli, atualmente prefeito de Betim (MG) e proprietário do grupo Sada.
Vale lembrar que o agora ex-ministro também pediu providências ao Cade para combater esse cartel.  

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

2 comentários sobre "Moro pede demissão: “Não são aceitáveis interferências políticas na Polícia Federal”"

  1. Ricardo Almeida disse:

    Como disse no comentário anterior que foi até antes do pronunciamento do ex-ministro essa investigação tinha tudo pra não levar a lugar algum, agora tenho certeza. Só quem perde é o brasileiro, lamentável.

  2. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    POSITIVO AMIGO RICARDO ALMEIDA, LAMENTÁVEL MESMO. O EX-MINISTRO SÉRGIO MORO, TRAIU O NOSSO PRESIDENTE DA REPÚBLICA, AO PEDIR EXONERAÇÃO DO CARGO, HAJA VISTA ESTAR SEMPRE CAMINHANDO A PASSOS DE TARTARUGA, QUANDO DEVERIA SEGUIR COMO UMA LEBRE, PARA PUNIR OS CORRUPTOS EM SEUS PROCESSOS A ANALISAR! QUANTO AO FATO DE DAR EXPLICAÇÕES AO PRESIDENTE DA REPÚBLICA, ISSO DEVERIA OCORRER SEM QUE FOSSE PRECISO HAVER SOLICITAÇÕES DO MESMO!
    COM A SUA ATITUDE, ELE DEMONSTROU QUE NÃO ESTARIA INTERESSADO EM APURAR FATOS SÉRIOS, BEM COMO QUANTO AOS ATAQUES AO STF, QUE ERAM SUAS ATRIBUIÇÕES!
    AGORA VAMOS VER O NOSSO PRESIDENTE SE DEFENDER DE MAIS UMA TRAIÇÃO! LAMENTÁVEL MESMO! CONCORDO COM VC EM TESE.
    O NOSSO GOVERNO FEDERAL DARÁ A VOLTA POR CIMA TAMBÉM DESSA CRISE! QUEM VIVER VERÁ!

Os comentários estão encerrados