MPF analisa possível ocorrência de crime de xenofobia atribuído a Vittorio Medioli

Em segundo mandato como prefeito de Betim (MG), o também proprietário do grupo Sada pode ser investigado pela prática de crime de xenofobia. Medioli já é investigado pelo Ministério Público de São Paulo em procedimento que envolve o setor de transporte de veículos novos. Réu em ação penal movida pelo MPSP, o político e empresário teve suas empresas vasculhadas por policiais federais durante a deflagração da Operação Pacto, numa investigação que envolveu, inclusive, o Cade.

De Brasília

Um artigo publicado por Vittorio Medioli no seu próprio jornal, O Tempo, no qual pregou a separação do Brasil da região Nordeste por esta ter dado ao então candidato Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ampla vitória sobre Jair Bolsonaro (PL) na última eleição, pode render mais uma investigação contra o empresário e político de Minas Gerais. Mesmo após a tentativa de retratação, houve representação. A revelação, feita com exclusividade ao site Livre Concorrência, é da Procuradoria Regional da República de Brasília (PRR-1). A PRR-1 informou:

“Um procurador designado analisa representação formulada na Sala de Atendimento ao Cidadão do Ministério Público Federal (MPF) , onde foi relatada a possível ocorrência de crime de xenofobia (discriminação/preconceito em face do povo nordestino). A apuração dos fatos ainda está em curso.”

E acrescentou:

“Informamos que as apurações da representação formulada ao MPF (notícia de fato) ainda está em curso. A notícia de fato é um procedimento preliminar para eventuais aberturas de investigações e indiciamentos. Com o objetivo de contribuir para a não antecipação de culpa de possíveis investigados antes de concluídas as apurações e formalizada a acusação (denúncia), não são fornecidos detalhes sobre casos que estejam em fases iniciais de apuração.”

Na ocasião Medioli escreveu que existem dois Brasis: um que paga impostos e outro que depende de transferências, referindo-se ao Nordeste.

Considerado por parte da imprensa como o “prefeito mais rico do país”, Medioli já é investigado pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado – Gaeco – de São Bernardo do Campo (SP), por suposto envolvimento no chamado cartel dos cegonheiros. Ele ainda é réu – em processo que corre sob segredo de Justiça – junto com outros nove executivos de transportadoras de veículos, quatro deles do grupo Sada (um faleceu) e seis da Tegma Gestão Logística, outro alvo da Operação Pacto. A acusação é de formação de cartel e de quadrilha, numa ação penal que se arrasta há 10 anos. No Conselho Administrativo de Defesa Econômica, a Brazul Transporte de Veículos, controlada pela Sada, de sua propriedade, é investigada em inquérito administrativo que apura infrações à ordem econômica, junto com a Tegma, Gestão Logística e a Transcar, da Bahia.

Numa  nova fase de combate ao cartel dos cegonheiros – uma organização criminosa que controla com mãos de ferro o setor de transporte de veículos e causa prejuízos de R$ 4 blhões anualmente aos consumidores – segundo o MPF, Gaeco e Polícia Federal – Medioli aparece como um dos cinco principais investigados. No PIC 03/2015 também estão no alvo dos promotores paulistas Gennaro Oddone (Tegma), José Ronaldo Marques da Silva (Boizinho), presidente do Sindicato Nacional dos Cegonheiros, o Sinaceg, além de Jardel de Castro, presidente do Sindicato dos Cegonheiros do Rio de Janeiro e Waldeli de Carvalho Santos, presidente do Sindicato dos Cegonheiros do Espírito Santo.

De acordo com os investigadores, estão sendo levantadas informações e provas de possível envolvimento de organização criminosa, formação de cartel, falsos documentais e tributários e lavagem de dinheiro. Os supostos crimes teriam sido praticados desde o ano de 2011, no município de São Bernardo do Campo, onde o político e empresário possui pelo menos cinco transportadores de veículos, Autoservice, Brazul, Dadunha, Transzero e uma unidade da Sada.

A apuração, que foi anexada ao extenso inquérito da Polícia Federal sobre a Operação Pacto – um documento de quase quatro mil páginas -, decorre de fatos novos identificados em outra investigação do Gaeco que culminou na denúncia à Justiça de 13 réus (dois já falecidos) por abuso de poder econômico, dominação de mercado, eliminação total ou parcial de concorrência, fixação artificial de preços, formação de cartel e associação criminosa.

Nessa ocasião, os promotores Sirleni Fernandes da Silva, Celisa Ágata Lopes Mota e Bruno Sevelio Ribeiro escreveram à Polícia Federal de São Paulo:

“Após as diligências realizadas com juntadas de documentos e oitivas, necessárias à apuração acerca da dominação de mercado, prática de falsos documentais e tributários e lavagem de dinheiro cometidos a partir de 2011 por representantes de sindicatos e de empresas do grupo Sada (como verificado até o momento, com base no esclarecimento e documentos fornecidos pelas montadoras), bem como das demais práticas utilizadas como forma de minar a reputação de pessoas jurídicas que não se inserem neste grupo e são contratadas para o serviço de transportes de produtos pelas montadoras de automóveis. E até o momento é possível identificar como investigados.”

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "MPF analisa possível ocorrência de crime de xenofobia atribuído a Vittorio Medioli"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    É, MEUS NOBRES AMIGOS, QUE SEMPRE ACOMPANHAM ESSAS BRILHANTES EDIÇÕES DESSE PORTAL SEMPRE LÍCITO EM SUAS MATÉRIAS.
    ESSE TAL DE “XENOFÓBICO”, DE NACIONALIDADE ITALIANA, JAMAIS PODERIA EXERCER UMA ATIVIDADE POLÍTICA, EM NOSSO PAÍS.
    DE FATO, ALGUNS NORDESTINOS, REALMENTE VOTARAM NO ENTÃO CANDIDATO “LULA”, MAS NÃO FORAM TANTOS ASSIM. FATO ESSE QUE LEVOU O “ELEITO”, A INTERDITAR A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO, QUE SALVAVA A REGIÃO, PELA FALTA D’ÁGUA POTÁVEL, CERTAMENTE FOI UMA REPRESÁLIA. – “POR QUÊ ELE FARIA ISSO, SE REALMENTE TIVESSE SIDO ELEITO POR ESSA POPULAÇÃO”! – “EIS A QUESTÃO”!
    ESSE CRIMINOSO QUE COMANDA O CARTEL DOS CEGONHEIROS, JÁ DEVERIA TER SIDO IMPEACHMADO HÁ MUITO TEMPO. PRINCIPALMENTE POR NÃO SER BRASILEIRO NATO!
    “SEPARAR O NORDESTE DO BRASIL”, É UM VERDADEIRO ABSURDO MESMO. DEVERIA SER PROCESSADO E PUNIDO, NA FORMA DAS NOSSAS “LEIS CONSTITUCIONAIS”, DE FORMA FINITA!
    BOLSONARO FINALIZOU TAIS OBRAS, DA TRANSPOSIÇÃO, EXTERMINANDO A FARTA DA FALTA DE ÁGUA DA REGIÃO, QUE SEMPRE FOI ENTENDIDA COMO A “INDÚSTRIA DA SECA”, NÃO É MESMO?
    ESSE TAL DE ITALIANO, DEVE RESPONDER POR ESSAS AÇÕES E DEVOLVER AOS NOSSOS COFRES PÚBLICOS, TODO VALOR QUE NOS ROUBOU AO LONGO DE TANTOS ANOS E, SER PROIBIDO DE OPERAR COM SUAS EMPRESAS, QUE FORMAM ESSA FACÇÃO CRIMINOSA, DENOMINADA O “CARTEL DOS CEGONHEIROS”, ASSIM COMO TODOS OS SEUS COMPARSAS!
    BASTA, SRS. JURISTAS! SALVEM O NOSSO PAÍS, DE FORMA IMEDIATA!
    ELE CORROMPEU ATÉ O ANTERIOR GOVERNADOR DE PERNAMBUCO, QUE CEDEU AO MESMO, MAIS DE 60 HECTARES DE ÁREA, JUNTO A MONTADORA FIAT/JEEP, PARA MONTAR SUA BASE DA TRANSPORTADORA SADA. ESSE ENTÃO GOVERNADOR, NUNCA ATUOU EM PROL DOS LEGÍTIMOS TRANSPORTADORES DE VEÍCULOS, LOTADOS NESSA REGIÃO. “POR QUÊ SERÁ?” – NUNCA APOIOU O REAL SINDICATO DA CATEGORIA, DENOMINADO: “SINTRAVEIC-PE”.
    FATO ESSE TOTALMENTE INCONSTITUCIONAL TAMBÉM, POIS ÁREA DA NAÇÃO BRASILEIRA, NÃO PODE SER CEDIDA À ESTRANGEIROS. NÃO É MESMO?
    SÓ NOS RESTA AGORA, AGUARDARMOS AS DECISÕES FINAIS!
    REGIÃO NORDESTE É DO BRASIL, E JAMAIS SERÁ DIFERENTE!
    UM VERDADEIRO ABSURDO!

Os comentários estão encerrados