MPF de São Bernardo do Campo notifica Sindicam e Volkswagen

O Ministério Público Federal (MPF) de São Bernardo do Campo notificou o Sindicato dos Cegonheiros de São Paulo (Sinaceg, ex Sindicam) e a Volkswagen do Brasil para que apresentem informações sobre a interrupção do transporte de veículos produzidos pela montadora, iniciada no último dia 29. O MPF revelou que encaminhou o pedido após tomar conhecimento de boatos que antecederam a mobilização.

Segundo informações obtidas com exclusividade pelo site Livre Concorrência, o Sinaceg informou que não participou da organização do bloqueio. Também não disse ao procurador Steven Zwicker que os carreteiros decidiram pela paralisação do transporte em represália à possível contratação de novos transportadores por parte da Volks que mantém o cronograma do BID (cotação de preços). O anúncio da interrupção dos serviços ocorreu em reunião realizada na sede da entidade.

A montadora, que ainda não se manifestou, também encontrará dificuldades para explicar ao MPF por qual motivo o Sindicato dos Rodoviários (de motoristas e cobradores de ônibus) assumiu externamente o comando do movimento, sem que a Volks adote qualquer medida na esfera judicial. A foto de abertura mostra o carro de som da entidade desvinculada dos cegonheiros em um dos acessos ao pátio da montadora.

A paralisação completou seis dias nesta terça-feira. Nenhum caminhão-cegonha sai carregado. A Volks, a exemplo de anos anteriores, mantém o silencio. Em Contato com o site Livre Concorrência, a assessoria de imprensa reafirmou que não se manifestará.

MPF atuou no caso Kia/Transilva
Em agosto do ano passado, o Ministério Público Federal acionou o Sinaceg (ex-Sindicam) e o Sindicato dos Cegonheiros do Espírito Santo a respeito das ações agressivas contra a Kia Motors e a Transilva Transportes e Logística. O motivo das agressões, conforme o órgão, seria contra a contratação da transportadora pela Kia Motors. Cegonheiros-empresários queriam que as empresas entrassem no esquema do cartel. O caso foi parar no lento Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), onde o procedimento há oito meses sofre prorrogação.

O MPF de São Bernardo do Campo recomendou a dois sindicatos patronais e três empresas de transporte de veículos (Brazul, Tegma e Transcar) que “parassem de realizar ameaças e ações violentas contra a Kia Motors do Brasil e a Transilva”.

Protestos para manter cartel
Protestos de cegonheiros se iniciaram desde que a importadora assinou com a Transilva contrato para o frete dos automóveis do pátio, em Cariacica (ES), até as concessionárias. Executivos das três empresas tentaram forçar mudanças no acordo para que as Transilva e a Kia Motors dividissem o serviço com transportadoras acusadas de formação de cartel.

Apesar da recomendação, pelo menos três caminhões da Transilva foram incendiados criminosamente. A sede da Kia Motors, em Itu, interior paulista, foi alvo de lançamento de bombas incendiárias. Ninguém foi responsabilizado.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen