MPF deve acionar montadoras instaladas em SP alinhadas ao cartel dos cegonheiros. Vínculo causou prejuízo de R$ 700 milhões aos consumidores em 2018

Das oito montadoras com sede no estado de São Paulo, pelo menos cinco delas deverão ser acionadas na Justiça pelo Ministério Público Federal. O motivo é o prejuízo superior a R$ 700 milhões transferidos diretamente aos consumidores por conta da falta de concorrência no transporte de veículos novos. Três delas poderão ficar de fora: Hyundai, Caoa-Chery e General Motors (GM). As duas primeiras, por não contratarem só transportadoras vinculadas ao cartel dos cegonheiros. A GM pode ficar de fora por já ter sido condenada por participação ativa no cartel.

A ação deverá ser de execução de liminar transitada em julgada e execução provisória de sentença, por “erga omnes”, a partir dos efeitos sobre a General Motors do Brasil, já condenada por decisão da Justiça Federal do Rio Grande do Sul.

A Ação Civil Pública condenou a montadora norte-americana, o seu diretor para assuntos institucionais, Luiz Moan Yabiku Júnior, a Associação Nacional das Empresas Transportadoras de Veículos (ANTV) e o Sindicato Nacional dos Cegonheiros (Sinaceg) por formação de cartel.

O expediente é idêntico ao utilizado pelo Sindicato dos Cegonheiros de Pernambuco (Sintraveic-PE) que também está em andamento na Justiça Federal daquele estado. O processo envolve a FCA-Fiat e a Sada Transportes e Armazenagens. Em dezembro do ano passado, o procurador Steve Shuniti Zwicker pediu cópia da execução à Justiça Federal, mas ainda não quis se manifestar publicamente, o que pode acontecer a qualquer momento

Cartel e Volkswagen impõem prejuízo de R$ 251 milhões
O caso mais emblemático na Procuradoria Regional da República sediada em São Bernardo do Campo é o do atrelamento da Volkswagen do Brasil ao chamado cartel dos cegonheiros. A união causou prejuízo de R$ 251,2 milhões aos consumidores somente no ano passado.

A montadora alemã queixou-se na Justiça da ação das atuais transportadoras que, unidas ao Sindicato Nacional dos Cegonheiros (Sinaceg), impedem a busca de melhoria técnica e financeira para o escoamento da produção, impedindo, inclusive, a Volkswagen de exercer a livre concorrência no setor.

Em dezembro de 2017, a montadora enfrentou greve de patrões (locaute), o que paralisou por 15 dias o transporte dos veículos produzidos na unidade de São Paulo. Após conseguir liminar na Justiça para desbloquear o acesso à unidade fabril, a montadora anunciou acordo com os mesmos fornecedores.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen