MPF prepara-se para pedir extensão de execução de liminar e de sentença proferida contra GM para outras cinco montadoras sediadas em São Paulo

O Ministério Público Federal (MPF) de São Paulo está providenciando o ajuizamento de ação de execução visando à abertura gradual e imediata do setor de transporte de veículos, em cumprimento à garantia da livre concorrência, consagrada pela Constituição Federal no capítulo destinado à ordem econômica. O estudo em fase final de gestação, descoberto com exclusividade pelo site Livre Concorrência, tem como finalidade romper a estrutura nacional da organização criminosa que controla com mãos de ferro mais de 95% do setor há várias décadas e causa um prejuízo estimado em R$ 1,8 bilhão por ano aos consumidores.

A medida que deverá ser enviada à Justiça em breve é a execução de liminar (já transitada e julgada) e a execução provisória de sentença que condenou a General Motors do Brasil na Justiça Federal do Rio Grande do Sul. Pelo menos cinco montadoras poderão ser atingidas diretamente com a ação: Volkswagen, Ford, Honda, Toyota e Mercedes-Benz. No caso das duas primeiras, as demais plantas, uma no Paraná e outra na Bahia, também deverão cumprir a determinação, caso seja acatada pela Justiça. A chancela está a cargo da Procuradoria da República sediada em São Bernardo do Campo e está sob a orientação do procurador Steven Shuniti Zwicker, profundo conhecedor do assunto.

O modelo a ser colocado em prática pelo MPF paulista é idêntico ao ajuizado na Justiça Federal de Pernambuco, impetrado pelo Sindicato dos Cegonheiros de Pernambuco (Sintraveic-PE), contra a FCA Fiat/Jeep. O entendimento é o de que a liminar concedida contra a General Motors, ANTV e Sinaceg em 2003 já foi transitada em julgada e, na sentença de 1º Grau, foi confirmada.

O efeito chamado “erga omnes” foi invocado para que decisão igual seja adotada em outros estados da federação, envolvendo montadoras que adotam o mesmo sistema cartelizante para o escoamento da produção dos veículos. O advogado do Sintraveic-PE, Héracles Marconi Góes Silva, explicou:

“Por via reflexa, as demais montadoras deverão ser obrigadas a cumprir a decisão judicial.”

No caso de Pernambuco (Jeep e Sada Transportes apresentaram contestação) a decisão final ainda está para ser proferida. Góes Silva destacou:

“É óbvio que todas as montadoras de veículos do Brasil, inclusive a Fiat/Jeep, mesmo que não tendo integrado nenhum dos polos da demanda, estão obrigadas, por via reflexa, a cumprir a sentença, porque é um ato normativo proferido em sede de Ação Civil Pública, tipo de ação que possui efeitos erga omnes e ultra partes. O descumprimento da obrigação caracteriza-se crime de desobediência.”

O advogado pernambucano também esclareceu que a Ação Civil Pública possui efeito “erga omnes” e as decisões proferidas por juiz federal de vara sediada nas capitais de qualquer estado da federação possui jurisdição nacional. A “via reflexa” é o efeito ultra partes. Assim, a ACP da 6ª Vara Federal de Porto Alegre possui todos esses atributos, ou seja: “foi uma sentença em sede de ACP que confirmou a liminar de antecipação da tutela, proferida por juiz federal de vara sediada em capital”.

No caso, a decisão foi proferida contra a General Motors do Brasil, mas também contra a ANTV e o Sindicato Nacional dos Cegonheiros  (Sinaceg). O advogado destacou:

“É um caso emblemático porque ANTV e Sinaceg agem de forma cartelizada em âmbito nacional envolvendo o transporte de veículos da expressiva maioria das montadoras. Na cidade de São Bernardo do Campo isso fica muito evidente. Inclusive o conluio.”

Cópia da execução
Em dezembro do ano passado, o procurador da República Zwicker solicitou oficialmente à Justiça Federal de Pernambuco a cópia da íntegra de todos os documentos ajuizados naquela seção judiciária. Também em 2018, o órgão ministerial recebeu uma série de documentos, reportagens e materiais solicitando a adoção de medida semelhante à ajuizada em Pernambuco, com extensão para todas as montadoras instaladas no estado de São Paulo que utilizam o mesmo sistema cartelizante para escoamento da produção.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "MPF prepara-se para pedir extensão de execução de liminar e de sentença proferida contra GM para outras cinco montadoras sediadas em São Paulo"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    O ÚNICO COMENTÁRIO PLAUSÍVEL PARA ESTES PONTOS SÃO: APROVADÍSSIMO!
    A JUSTIÇA PODE ATÉ TARDAR, MAS JAMAIS FALHARÁ!
    EU CREIO!!!
    AVANTE BRASIL!
    SALVE A LIVRE CONCORRÊNCIA!

Os comentários estão encerrados