MP investiga empresa por aplicar golpes em idosos que buscavam revisão de pensão e de empréstimos consignados

Os crimes apurados pelo Ministério Público do Rio Grande do Sul são uso de documento falso, falsidade ideológica, estelionato e associação criminosa.

Do Rio Grande do Sul

O Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS) deflagrou nessa terça-feira (25) a Operação Sucumbência. Foram cumpridos, com o apoio da Brigada Militar, cinco mandados de busca e apreensão contra uma empresa investigada por aplicar golpes em idosos que buscam revisão da aposentadoria ou de empréstimos consignados. As diligências ocorrerem em quatro cidades do Estado.

Apesar de serem valores baixos, o montante apurado, parcialmente, é milionário. Uma ação de revisão de juros com ganho de causa de uma vítima apenas é de R$ 2 mil ou R$ 3 mil de honorários. Segundo o MPRS, o esquema pode somar até até dez mil ações e alcançar valores vultosos. Apenas um banco, até o ano de 2022, contabilizou mais de 700 casos com valor que supera R$ 1 milhão.

Os alvos, em São Leopoldo, são a casa de um dos sócios e a sede da empresa de consultoria previdenciária, especializada em perícias e auditorias em benefícios do INSS, além de filiais da mesma empresa em Porto Alegre, Caxias do Sul e Passo Fundo. Os crimes apurados são uso de documento falso, falsidade ideológica, estelionato e associação criminosa.

A operação e a investigação foram coordenadas pelo promotor de Justiça Mauro Rockenbach, da 9ª Promotoria de Justiça Especializada Criminal de Porto Alegre. Segundo ele, a apuração continua e, por isso, todo o material apreendido será analisado e usado como provas contra a empresa e para identificar mais envolvidos nos golpes. Também participaram da ação os promotores de Justiça Alcindo Luz Bastos da Silva Filho, Manoel Antunes e Diego Pessi.

Os golpistas abordavam as vítimas por meio de entrega de panfletos por parte de funcionários da empresa. Em alguns casos, quando os suspeitos já tinham algum contato com as vítimas, faziam ligações via WhatsApp. O objetivo era sempre o mesmo: revisão da aposentadoria ou de empréstimos consignados.

Depois disso, era marcada uma reunião na sede – ou nas filiais – da consultora com falsos representantes do INSS, geralmente funcionários da empresa que se passavam por peritos para convencer a vítima a fornecer a senha de acesso ao banco de dados de Previdência. De posse destes dados, os investigados cobravam do idoso um valor referente aos honorários do serviço para ingresso de ações judiciais revisionais de aposentadoria. A empresa, muitas vezes, não ingressava com as ações de revisão, ficando com o valor cobrado do idoso.

Em outros casos, o promotor Mauro Rockenbach alerta:

“A consultora, ainda que não tenha realizado a revisão da aposentadoria, utiliza a senha do INSS da vítima, que foi fornecida por ela mesmo, e verifica se há algum empréstimo consignado. Caso se confirme a existência deste tipo de financiamento, os golpistas ingressam com ações judiciais contra instituições financeiras e usam documentos falsos de comprovante de residência para que o idoso não desconfie de nada.”

De acordo com o MPRS, a ação não discute valores a serem restituídos, mas sim ajustes de juros aplicados pela ré (instituições financeiras). Se a consultora obtém ganho de causa na Justiça, recebe os valores da chamada sucumbência (princípio pelo qual a parte perdedora no processo é obrigada a arcar com os honorários do advogado da parte vencedora). Esse valor fica apenas com os criminosos, sem o conhecimento do idoso.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "MP investiga empresa por aplicar golpes em idosos que buscavam revisão de pensão e de empréstimos consignados"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    QUE PAÍS É ESSE, ONDE BANDIDOS SEMPRE ATUAM DE MÃOS DADAS, PARA ASSIM ROUBAREM A NOSSA NAÇÃO BRASILEIRA, PRINCIPALMENTE OS CIDADÃOS DE BEM, QUE SEMPRE TRABALHARAM EM TODA SUA EXISTÊNCIA, PARA SE APOSENTAREM COM TOTAL DIGNIDADE JUDICIAL!
    LUGAR DE CORRUPTOS E BANDIDOS É ATRÁS DAS GRADES, NÃO É MESMO?
    SALVEM A NOSSA PÁTRIA AMADA BRASIL, SRS. DESEMBARGADORES E JUÍZES QUE ATUAM NESSAS PAUTAS!

Os comentários estão encerrados