Multa aplicada a condenados por formação de cartel é 4,2 mil vezes menor do que o faturamento de empresas agregadas ao esquema

Nos últimos 12 anos, a associação criminosa que controla o transporte de veículos novos (segundo a Polícia Federal) repassou às empresas e microempresas agregadas ao esquema mais de R$ 1,9 bilhão pelos serviços prestados apenas à uma única planta da General Motors do Brasil (GMB), a de Gravataí, no Rio Grande do Sul. O montante é 4,2 mil vezes superior ao total das multas aplicadas a três réus condenados em ação penal por formação de cartel na contratação de pessoas jurídicas para escoar os automóveis produzidos pela mesma unidade da montadora. O valor efetivamente pago às transportadoras (aquelas que contratam os agregados) não é revelado.

Os R$ 1,9 bilhão destinados aos cegonheiros do cartel referem-se a 255 mil carregamentos (85% do total) realizados desde 2005, entre Gravataí e São Bernardo do Campo (SP) e outras localidades. Só para o estado paulista, esse percurso de 1.100 quilômetros percorrido por cada caminhão-cegonha rende às empresas agregadas, conforme tabela de preço imposta pelo cartel, R$ 7,5 mil por viagem. Da inauguração até 2005, as empresas acusadas de formação de cartel eram responsáveis por 100% do transporte.

Justiça Federal retirou 45 mil viagens do cartel
Fora do cartel, o valor repassado aos carreteiros cai R$ 1,8 mil ou 25,2%. Em 2005, uma medida liminar, mantida na sentença de 2016,  obrigou a GMB a contratar operadoras não vinculadas ao esquema comandado pela Associação Nacional dos Transportadores de Veículos (ANTV) e pelo Sindicato dos Cegonheiros de São Paulo (Sinaceg, ex-Sindicam). Por conta disso, a Transportadora Júlio Simões, com sede em Mogi das Cruzes (SP), conquistou o direito de carregar, inicialmente, 10% da produção da montadora norte-americana instalada em solo gaúcho, além de 1% nas demais plantas. Posteriormente, o percentual passou para 15%.

Em pouco mais de uma década, a Júlio Simões carregou 45 mil caminhões-cegonha entre Gravataí e São Bernardo do Campo. A economia para a montadora com o pagamento a terceirizados chegou a R$ 85 milhões. Infelizmente, a vantagem nunca chegou ao bolso dos consumidores, transformando-se em lucro extra à montadora. Sabe-se também que a Júlio Simões não carrega os veículos até a rede de concessionárias da GMB. Esse trecho é exclusivo do cartel, o que onera ainda mais o serviço.

Prejuízo de R$ 7,7 bilhões aos consumidores
Vale lembrar ainda que, segundo o Ministério Público Federal (MPF) apontou em Ação Civil Pública, o prejuízo causado pelo cartel aos consumidores chegou aos R$ 7,7 bilhões em 17 anos. O cálculo é considerado conservador, mas mostra o tamanho das cifras envolvidas nesse mercado bilionário. O prejuízo considera apenas o sobrepreço do valor dos fretes praticados pelo cartel.

Sensação de impunidade
A sentença de 35 páginas responsável pela condenação de Aliberto Alves (ex-presidente do Sindicato dos Cegonheiros de São Paulo, o Sinaceg), Paulo Roberto Guedes (ex-presidente da Associação Nacional das Empresas Transportadoras de Veículos, a ANTV) e Luiz Moan Yabiku Júnior, ex-diretor para Assuntos Institucionais da General Motors do Brasil, em ação penal, reforça a sensação de impunidade pelos crimes cometidos. O valor das multas, diante dos danos causados, faz parecer que o crime compensa.

O que a juíza federal Eloy Bernst Justo escreveu a respeito da prática dos três condenados que agora foram beneficiados com a suspensão do processo:

Sobre Aliberto Alves:

“Provocou graves lesões à livre concorrência, à liberdade de iniciativa, à economia nacional e à defesa do consumidor.”

“Certamente foi levado à trilha criminosa para angariar benefícios pessoais e expressiva vantagem financeira.”

“A atuação do réu produziu efeitos econômicos negativos no mercado e causou consideráveis prejuízos aos consumidores, que acabaram sendo gravosamente onerados com os preços estabelecidos no transporte de veículos, e às transportadoras que ficaram excluídas do mercado.”

Sobre Paulo Roberto Alves:

“Provocou graves lesões à liberdade de iniciativa, à livre concorrência, à economia nacional e à defesa do consumidor, agregando esforços para manter o controle do mercado e a rede de distribuição do transporte de veículos em detrimento da concorrência.”

Sobre Luiz Moan:

“Aderiu ao acordo de empresas para, em abuso ao poder econômico, exercer domínio sobre o mercado de transporte de veículos novos, eliminando a concorrência.”

Na sentença, a magistrada mencionou 13 vezes ataques à livre concorrência ou à livre iniciativa.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Multa aplicada a condenados por formação de cartel é 4,2 mil vezes menor do que o faturamento de empresas agregadas ao esquema"

  1. Luiz Carlos F. Bezerra disse:

    PREZADOS LEITORES: NÃO É NECESSÁRIO ACRESCENTAR MAIS NADA, AO RELATO ACIMA EXPLICITADO!
    BASTA LEREM O TEXTO INTEGRALMENTE!
    QUE O MPF CONSIGA REALMENTE EXTERMINAR ESTE CARTEL, FAZENDO-OS A PAGAR AS MULTAS COMPATÍVEIS COM SEUS LUCROS ABUSIVOS, GANHOS AO LONGO DE SUA EXISTÊNCIA!

Os comentários estão encerrados