Nissan/Renault dizem ao MP do Rio de Janeiro que temem ações violentas, mas no Cade apresentam outra versão

A Nissan do Brasil Automóveis (grupo econômico da Renault) revelou ao Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) que o mercado de transporte de veículos novos no Brasil é “extremamente fechado e organizado”. Por conta disso, a montadora “não costuma realizar a contratação de outros fornecedores” fora das empresas que constituem o chamado cartel dos cegonheiros. A declaração, assinada em junho deste ano pelo advogado Douglas Lemelle, mostra que a  linha que separa medo e conivência, envolvendo a relação entre montadoras de veículos e o cartel dos cegonheiros (comandado por grandes transportadoras e sindicatos patronais da categoria) é comprovadamente tênue. A posição encaminhada ao MPRJ contraria à apresentada no ano passado ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), no inquérito administrativo que também apura prática de infrações à ordem econômica no setor de escoamento da produção das montadoras instaladas no país.

No documento enviado ao MPRJ, cujo conteúdo o site Livre Concorrência teve acesso com exclusividade, a Nissan receia que uma possível troca de transportadora possa deflagrar prejuízos às cargas e aos trabalhadores da marca. Lemelle explicou o que impede a abertura do mercado:

“Retaliação por parte dos atuais transportadores, uma greve com retenção de carga da empresa. No mais, também existe a possibilidade de incorrer em riscos de segurança com relação aos produtos e pessoas que trabalham na Nissan.”

Exatamente como ocorreu na Caoa-Chery, em 2018, e na importadora Kia, três anos atrás.  A duras penas, as duas enfrentaram a associação criminosa que controla o setor e trocaram os fornecedores. Em 2017, a Volkswagen cedeu ao cartel e desistiu de novas contratações. Na Renault (PR), em 2013, fato idêntico já havia sido registrado.

As explicações dadas pela Nissan ao MP carioca já chegaram ao Cade e foram anexadas ao inquérito administrativo por ordem da Superintendência-Geral do órgão antitruste.

Contratos verbais com transportadoras
O material contém outras revelações. Das quatro transportadoras encarregadas de escoar a produção, a Nissan afirma ter contrato firmado apenas com a Brazul (grupo Sada), que se encerra em 1º de janeiro de 2021. Com as outras três (
Transmoreno, Transauto e Tegma) o representante da montadora esclarece: 

“Os contratos são verbais e não possuem prazo determinado.”

Vale lembrar que a Tegma, junto com empresas do grupo Sada, foi um dos alvos da Operação Pacto, recentemente deflagrada pela Polícia Federal, Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco – órgão do Ministério Público de São Paulo) e Cade. Os mandados de busca e apreensão foram executados em 17 de outubro. A ação, baseada em mais de um ano de investigação, visa a combater os crimes contra a ordem econômica praticados pelo cartel dos cegonheiros.

Versão diferente ao Cade
Em documento datado de 28 de setembro de 2018 e endereçado ao Cade, os advogados José Del Chiaro e Maria Rodrigues Oliveira apresentam versão exatamente inversa ao que foi apresentado no MP do Rio de Janeiro pela mesma montadora, a Nissan. Ao órgão antitruste, a montadora diz que o transporte adequado é atividade essencial para que a Nissan tenha êxito em suas vendas. Nesse sentido – prossegue o relato – o transporte deve garantir segurança (para que as cargas não sejam roubadas), a qualidade dos produtos (evitando avarias) e o prazo de entrega.

Com elogios às atuais transportadoras, é explicado no texto que “dentro do escopo da aliança global entre a Nissan e a Renault, para alcançar ganhos de escala e consequente economia de custos”, as duas montadoras passaram a contratar o operador de logística CatLog, cujo um dos sócios é a Tegma Gestão Logística.

Bem diferente da petição ao MPRJ, a Nissan assegura, no Cade,  ter contrato de três anos de duração com as atuais transportadoras, os quais terminariam em 2018. Afirma que a complexidade e a importância dos serviços levaram montadoras (Nissan e Renault) a optar pelo critério abaixo:

“Contratar empresas de grande porte, com alto grau de especialização e que atendam seus rígidos requisitos logísticos. Não existem muitas transportadoras dotadas dessas características no mercado brasileiro.”

Procurada pelo site Livre Concorrência, a Assessoria de Imprensa da Nissan não respondeu à correspondência eletrônica (e-mail) nem sequer atendeu as ligações telefônicas.

 

 

 

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

3 comentários sobre "Nissan/Renault dizem ao MP do Rio de Janeiro que temem ações violentas, mas no Cade apresentam outra versão"

  1. jose baia de oliveira disse:

    Lógico que não existe tendo a ineficiência das autoridade e das leis que só valem para pobre neste pais principalmente quando se fala em STF.

    1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

      LUIZ CARLOS BEZERRA em 5 de dezembro de 2019 em 10:33
      CONCORDO PLENAMENTE COM O SR. JOSÉ BAIA, CONTUDO, ACREDITO NA LEGITIMIDADE DO NOVO GOVERNO FEDERAL, QUE ATUA NESTAS INVESTIGAÇÕES, ONDE CERTAMENTE EXTERMINARÃO DEFINITIVAMENTE ESTE CARTEL MALÍGNO DE NOSSO PAÍS, COM AS CONDENAÇÕES DE SEUS DIRIGENTES!
      ATÉ AS MONTADORAS TAMBÉM SERÃO PUNIDAS, NA FORMA DAS LEI!
      ESTE PORTAL BRILHANTE JÁ ELUCIDOU TODAS AS MATÉRIAS DE FORMA CLARA E VERDADEIRA!
      VAMOS AGUARDAR AGORA OS DESFECHOS FINAIS.
      “BRASIL ACIMA DE TUDO. DEUS ACIMA DE TODOS!”

  2. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    TUDO ISSO É FATO COMPROVADO E DEVIDAMENTE INVESTIGADO PELO MP E PF. ESTA MONTADORA OPERA SIM COM O CARTEL, SUPERFATURANDO OS VALORES DOS FRETES E DEPOIS REPASSAM EM FORMA DE ÁGIO PARA OS CONSUMIDORES FINAIS, AS DIFERENÇAS COBRADAS, DE FORMA QUE NÃO TENHAM E NUNCA TIVERAM PREJUÍZOS FINANCEIROS, ENRIQUECENDO ASSIM AS EMPRESAS TRANSPORTADORAS LIGADAS AO CARTEL. DA MESMA FORMA QUE AGEM AS DEMAIS MONTADORAS EXISTENTES EM NOSSO PAÍS, QUE AGORA ESTARIAM SENDO INVESTIGADAS NA ORIGEM (OPERAÇÃO PACTO)!
    ESTES ABSURDOS DEVEM SER DEVIDAMENTE PUNIDOS E PENALIZADOS. DOA A QUEM DOER!
    TODO CARTEL EXISTENTE NO BRASIL DEVE SER ELIMINADO, IMEDIATAMENTE!
    COMPROVADA ESTA FARSA, OS DIRIGENTES DESSA MONTADORA DEVEM SER SERIAMENTE PUNIDOS!

Os comentários estão encerrados