Para superintendente-geral do Cade, penas por formação de cartel precisam inibir a prática de ilícitos

O combate aos cartéis, por meio de acordos de leniência, tem uma regra de ouro: quem colabora com o fim dos ilícitos que ameaçam a livre concorrência não pode estar em situação pior do que quem não colaborou. O princípio que não pode ser descumprido foi mencionado pelo superintendente-geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Alexandre Cordeiro Macedo (foto de abertura), em seminário que discutiu os danos causados por cartéis no Brasil e nos Estados Unidos.

Publicidade: confira aqui o conteúdo do site Debate Jurídico

Promovido pelo Instituto para Reforma das Relações entre Estado e Empresa (Iree), em parceria com o site Consultor Jurídico, o evento reuniu autoridades e especialistas em concorrência. Apesar de ter sido realizado em maio, por videoconferência, o site Livre Concorrência considera pertinente recuperar o assunto.

O superintendente-geral do Cade acrescentou:

“A pena tem que desincentivar que os ilícitos sejam cometidos. Além disso, é necessária uma estrutura que incentive a reparação do dano, mas sem desincentivar os acordos de leniência.”

Papéis complementares
Benjamin Sirota, ex-procurador da Divisão de Antitruste do Departamento de Justiça dos EUA, afirmou que o papel da administração pública e do litigante privado são complementares. A empresa envolvida no cartel que opta por um acordo não coopera apenas com o governo, mas também com as partes privadas prejudicadas. Segundo ele, quem foi lesado pelos ilícitos também deve ter acesso a documentos e testemunhos juntados durante a investigação.

Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Para superintendente-geral do Cade, penas por formação de cartel precisam inibir a prática de ilícitos"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    AMIGOS LEITORES DESSE PORTAL BRILHANTE, QUE HÁ ANOS VEM LUTANDO PRATICAMENTE SOZINHO PARA DESTRUIR OS CARTÉIS EXISTENTES EM NOSSO PAÍS. É CHEGADA A HORA DE SE ELUCIDAR DEFINITIVAMENTE A LENIÊNCIA ACIMA CITADA, PUNINDO DE FORMA FINITA A EXISTÊNCIA DESSES CRIMES HEDIONDOS!
    QUE AS LEIS SEJAM SUMARIAMENTE CUMPRIDAS E QUE OS RÉUS SEJAM PROIBIDOS DE ATUAR COM SUAS EMPRESAS, COM A EXTERMINAÇÃO DOS SEUS ALVARÁS DE FUNCIONAMENTOS, DE FORMA IMEDIATA!
    COMO SE DIZ NA GÍRIA: “A JUSTIÇA TARDA MAS NÃO FALHA”!
    PRA FRENTE BRASIL!

Os comentários estão encerrados