Prazo para votar BR do Mar em regime de urgência acaba nesta sexta-feira (23)

Estímulo à navegação de cabotagem deve gerar reação de alguns setores, sobretudo do cartel que controla o transporte de veículos novos no país. Eles já empastelaram tentativa anterior de fortalecer a navegação interna.

O pedido de urgência constitucional requerido pela União para deliberar sobre o projeto apelidado de BR do Mar (PL 4.199 de 2020) expira nesta sexta-feira (23). A matéria aguarda para ser votada no Senado desde dezembro de 2020.

Navegação de cabotagem é o transporte aquaviário feito entre portos do mesmo país. Entre as principais mudanças efetivadas pelo projeto está a liberação progressiva do uso de navios estrangeiros para esse tipo de transporte, sem a necessidade de contratar a construção de embarcações em estaleiros brasileiros. O líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), afirma que o projeto reduzirá o chamado “custo Brasil”.

A proposta já foi aprovada na Câmara dos Deputados em dezembro de 2020. Com o projeto que institui o Programa de Estímulo ao Transporte por Cabotagem, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, garante que o perfil dos fretes no país vai mudar:

“O frete de longa distância, que antes era feito por caminhão, cruzando o Brasil inteiro, vai começar a ser feito por cabotagem, e o frete rodoviário passa a ser de curta. O perfil do frete rodoviário vai mudar, o que é bom. No frete de curta distância é onde o caminhoneiro ganha mais, a renda é maior, onde ele desgasta menos o equipamento. Essa mudança de comportamento de logística está agradando a todos, inclusive o caminhoneiro.”

Infelizmente o transporte no país está concentrado nas mãos de poucas empresas e de sindicatos patronais. O estímulo à navegação de cabotagem deflagrará reação desses agentes, sobretudo do cartel dos cegonheiros.

Vale lembrar que em 1997, a reação desse cartel contra determinação da Fiat de transportar para o Nordeste 800 veículos por semana em navios provocou uma greve nacional dos donos de caminhões-cegonha.

Corporação do atraso
Na ocasião, o jornalista Luiz Nassif, da Folha de São Paulo, escreveu:

“Os cegonheiros comportam-se como corporação típica que, estando frente a mudanças inevitáveis, tentam conservar a ferro e fogo o antigo status quo. Melhor fariam entendendo, se adaptando e defendendo o direito deles dentro das regras dos novos tempos.”

Nassif foi além. Ele contou como os cegonheiros reagiram contra a novidade que permitiria ao consumidor nordestino pagar menos por veículos novos:

“A reação dos donos de caminhão foi um locaute nacional. Não queriam nem aumento de frete, mas apenas impedir a ampliação da cabotagem. Com a pressão, conseguiram que a Volskwagen, Ford e General Motors reduzissem o transporte de cabotagem para 400 veículos semanais.”

O recuo, por parte das montadoras, foi descrito assim pelo colunista:

“É um enorme retrocesso em termos de direitos dos consumidores, de combate às corporações e redução do custo Brasil.”

Ele concluiu:

“Para as montadoras, tudo bem, porque quem paga é o cliente. Cegonheiro é o transportador de automóveis, que serve à indústria automobilística. Quem paga o frete é o consumidor final.”

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Prazo para votar BR do Mar em regime de urgência acaba nesta sexta-feira (23)"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    MAIS UMA VEZ, PARABENIZO A ESSE PORTAL, POR ESSA MATÉRIA BOMBÁSTICA, ONDE CITO MINHA OPINIÃO SOBRE O ASSUNTO.
    ESSES TRANSPORTES DE CABOTAGENS, PARA O ESCOAMENTO DAS PRODUÇÃO DAS MONTADORAS EXISTENTES EM NOSSO PAÍS, DE LONGAS DISTÂNCIAS, CERTAMENTE MINIMIZARIAM OS CUSTOS OPERACIONAIS DOS FRETES EM QUESTÃO, PARA AS RESPECTIVAS FÁBRICAS E, CERTAMENTE MINIMIZARIAM TAMBÉM OS CUSTOS FINAIS DOS PRODUTOS ORA PRODUZIDOS, POIS NÃO HAVERIA ACRÉSTIMO EM SEUS VALORES, COMO FORMA DE ÁGIOS, QUE OCORREM ATÉ OS DIAS DE HOJE, RELATIVOS AOS DESRESPEITOS À LEI DA LIVRE CONCORRÊNCIA, QUE É CONSTITUCIONAL, E AS TRANSPORTADORAS DO CARTEL DOS CEGONHEIROS, ENRIQUECERAM AO LONGO DE TANTOS ANOS.
    DEVIDO A QUANTIDADE DE VEÍCULOS NOVOS QUE UM NAVIO TRANSPORTA, E ATÉ MESMO OS PRAZOS DE ENTREGAS AOS DESTINOS FINAIS, PODERIAM SER MAIS CURTOS.
    CONCORDAM COMIGO?
    TODAS AS MONTADORAS SAIRIAM NO LUCRO, BEM COMO OS VALORES FINAIS DOS VEÍCULOS ORA PRODUZIDOS, PODERIAM SER REDUZIDOS, NÃO É MESMO?
    ATÉ OS LUCROS DAS CARRETAS CEGONHAS, SERIAM MENORES, POIS NÃO FARIAM MAIS VIAGENS LONGAS.
    O CARTEL DOS CEGONHEIROS TERIA DE SER DEVIDAMENTE EXTINTO, POIS ELE SEMPRE IMPEDIU QUE AS DEMAIS TRANSPORTADORAS PUDESSEM TRABALHAR E, MUITAS TIVERAM QUE FECHAR SUAS PORTAS, ALÉM DE TEREM SEUS EQUIPAMENTOS INCENDIADOS DE FORMA CRIMINOSA , ONDE NUNCA PAGARAM POR ISSO! QUE PAÍS É ESSE?
    AS MONTADORAS SÃO DE NACIONALIDADE ESTRANGEIRA E, SENDO ASSIM, DEVERIAM RESPEITAR AS LEIS CONSTITUCIONAIS DE NOSSO PAÍS, BENEFICIANDO ASSIM O POVO BRASILEIRO (O CONSUMIDOR).
    A FIAT, POR EXEMPLO, É ITALIANA E, O LÍDER MAIOR DESSA FACÇÃO CRIMINOSA (CARTEL DOS CEGONHEIROS), TAMBÉM É ITALIANO, ONDE HÀ VÁRIOS ANOS, TAMBÉM EXERCE A FUNÇÃO POLÍTICA DE PREFEITO DE UM MUNICÍPIO MINEIRO. UM VERDADEIRO ABSURDO.
    ATÉ TENTOU POSSUIR O FAMOSO “FORO PRIVILEGIADO”, MAS FOI NEGADO PELO STF, POR NÃO SER UM FATO LÍCITO, PERANTE AS LEIS, MAS NADA MUDOU ATÉ OS DIAS DE HOJE. O CARTEL COM SEUS SINDICATOS PATRONAIS (QUE POSSUEM VÁRIAS VAGAS NO MESMO), SEMPRE DOMINARAM OS CITADOS TRANSPORTES TERRESTRES. ATÉ O SINDICATO (BRAÇO FORTE DO SISTEMA),SE DENOMINA COMO “NACIONAL” QUE É INCONSTITUCIONAL!
    CABOTAGEM PARA LONGA DISTÂNCIA SIM! ESSA É A QUESTÃO!
    PRA FRENTE BRASIL!

Os comentários estão encerrados