Presidente de sindicato controlado pelo Sinaceg protocola oitava queixa-crime contra editor do site Livre Concorrência

Matéria modificada em 9 de fevereiro de 2022
Retratação: Vittorio Medioli não foi indiciado no inquérito policial 277/2010

Empresário de São Bernardo do Campo, município localizado no estado de São Paulo, protocolou a oitava queixa-crime contra o jornalista Ivens Carús – editor do site Livre Concorrência. Jardel de Castro já acumula duas queixas-crimes contra o site. Na primeira, reclama que teve honra e dignidade feridas em conversa reservada com o jornalista através do aplicativo WhatApp. Desta vez, pede a condenação do editor pela prática do crime de calúnia e difamação. Alega que o site o confundiu com outro manifestante e imputou-lhe responsabilidades criminosas sem apresentar provas.

As reportagens em questão referem-se ao vandalismo praticado contra caminhões e funcionários da Transportadora Gabardo em outubro e novembro de 2018. O quebra-quebra registrado à época, inclusive com incêndios de caminhões-cegonha, ocorreu após a empresa gaúcha vencer a cotação de preços e assumir o transporte de veículos novos da montadora Caoa-Chery, instalada no município de Jacareí, no interior de São Paulo. Antes os fretes dos carros da marca chinesa eram realizados pelas empresas Brazul (grupo Sada) e inexplicavelmente também pela Tegma.

Juiz constatou vandalismo, violência e prática de crimes
O vandalismo foi constatado pelo juiz Maurício Brisque Neiva, titular da 2ª Vara Cível da comarca de Jacareí (SP). Em 6 de novembro, o magistrado chegou a determinar o uso de força policial, acompanhada de quatro oficiais de Justiça, para liberar a área próxima à montadora, cercada desde 8 de outubro por representantes de transportadoras e sindicados patronais vinculados ao cartel dos cegonheiros.

Para o magistrado, ficou comprovado nos autos a ocorrência de graves fatos noticiados, demonstrados com documentos e reportagens, inclusive do site Livre concorrência. Ele escreveu:

“Não foram respeitadas (decisões anteriores da Justiça) e que os atos de esbulho e turbação de posse já se converteram em vandalismo, violência e prática de crimes.”

Sinaceg coordenou os manifestantes
Condenado pela Justiça Federal do Rio Grande do Sul por participação no cartel, o Sindicato Nacional dos Cegonheiros (Sinaceg) organizou a mobilização dos cegonheiros-empresários contra a decisão da montadora de contratar operadora fora do esquema que controla o setor. Também premiou os manifestantes que cercaram a fábrica com 10 posições na fila de fretes de veículos novos de outras montadoras.

Os benefícios foram ofertados pelas chamadas comissões de carreteiros, controladas por diretores do Sinaceg.

Site errou e publicou retratação
Na matéria intitulada “Justiça Manda afastar das proximidades da Chery vândalos a serviço do cartel”, o site Livre Concorrência errou ao escrever que ação de Jardel fora registrada em vídeo. O texto foi publicado na madrugada de 7 de novembro, às 0h14. Às 10h22 do mesmo dia, ao tomar conhecimento do erro, o site corrigiu a informação, por meio de errata, comportamento clássico no jornalismo sério e ético, comprometido com a veracidade dos fatos. Eis a nota:

“Com referência à matéria intitulada “Justiça manda afastar das proximidades da Chery vândalos a serviço do cartel. Quem não sair deverá ser preso em flagrante”, o site Livre Concorrência esclarece que a pessoa filmada no vídeo divulgado não é o presidente do Sindicato dos Cegonheiros do Rio de Janeiro, Jardel de Castro, conforme foi publicado nessa quarta-feira (7). Trata-se de outra pessoa, embora o líder sindical tivesse participação ativa no movimento em 31 de outubro, quando o vídeo foi gravado.”

Um link da errata foi acrescentado à matéria com a informação equivocada. Por orientação do editor, o texto original foi mantido na íntegra, ao lado da correção.

Advogado de sindicato condenado por formação de cartel assina as queixas
Nas duas queixas-crime, Jardel utiliza os serviços do advogado Philip Antonioli – que também presta assessoria jurídica ao Sinaceg. A entidade paulista que se autointitula “nacional” já conta com uma condenação por formação de cartel no setor de transporte de veículos novos. Procuradores da República também buscam na Justiça o fim do Sinaceg, por conta de atividades ilícitas contrárias à ordem econômica. A entidade é considerada o braço político e sindical da organização criminosa que controla, inclusive com o uso de violência, o transporte de veículos novos no país, segundo investigação da Polícia Federal.

O advogado Philip Antonioli também defende o Sinaceg em outro procedimento movido contra o site. No início deste ano, o presidente do Sinaceg, Jaime Ferreira dos Santos, recorreu ao Ministério Público Federal para contestar reportagens referentes à venda ilegal de vagas para transportar veículos novos fabricados pela General Motors e Volkswagen.

Em uma das oitivas, Antonioli compareceu acompanhado pelo advogado André Marques, representante da Sada. O dono do grupo Sada é Vittorio Medioli – empresário e político de Minas Gerais apontado pela Polícia Federal de chefiar a organização criminosa conhecida como cartel dos cegonheiros.

Vittorio Medioli
Ao todo, Medioli e o grupo Sada movem outras oito ações contra o site: seis queixas-crimes e duas indenizatórias. Até agora, os Ministérios Públicos do Rio Grande do Sul e de Minas Gerais manifestaram-se pela rejeição de todas as queixas-crimes.

Autor das ações mora no estado de São Paulo e é dono de empresa paulista, mas preside sindicato patronal dos cegonheiros do Rio de Janeiro
Dono de uma transportadora paulista, com residência fixa na própria cidade onde exerce a função de empresário, Jardel de Castro preside o Sindicato das Empresas e Autônomos de Transporte Rodoviário de Veículos do Estado do Rio de Janeiro (Sintrav-RJ). O vice-presidente dessa entidade também acionou o site. Robson Pasqualini alegou não conseguir trabalho por achar que as matérias aqui publicadas desqualificam a categoria dos cegonheiros. Pediu R$ 25 mil de indenização. A juíza Priscila Dickie Oddo considerou os argumentos de Pasqualini “fragilíisimos” e sentenciou a demanda como “improcedente”.

Vale ressaltar aqui que o Sintrav-RJ integra a cadeia de sindicatos regionais controlados pelo Sinaceg. Cegonheiros do sindicato do Espírito Santo também participaram da manifestação em Jacareí.

Por último, é importante destacar que a enxurrada de ações contra o site faz parte de iniciativa orquestrada pelo comando do cartel dos cegonheiros. A ordem de perseguir os que ousam denunciar os crimes praticados no setor foi aprovada em reunião realizada pelo Sinaceg em 22 de novembro do ano passado. A determinação vem sendo cumprida à risca por entidades obscuras, sites apócrifos, sindicatos e cegonheiros subordinados ao esquema que em 2018 causou prejuízo R$ 1,8 bilhão às montadoras. A cifra foi integralmente repassada aos consumidores e que há anos se perpetua.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Presidente de sindicato controlado pelo Sinaceg protocola oitava queixa-crime contra editor do site Livre Concorrência"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    É lamentável o quanto este Cartel consegue burlar as decisões do MPF e demais órgãos Jurídicos, para continuarem atuando em nosso País!
    SE FOSSEM TRANSPORTADORAS DE PEQUENOS PORTES, CERTAMENTE JÁ TERIAM SIDO FECHADAS HÁ MUITO TEMPO!
    AGORA TENTAM DESTRUIR ESTE PORTAL, COMO SE O REDATOR FOSSE CRIMINOSO. FATO ESSE JÁ COMPROVADO EM INVESTIGAÇÕES EMANADAS PELA PF, QUE OS CRIMINOSOS SERIAM OS DIRIGENTES DAS EMPRESAS COLIGADAS AO CITADO CARTEL!
    ATÉ ONDE ISSO VAI PARAR?

Os comentários estão encerrados