Quinto Andar do Rio de Janeiro pode ser proibida de cobrar taxas consideradas abusivas

Ação Civil Pública foi ajuizada pelo Ministério Público carioca, que considera como abusiva a cobrança de duas taxas de consumidores, proprietário e inquilino, no caso de locação de imóveis. Há, segundo a ação, afronta à boa fé objetiva.  

Do Rio de Janeiro

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) ajuizou na semana passada ação civil pública consumerista contra a Quinto Andar Serviços Imobiliários, para que a empresa deixe de cobrar dos locatários as chamadas “taxa de serviço” e “taxa de reserva”. O processo é chancelado pela 1ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Defesa do Consumidor e Contribuinte.

A promotoria demonstra na ação que os custos da “taxa de serviço” e “taxa de reserva” não poderiam ser impostos aos locatários, pois constituem encargos tidos como a intermediação e administração imobiliária, os quais são de responsabilidade do locador, conforme previsto no artigo 22 da lei nº 8245/91. No caso da Quinto Andar, entretanto, segundo o MP, o proprietário paga um valor pela intermediação da locação, e o inquilino fica responsável pelo pagamento mensal da taxa de serviço.

De acordo com o MP carioca, a empresa justificou o encargo como sendo uma remuneração pelo locatário, apesar de já ser remunerada pelo locador. O argumento são os gastos com manutenção da plataforma e dos serviços oferecidos. Mas, de acordo com a ação, as atividades que o réu alega serem remuneradas pela “taxa” são inerentes à opção da empresa pelo tipo de negócio explorado.

Trecho da ação destaca:

“Empresas que fornecem produtos e serviços não cobram a mais de consumidores para disponibilizar SAC, plataformas de pagamento e confecção de contratos, já que são custos ínsitos à atividade desenvolvida, no máximo sendo contabilizados no preço final, o que, no caso, é arcado pelo locador, que contrata a intermediadora.” 

A ACP ressalta que a “taxa de reserva”, por sua vez, contraria os interesses do locador, na medida que retira visibilidade da oferta de aluguel, suspendendo a possibilidade de que outros interessados venham a ter conhecimento do imóvel. A referida taxa é paga por um interessado para que determinado imóvel não seja alugado por outra pessoa por um período de tempo. O texto ressalta:

“O único beneficiado pela ‘taxa de reserva’ é o próprio Quinto Andar, que aufere lucros em prejuízo dos interesses do seu consumidor contratante, em evidente afronta à boa-fé objetiva”. 

Diante das irregularidades, o MPRJ requereu que a empresa seja condenada a se abster de cobrar do locatário ou pretendente a “taxa de reserva” e a “taxa de serviço”, com aplicação de pena de multa no valor de R$ 10 mil, por cada dia de descumprimento. Pediu, ainda, que o réu seja condenado a indenizar e reparar os danos causados aos consumidores, individualmente e coletivamente.

Com informações da Assessoria de Impensa do Ministério Público do Rio de Janeiro

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen