Revelação de dados sigilosos sobre prejuízos com assaltos expõe entidade representativa

A revelação de dados considerados sigilosos, de que a Brink’s teve sinistros no valor de R$ 169 milhões entre 2015 e 2019, encaminhados ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), causou alvoroço no transporte de valores, um segmento que movimenta cerca de R$ 36 bilhões por ano. O mal-estar foi gerado a partir de uma tabela anexada a procedimento preparatório de inquérito administrativo levado pela Federação Nacional das Empresas de Transporte de Valores (Fenaval) ao órgão antitruste. A entidade saiu em defesa de empresas que controlam 80% do setor (Brink’s, Prossegur e Protege), contra outras que também buscam consolidar posição no disputado mercado, a exemplo da TecBan e TBForte.

Desde o ano passado, o Cade examina documentos com o objetivo de acalmar os ânimos nesse disputado mercado. Até agora não houve decisão de transformação do procedimento preparatório em inquérito. A autoridade antitruste não formatou entendimento sobre o caso. Mas a atitude da Fenaval, que utiliza informações prestadas por empresas que tiveram recentemente Atos de Concentração aprovados pelo Conselho, comprova o estreito relacionamento com as gigantes do setor. Estranhamente partiu também da Fenaval a representação contra as concorrentes. A entidade, que deveria desempenhar o papel de defesa dos interesses das empresas de custódia e transportadoras de valores tomou partido a favor de quem domina o mercado.

O comentarista econômico Lauro Jardim foi o responsável pela divulgação de parte do conteúdo entregue pela Fenaval ao Cade, apesar dos documentos serem de alcance público no procedimento. Ele mostra que os altos valores dos sinistros, 80% deles ocorridos nas operações em aeroportos (R$ 136 milhões), são responsáveis, inclusive, pelo acréscimo nos valores pagos a título de seguro, impactando diretamente nos valores dos serviços cobrados das contratantes. De acordo com o documento acostado aos autos do procedimento pela Fenaval, e não pela Brink’s, só em 2019, a empresa foi alvo de dois ataques em aeroportos, um em Guarulhos e outro em Viracopos.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Revelação de dados sigilosos sobre prejuízos com assaltos expõe entidade representativa"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    POIS É AMIGOS. ESTAS OPERAÇÕES SÃO MUITO PERIGOSAS, POR TRATAREM-SE DE VALORES EXPRESSIVOS, QUE VIRAM ALVOS FÁCEIS DE MILICIANOS PERIGOSOS.
    AS TRANSPORTADORAS QUALIFICADAS DEVEM ATUAR COM MUITA LISURA, VISANDO NÃO DESTRUIR ESSE MERCADO, BEM COMO GARANTIR A INTEGRIDADE FÍSICA DOS OPERADORES!
    SENDO ASSIM, OS ÓRGÃOS COMPETENTES FEDERAIS DEVEM INTERVIR COM MUITO RIGOR, SEGUINDO AS LEIS E GARANTINDO TOTAL SEGURANÇA AOS PROFISSIONAIS DO RAMO E NÃO SOMENTE AOS PRODUTOS ORA TRANSPORTADOS!

Os comentários estão encerrados