Ações de integrantes do cartel “congelam” projeto de cabotagem na GM

Desconto de 4% no frete, que teria proporcionado economia de R$ 44 milhões – R$ 22 milhões por ano – foi concedido para montadora “congelar” projeto de cabotagem por dois anos. Sindicatos patronais do RS e SP, mais uma vez, atuaram como braço político e operacional das grandes transportadoras que controlam o mercado de fretes realizado por caminhões-cegonha no país. Dessa vez trabalharam para prorrogar a adoção do sistema de cabotagem planejado pela GM para transportar veículos novos produzidos na planta de Gravataí (RS).

Em outro e-mail apreendido pela Polícia Federal na manhã de 17 de setembro de 2019 – quando foi deflagrada a Operação Pacto – Gilberto Portugal, então diretor-geral da Brazul, informa ao presidente da General Motors do Brasil à época, Santiago Chamorro – atualmente em segundo mandato -, sobre a insatisfação de sindicatos patronais com o estudo referente à implementação da cabotagem para escoar a produção da planta instalada em Gravataí (RS). O executivo (já falecido) da transportadora pertencente ao grupo Sada escreveu “infelizmente a reação não foi nada boa”, mencionando também o Sindicam (Sinaceg). Cita que representantes do Sindicato dos Cegonheiros do Rio Grande do Sul (Sintravers) se manifestaram contrários à adoção do uso de navios para transportar veículos novos. Acabou apresentando modelo que adiaria a implementação da cabotagem por mais de dois anos. Essa não é a primeira vez que sindicatos e transportadoras ligadas ao cartel dos cegonheiros sabotam a adoção desse modal no país.

Reprodução de trecho de e-mail citado na matéria. O documento foi apreendido na Operação Pacto.

No texto, encaminhado ao presidente da GMB em 21 de julho de 2014, Portugal destacou:

“A GMB convidou o Sindicato do RS/Sintravers para uma uma reunião em São Caetano do Sul, e estiveram presentes dois membros dessa entidade… Após o encontro, nos procuraram com a seguinte colocação: que estiveram com a GMB e informaram que não poderiam concordar com a cabotagem porque impactaria nos trabalhos que fazem no local e que também procuraram o Sindicam [Sinaceg] informando isso. Portanto, se houver volume para a cabotagem que seja dos agregados ao Sindicam-SPaulo.”

Reprodução de trecho de e-mail citado na matéria. O documento foi apreendido na Operação Pacto.

Por conta da posição dos cegonheiros gaúchos, Portugal acrescentou:

“Não havia mais como prorrogarmos uma conversa mais firme sobre isso e tivemos de convidar ambos os sindicatos [Sinaceg e Sintravers] para um encontro onde expusemos as ideias do que se pretende (cabotagem/volumes/data de implementação, etc.)”

A proposta não foi bem acolhida pelos donos de transportadoras vinculados às duas entidades. Portugal relata ao presidente da GMB uma alternativa construída por sindicalistas e dirigentes de transportadoras:

“Infelizmente a reação não foi nada boa e dado momento com os volumes em queda, pior ainda. Várias outras reuniões ocorreram e saiu disto uma proposta que consideramos excepcional e que vínhamos tentando há muito tempo sem sucesso. Eles concordaram com uma redução nos fretes de Gravataí (geral) em 4% e pelos nossos cálculos, isto representa uma redução anual de mais de R$ 22 milhões.”

O executivo da Brazul sugeriu:

“A proposta é por dois anos e neste período o projeto cabotagem fica congelado e retomamos o diálogo sobre o mesmo em julho de 2017.”

E concluiu:

“Me perdoe pela objetividade do e-mail, porém, insisto, fiquei preocupado de deixarmos a oportunidade passar para algo que vínhamos tentando há muito tempo sem obter sucesso. Obrigado pela atenção de sempre e fico à disposição. Estou enviando este e-mail apenas ao amigo para que me oriente como seguir com isto.”

A ideia inicial da GM era iniciar os embarques em 4 de agosto de 2014.

Reprodução de trecho de e-mail citado na matéria. O documento foi apreendido na Operação Pacto.

Corporação do atraso
Em 1997, a reação do cartel contra determinação da Fiat de transportar para o Nordeste 800 veículos por semana em navios provocou uma greve nacional dos donos de caminhões-cegonha. Na ocasião, o jornalista Luiz Nassif, da Folha de São Paulo, qualificou o grupo que não admite a livre concorrência, inclusive com outros modais, de corporação do atraso.

A novidade acabou naufragando. O cartel dos cegonheiros se mobilizou e eliminou a possibilidade de o consumidor nordestino pagar menos por veículos novos.

Nassif contou como os cegonheiros reagiram:

“A reação dos donos de caminhão foi um locaute nacional. Não queriam nem aumento de frete, mas apenas impedir a ampliação da cabotagem. Com a pressão, conseguiram que a Volskwagen, Ford e General Motors reduzissem o transporte de cabotagem para 400 veículos semanais.”

O recuo, por parte das montadoras, foi descrito assim:

“É um enorme retrocesso em termos de direitos dos consumidores, de combate às corporações e redução do custo Brasil.”

Leia mais…

– Estímulo à navegação de cabotagem deve gerar reação de cartel que controla transporte de veículos novos

Há mais de 20 anos, Folha de São Paulo considerava o cartel dos cegonheiros como corporação do atraso

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Ações de integrantes do cartel “congelam” projeto de cabotagem na GM"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    AMIGOS. AO LER TODA ESSA MATÉRIA ACIMA, CONSTATEI QUE ESSE CARTEL CRIMINOSO, NÃO PERDOA A NINGUÉM, QUE SE UTILIZE DE ARTIFÍCIOS NOBRES, PARA ASSIM DEIXAREM DE PREJUDICAR OS CONSUMIDORES FINAIS, QUE TENTAM ADQUIRIR SEUS VEÍCULOS 0 (ZERO) KM. ESSES SEMPRE FORAM OS PAGADORES DOS ÁGIOS COBRADOS PELO CARTEL, ÀS MONTADORAS, ASSIM COMO, PARA BURLAREM AS LEIS DA “LIVRE CONCORRÊNCIA”!
    NÃO PRECISAMOS MAIS COMENTAR NADA. BASTA A JUSTIÇA ATUAR E PUNIR TODOS ESSES CRIMINOSOS, BEM COMO A PRÓPRIA GM (COMO JÁ FOI FEITO NO PASSADO PRÓXIMO), BEM COMO ATUAR PARA PUNIR DEFINITIVAMENTE, TODOS OS ENVOLVIDOS NESSES CASOS!
    CHEGA DE “LERO LERO”! MANDEM PRENDER TODOS ESSES CRIMINOSOS IMEDIATAMENTE.
    CUMPRAM-SE AS LEIS!
    É O QUE AGUARDAMOS!
    “BRASIL ACIMA DE TUDO. DEUS ACIMA DE TODOS!”
    ESSE É O LEMA ATUAL DE NOSSA HISTÓRIA!
    PONTO FINAL PRA ELES!

Os comentários estão encerrados