STF reafirma proibição do uso de provas ilícitas em processos administrativos

A Suprema Corte ratifica entendimento em que considera inadmissível o uso de provas declaradas ilícitas pelo Judiciário em processos administrativos. Maioria foi formada em julgamento virtual de apelação em que o TRF-1 anulou condenação por formação de cartel imposta pelo Cade à empresa IBG Indústria Brasileira de Gases, que atua no setor de gases hospitalares e industriais. De Brasília

Solaris Energia Solar - whatsapp (51) 984326475

De Brasília

O Supremo Tribunal Federal (STF) reafirmou sua jurisprudência e julgou que são “inadmissíveis, em processos administrativos de qualquer espécie, provas consideradas ilícitas pelo Poder Judiciário”. A decisão foi tomada no Recurso Extraordinário com Agravo, que teve repercussão geral reconhecida e julgamento de mérito no Plenário Virtual. 

No caso dos autos, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) anulou a condenação por formação de cartel imposta pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) à IBG Indústria Brasileira de Gases e outras empresas que atuam no setor de gases hospitalares e industriais. A condenação baseava-se em provas emprestadas de processo criminal, resultantes de interceptações telefônicas consideradas ilícitas pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) pelo fato de terem sido originadas de denúncia anônima, sem a realização de nenhum outro ato investigativo.

 No recurso ao Supremo, o Cade alegou que a nulidade reconhecida pelo STJ “não poderia invalidar completamente todas as outras provas produzidas de forma independente no processo administrativo”. Sustentou, ainda, a validade da denúncia anônima e a possibilidade de sua utilização para lastrear a interceptação telefônica de envolvidos na prática de crimes, em especial os complexos e de difícil comprovação, como a formação de cartel. 

Acabou prevalecendo no julgamento a manifestação do ministro Gilmar Mendes, que, além de reconhecer a repercussão geral da matéria, pronunciou-se pela reafirmação da jurisprudência da Corte. O ministro lembrou que a Constituição Federal (artigo 5º, inciso LVI) prevê a “inadmissibilidade, no processo, de provas obtidas por meios ilícitos”. Ele reforçou, ainda, que o entendimento consolidado do STF é no sentido da impossibilidade de valoração e aproveitamento, em desfavor do cidadão, de provas declaradas nulas em processos judiciais. 

Mendes ressaltou:

“Não é dado a nenhuma autoridade pública valer-se de provas ilícitas em prejuízo do cidadão, seja no âmbito judicial, seja na esfera administrativa, independentemente da natureza das pretensões deduzidas pelas partes.”

Seguiram o mesmo posicionamento, negando provimento ao recurso do Cade, os ministros Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli, Nunes Marques e André Mendonça e a ministra Cármen Lúcia.  

O relator do recurso, ministro Edson Fachin, se manifestou apenas pelo reconhecimento da repercussão geral, sem qualquer antecipação de juízo de mérito, para que o Plenário decidisse a respeito da controvérsia dos autos. Acompanharam essa posição a presidente do STF, ministra Rosa Weber, e os ministros Luiz Fux, Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes. 

No julgamento, foi fixada a tese de repercussão geral:

“São inadmissíveis, em processos administrativos de qualquer espécie, provas consideradas ilícitas pelo Poder Judiciário.”

Em dezembro do ano passado, o Supremo já havia vetado, por seis votos a cinco, o uso de prova ilícita em processos administrativos.

Imagem: Michael Schwarzenberger / Pixabay

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen