STJ define início de prescrição em reparação de dano concorrencial

Por unanimidade, ministros entenderam que o prazo começa a contar a partir da decisão definitiva condenatória proferida pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

De Brasília

A 3ª turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) definiu que o termo inicial da contagem do prazo prescricional para pretensão de reparação de dano concorrencial decorrente de conduta anticompetitiva começa a contar a partir da decisão definitiva condenatória proferida pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). A conclusão, acatada por unanimidade pelo colegiado, decorre de agravo interposto em processo envolvendo empresas condenadas pelo órgão antitruste por formação de cartel no fornecimento de gases industriais. A informação foi extraída do site Migalhas.

Segundo o relator, ministro Villas Bôas Cueva, o termo inicial da contagem do prazo prescricional para as ações Follow One, como disposto nos parágrafos primeiro e segundos do artigo 46, inicia-se apenas com a ciência inequívoca do ilícito. Ele argumentou:

“A lei esclarece que a ciência inequívoca se refere à publicação da decisão definitiva do Cade reconhecendo ilícito. A partir da aplicação pontual da chamada teoria da actio nata, em seu viés subjetivo, o conhecimento da lesão ao direito subjetivo pelo respectivo titular é pressuposto indispensável ao início do prazo de prescrição.”

Segundo ele, a prescrição da pretensão de natureza reparatória de dano oriundo de infração à ordem econômica possui regulamentação na lei 12.529, que teve sua redação alterada pela lei 14.470:

“O prazo antes da alteração legislativa era da regra geral para a reparação civil extracontratual, ou seja, três anos. A nova lei ampliou o prazo para cinco anos, estabeleceu regras específicas para a sua contagem, como se vê da redação do artigo 46, a, caput, parágrafos da lei 12.529.”

O relator ressaltou que a lei de introdução às normas do Direito brasileiro, no artigo 6º, determina aplicação imediata da lei nova, respeitados o ato jurídico perfeito, direito adquirido e coisa julgada. Ele acrescentou:

“Os fatos ocorridos na vigência da lei antiga que não estejam abarcados pelos institutos jurídicos acima descritos estão sujeitos ao regramento trazido pela nova legislação, caso já operada a prescrição prevista na lei antiga, antes de entrada em vigor da nova legislação, inviável a consideração do novo prazo, na hipótese, inaplicável o prazo ampliado pela nova lei, as ações propostas antes da vigência desta.”

Na visão do ministro, o legislador, ao ponderar o termo inicial da contagem e a causa suspensiva da prescrição, buscou favorecer, em maior extensão, a parte lesada por infração à ordem econômica que já tenha sido reconhecida pela autoridade administrativa especializada, ou seja, o Cade.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "STJ define início de prescrição em reparação de dano concorrencial"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    POIS É, AMIGOS QUE SEMPRE ACOMPANHAM ESSAS BRILHANTES MATÉRIAS.
    SÓ TEMOS É QUE PARABENIZAR AO “CADE”, POR SEU DESEMPENHO DE FUNÇÕES JURÍDICAS, PARA AS CAUSAS ENTÃO ARGUIDAS!
    NADA MAIS A COMENTAR!

Os comentários estão encerrados