Submissão de montadoras ao cartel dos cegonheiros impõe prejuízo de R$ 1,8 bilhão aos consumidores em 2018

O alinhamento de 17 das 20 montadoras instaladas no país às ações do cartel que controla com mãos de ferro o transporte de veículos novos levou os consumidores brasileiros a amargar um prejuízo de R$ 1,801 bilhão ao longo de 2018. Os dados sobre o volume de vendas do ano passado foram publicados pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). O cálculo feito pelo site Livre Concorrência para aquilatar a lesão aos compradores de veículos zero-quilômetros foi montado a partir de equação montada pelo Ministério Público Federal (MPF), autor da primeira ação contra o cartel. Nos autos o custo do frete representa 4% do valor do veículo. Sobre o resultado, é aplicado o percentual de 25% de sobrepreço por conta da falta de livre concorrência no setor, cobrado pelas transportadoras acusadas de formação de cartel, segundo o MPF. Em dois anos, prejuízo à economia popular excedeu a cifra de R$ 3,2 bilhões. Em 2017, perda chegou a R$ 1,4 bilhão. 

Vale ressaltar que o prejuízo de R$ 1,8 bilhão refere-se apenas ao ágio cobrado pelas transportadoras vinculadas ao cartel dos cegonheiros. Ao todo, essas empresas receberam das montadoras no ano passado mais de R$ 7 bilhões (veja tabela abaixo).

Observação: Os números da Hyundai-Brasil (fábrica de Piracicaba-SP) referem-se ao percentual do escoamento entregue a empresas acusadas de formação de cartel. Os fretes do restante da produção estão na matéria intitulada “Fraca ação do Estado fez livre concorrência avançar 0,3% ao ano sobre o domínio do cartel”.

Em comparação com os números de 2017, o prejuízo dos consumidores cresceu 24,01%, enquanto as vendas de automóveis e de comerciais leves subiram 13,74% no mesmo período. Um aquecimento de 10,27% no ágio embutido pelas montadoras no valor final do veículo e repassado integralmente aos consumidores. No ano passado, o ágio pago foi de R$ 1,4 bilhão. Neste ano, a cada mês, os compradores de veículos zero-quilômetros arcam com um prejuízo da ordem de R$ 150,1 milhões, ou R$ 5,004 milhões a cada período de 24 horas. Do total de R$ 7,5 bilhões movimentado pelo mercado em 2018, as transportadoras integrantes do cartel, que contam com o apoio do braço político da organização exercido pelo Sindicato Nacional dos Cegonheiros (Sinaceg) abocanharam nada menos do que R$ 7,1 bilhões. O montante é equivalente a 93,19% do mercado de transporte de veículos via terrestre.

Grupo Fiat lidera os prejuízos ao consumidor
O grupo FCA Fiat/Jeep está mantendo a liderança no prejuízo causado aos seus compradores. Do total dos 432.603 veículos vendidos no ano passado, a montadora repassou ao cartel R$ 1,3 bilhão a título de frete e impôs um ágio de R$ 347,4 milhões aos compradores da marca Fiat/Jeep. O valor pago a mais pelos compradores corresponde a 8.854 veículos Mobi, com preço médio de R$ 39.244,00.

Em segundo lugar no ranking aparece a General Motors do Brasil, já condenada em 1ª instância na Justiça Federal por participação ativa no cartel dos cegonheiros. A montadora norte-americana repassou ao cartel, mais de R$ 1,2 bilhão, sendo R$ 301 milhões de ágio. No total, os consumidores brasileiros pagaram de ágio pela ausência da livre concorrência o equivalente a compra de 48.218 veículos Kwid, produzido pela Renault, o que possui o menor preço médio do mercado: R$ 37.363,33.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Submissão de montadoras ao cartel dos cegonheiros impõe prejuízo de R$ 1,8 bilhão aos consumidores em 2018"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    Certamente a FIAT/JEEP, está senso envolvida a pagar fretes abusivos à Empresa que faz a logística, denominada SADA, onde estes valores são repassados como Ágil aos consumidores finais! Isso prejudica as vendas dos veículos ora produzidos, além de prejudicarem os Transportadores associados ao SINTRAVEIC-PE, que nem se quer foram atendidos pelo Governo do Estado.
    Os fretes teriam sido aferidos a preços melhores, e os citados consumidores agradeceriam!
    Onde estão as ordens Judiciais, que já autorizaram nosso ingresso???

Os comentários estão encerrados