Supremo e STJ colocam contribuintes contra a parede

O bilionário impacto a favor da Receita Federal e o fim da segurança jurídica certamente trarão consequências incalculáveis para o país: fuga de capitais, desinvestimento, falências e desemprego. O texto abaixo foi originalmente publicado no site Debate Jurídico.

Por Eduardo Bonates*

O que parecia apenas um filme de terror virou uma triste realidade. O Supremo Tribunal Federal (STF) decretou, a um só tempo, a revogação de três princípios constitucionais tributários – segurança jurídica, coisa julgada e irretroatividade – no julgamento em que se decidiu pela quebra automática de decisão tributária. A Corte Superior também foi contra a aplicação de marco temporal que favoreceria pagadores de impostos.

As decisões proferidas no último dia 8 de fevereiro no Plenário do STF permitiram a possibilidade de processos transitados em julgado em favor dos contribuintes serem revistos quando os ministros decidirem que o tributo discutido é válido. O placar foi unânime. Por maioria, o Supremo também entendeu que essa quebra da decisão transitada em julgado não seria nem mesmo modulada.

O absurdo se consubstanciou com o entendimento de que decisões judiciais contra as quais não cabem mais recursos podem ser revistas e as empresas devem não só voltar a recolher novamente os tributos suspensos, como ainda serão agraciadas com uma conta salgada relativa ao período não arrecadado.

O bilionário impacto a favor da Receita Federal e o fim da segurança jurídica certamente trarão consequências incalculáveis para o país. Fuga de capitais, desinvestimento, falências e desemprego se avizinham com rapidez. Quiseram salvar o Governo e vão quebrar o país.

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) aproveitou o rastilho de pólvora e jogou mais uma bomba no contribuinte, decidindo no mesmo dia pela revisão das decisões transitadas que negavam a incidência do IPI na saída de produtos de origem estrangeira do estabelecimento importador. Pela nova decisão, fica permitida a cobrança do imposto.

O STJ observou que havia discussão em aberto no STF (e que teve conclusão no último dia 8), motivo pelo qual também faria a relativização da coisa julgada. Somente nesse processo o que era um crédito bilionário a favor do contribuinte se tornou um débito de R$ 3,5 bilhões a favor da União.

Já se noticiam até mesmo quais os próximos tributos e contribuições a serem revisados. Após a revisão dos julgamentos da CSLL e do IPI dos importados, os próximos alvos são a base de cálculo do PIS/COFINS e as contribuições patronais, que muito provavelmente terão as decisões favoráveis aos contribuintes revertidas. O Governo Federal estima em mais de R$ 50 bilhões os créditos a serem obtidos para a Receita com a cobrança retroativa caso o STF mude essas decisões.

A partir do momento que a Receita Federal puder cobrar automaticamente e de forma retroativa tributos em processos a favor dos contribuintes revistos pelo STF haverá ainda outras consequências incalculáveis, impactando tanto as áreas fiscal e contábil, como bolsas de valores e o mercado financeiro em geral.

A morte do Direito Tributário estava anunciada. E o pior aconteceu, agora jaz um corpo insepulto de empresas com vitórias em processos tributários federais. Exatamente no mesmo dia o STJ aproveitou o julgamento da Corte Suprema e jogou a última pá de cal no contribuinte que ousa ajuizar um processo contra a Receita Federal.

O Brasil nunca foi para amadores. Mas, agora, até mesmo os profissionais descobriram do pior modo possível que não vivemos mais sob os mais basilares princípios constitucionais.

*Eduardo Bonates é advogado especialista em Contencioso Tributário e Zona Franca de Manaus e sócio do escritório Almeida, Barretto e Bonates Advogados

Imagem: Steve Buissinne/Pixabay

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen