Tegma suspende descontos para sindicato e desbloqueia frotas

Sintraveic-ES tentou promover represálias contra os que discordaram do pagamento. Associados deveriam entregar R$ 12 milhões à entidade capixaba.

A Tegma Gestão Logística decidiu suspender os descontos dos empresários-cegonheiros solicitados pelo Sindicato dos Cegonheiros do Espírito Santo (Sintraveic-ES). A empresa, um dos alvos da Operação Pacto – deflagrada em 17 de outubro de 2019 pela Polícia Federal, Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) – também rejeitou o pedido da entidade patronal para bloquear as frotas (caminhões-cegonha) dos associados que discordaram do pagamento de R$ 200 mil cada um. Os recursos, segundo as queixas, seriam repassados a advogados para a defesa de associados acusados de atearem fogo criminosamente em caminhões-cegonha de empresas concorrentes. Ao todo, os 60 associados deveriam entregar ao Sintraveic-ES, nada menos do que R$ 12 milhões.

Nas transportadoras acusadas de participação no chamado cartel dos cegonheiros existe a figura da “Comissão de Carreteiros”, que é responsável pelo controle das cargas (veículos zero-quilômetro) transportadas das montadoras. Na Tegma, essa Comissão diz à empresa quais os carreteiros (cegonheiros-empresários) estão aptos a realizar o transporte e, ao mesmo tempo, organiza a ordem na fila de carregamentos. No movimento violento ocorrido em outubro de 2018 na fábrica da Caoa-Chery localizada em Jacareí (SP), por exemplo, integrantes da chamada Comissão de Carreteiros contemplavam com “avanço” de dez posições na fila de carregamentos os cegonheiros-empresários que participassem das manifestações contra a livre concorrência.

No final do ano passado, integrantes da Comissão de Carreteiros ligados ao Sintraveic-ES chegaram a anunciar a alguns cegonheiros-empresários associados o bloqueio dos carregamentos daqueles que não concordassem com as contribuições que chegavam a 10% do faturamento bruto por quinzena. Em alguns casos, esse percentual superava os R$ 2 mil mensais. A Tegma, que efetuava os descontos com a rubrica “assembléia”, chegou a alterar a nomenclatura, adotando para justificar a cobrança como “Sintraveic descontos diversos”, mas essa contribuição foi excluída.

Documentos solicitados ao Cade
Uma das representadas no inquérito administrativo que apura a prática de infrações à ordem econômica (formação de cartel) – junto com a Brazul Transporte de Veículos, de propriedade do político e empresário Vittorio Medioli, a Transcar e o Sintraveic-ES – a Tegma solicitou, em 13 de janeiro, ao órgão antitruste, acesso às cópias de todo o material apreendido por ocasião da Operação Pacto. O Cade ainda não se manifestou a respeito do pedido.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Tegma suspende descontos para sindicato e desbloqueia frotas"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    O CADE NÃO PODE ATENDER A NADA QUE ESSA EMPRESA SOLICITE, POIS ELA INTEGRA O CARTEL DOS CEGONHEIROS, E ESSA PRÁTICA DE COBRAR DOS TRANSPORTADORES QUAISQUER IMPORTÂNCIAS PARA PAGAREM ADVOGADOS, É CARACTERIZADA COMO FRAUDE.
    TODAS AS EMPRESAS INTEGRANTES DESSE CARTEL CRIMINOSO, JÁ DEVERIAM TER PERDIDO SEUS ALVARÁS DE FUNCIONAMENTOS HÁ MUITO TEMPO!
    ESSA É A MINHA OPINIÃO!
    CARTEL NO NOSSO PAÍS DEVE SER EXTINTO IMEDIATAMENTE, BEM COMO OS SINDICATOS AOS MESMOS INTEGRANTES E COOPTADOS.
    PONTO FINAL!

Os comentários estão encerrados