Gaeco reúne provas e encaminha novo procedimento à Justiça de São Paulo

Dois anos após o início das investigações, promotores encaminharam procedimento ao Judiciário. As provas sobre as práticas de crimes contra a ordem tributária – formação de cartel – entre outros, ganharam novo fôlego e ingredientes contundentes a partir da deflagração da Operação Pacto, com a busca e apreensão de centenas de documentos e equipamentos eletrônicos nas empresas e sindicato investigados.

Em 2015, o núcleo de atuação regionalizada do Grupo de Atuação Especial de combate ao Crime Organizado (Gaeco) passou a investigar, entre outros, Vittorio Medioli, dono do grupo Sada e atual prefeito de Betim (MG), por suposto envolvimento em organização criminosa, formação de cartel, falsos documentais e tributários e lavagem de dinheiro. Os crimes teriam sido praticados desde o ano de 2011, na comarca e município de São Bernardo do Campo (SP), onde ele possui pelo menos cinco transportadoras de veículos.

Além do político e empresário de Minas Gerais, figuram entre os alvos do Procedimento Investigatório Criminal (PIC) 03/2015 o ex-presidente da Tegma, Gennaro Odone, e os presidentes de sindicatos do setor de transporte de veículos novos: José Ronaldo Marques da Silva (Sinaceg), Jardel de Castro (Sintrav-RJ) e Waldelio de Carvalho Santos (Sintraveic-ES). Essa apuração decorre de fatos novos identificados em outra investigação do Gaeco que culminou na denúncia à Justiça de 13 réus por abuso de poder econômico, dominação de mercado, eliminação total ou parcial de concorrência, fixação artificial de preços, formação de cartel e associação criminosa. Vittorio Medioli e Gennaro Odone estão entre os réus no processo que tramita na 5ª Vara Criminal de São Bernardo do Campo.

O PIC 03/2015 aprofundou em 2017 as investigações sobre supostas práticas de abuso de poder econômico, dominação de mercado, eliminação total ou parcial da concorrência mediante ajuste de acordo de empresas e de ações violentas utilizadas pela organização criminosa que controla o setor de transporte de veículos novos.

Na ocasião, os promotores Sirleni Fernades da Silva, Celisa Ágata Lopes Mota e Bruno Sevelio Ribeiro escreveram em relatório encaminhado à Justiça e anexado às investigações da Polícia Federal no âmbito da Operação Pacto:

“Após as diligências realizadas com juntadas de documentos e oitivas, necessárias à apuração acerca da dominação de mercado, prática de falsos documentais e tributários e lavagem de dinheiro cometidos a partir de 2011 por representantes de sindicatos e de empresas do grupo Sada (como verificado até o momento, com base no esclarecimento e documentos fornecidos pelas montadoras), bem como das demais práticas utilizadas como forma de minar a reputação de pessoas jurídicas que não se inserem neste grupo e são contratadas para o serviço de transportes de produtos pelas montadoras de automóveis. E até o momento é possível identificar como investigados.”

O extenso material produzido pelos três promotores do Gaeco já conta com mais de 2 mil páginas e contém 34 anexos. Várias montadoras de veículos com unidade fabril no país foram questionadas pelo MP e as respostas foram anexadas aos autos. Chama atenção o relato de representante da Volkswagen do Brasil. De acordo com os promotores, esse executivo recebeu ligação telefônica de Gennaro Oddone, dizendo estar assumindo a presidência da Tegma Gestão Logística, em 2015. No momento em que a montadora fazia cotação de preços, Oddone alertou o diretor da VW para o fato de que o “teste de mercado não estava sendo bem aceito pelos carreteiros – cegonheiros-empresários associados a sindicatos patronais de cegonheiros – o que poderia acarretar a greve”. O movimento se efetivou naquele ano e a montadora retrocedeu. Dois anos depois, episódio semelhante se repetiu.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Gaeco reúne provas e encaminha novo procedimento à Justiça de São Paulo"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    COMO SE PODE OBSERVAR, NESSES RELATOS, A PERGUNTA QUE SE FAZ É A SEGUINTE: – POR QUÊ SERÁ QUE ESSA FACÇÃO CRIMINOSA (CARTEL DOS CEGONHEIROS), AINDA ATUA EM NOSSO PAÍS?
    ELES INTIMIDAM AS MONTADORAS, OBRIGANDO-AS A SÓ FECHAREM SUAS OPERAÇÕES DE TRANSPORTES DE VEÍCULOS, ENTÃO PRODUZIDOS PELAS MESMAS, COM O SISTEMA DO CARTEL, OU CORREM SÉRIOS RISCOS DE TEREM SEUS PATRIMÔNIOS INCENDIADOS OU TRAVADOS DE ESCOAMENTOS NO NOSSO PAÍS.
    SENDO ASSIM, DOMINAM O MERCADO HÁ TANTOS ANOS. NÃO É MESMO?
    A JUSTIÇA DEVE OCORRER EM ÂMBITO NACIONAL, E ESSA PRÁTICA DEVE SER ABOLIDA IMEDIATAMENTE. PARA O NOSSO BRASIL SE LIVRAR DESSES VÂNDALOS.
    CONCORDAM COMIGO?
    CUMPRAM-SE AS LEIS!
    “BRASIL ACIMA DE TUDO. DEUS ACIMA DE TODOS!”
    ESSE É O LEMA ATUAL!

Os comentários estão encerrados