TRF-1 não absolveu ninguém. O Cartel existe e está condenado em ações cível e penal

Aproveitadores de plantão estão a utilizar a decisão proferida por unanimidade pela 6ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), com sede em Brasília, como “carta de alforria” aos cegonheiros (empresários) filiados ao Sindicato dos Cegonheiros de São Paulo (Sinaceg, ex-Sindicam). Tentam enganar parte da opinião pública com uma interpretação errônea e enganadora. Chegam a afirmar que a decisão dos desembargadores “afasta a acusação de suposto cartel”.

Não é verdade. O Sinaceg está condenado pela 6ª Vara da Justiça Federal do Rio Grande do Sul por formação de cartel. A General Motors do Brasil (GMB) também; Luiz Moan Yabiku Júnior, ex-diretor para assuntos institucionais da montadora, igualmente. A Associação Nacional das Empresas Transportadoras de Veículos (ANTV), além de ser condenada na mesma ação, teve sua extinção decretada pela Justiça. Terão ainda, de pagar multas de: GMB (R$ 250 milhões); Luiz Moan (R$ 2,5 milhões); Sinaceg (R$ 300 mil) e ANTV (R$ 5 milhões).

Cartel dos cegonheiros existe e operadores ligados ao esquema permanecem condenados
No Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) – aquele que vem ampliando as penas impostas no 1º Grau aos condenados na Lava-Jato – tramitam as apelações que deverão ser julgadas até junho deste ano. O Ministério Público Federal (MPF), autor da Ação Civil Pública que condenou os quatro agentes citados acima, quer a extinção do Sinaceg, a exemplo do que ocorreu com a ANTV, e o aumento do valor das multas para: Sinaceg e ANTV (R$ 15,9 milhões), General Motors (R$ 1,2 bilhão) e Luiz Moan (R$ 120 milhões).

Os aproveitadores de plantão esqueceram de divulgar que Aliberto Alves (ex-presidente do Sinaceg), Paulo Roberto Guedes (ex-presidente da ANTV) e Luiz Moan Yabiku Júnior (ex-diretor da General Motors) estão condenados por crime contra a ordem econômica, formação de cartel, em ação penal movida pelo Ministério Público Federal. Nesta segunda-feira, estarão frente a frente com o juiz da 22ª Vara Criminal da Justiça Federal de Porto Alegre para negociar a suspensão condicional do processo e acertar o pagamento da multa de R$ 173 mil aos dois primeiros condenados.
Desembargadores não os absolveram

Decisão do TRF-1 não é salvo-conduto para condenados
Os aproveitadores de plantão estão usando a decisão do TRF1 como “salvo-conduto” a uma entidade condenada. Os desembargadores da 6ª Turma de Brasília não fizeram análise de mérito sobre a existência ou não de cartel. Por isso mesmo, não podem ter absolvido o Sinaceg ou a ANTV.

O Tribunal limitou-se a avaliar a apelação do Ministério Público Federal contra a decisão de 1º grau que julgou improcedente o pedido ministerial para que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) reabrisse as investigações sobre a formação de cartel no setor de transporte de veículos novos. A decisão baseou-se nesse fato. Entenderam os desembargadores que cabe ao Cade decidir sobre o arquivamento ou não dos procedimentos administrativos por sua autonomia.

É preciso ainda esclarecer que o Cade, naquele processo em que atuou como defensor do Sinaceg o advogado Laércio Farina, marido da então presidente do órgão antitruste, Elizabeth Farina, na data do julgamento, arquivou o procedimento sob a alegação de falta de provas. Não houve, portanto, julgamento de mérito sobre existência do cartel.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen